A percepção do mundo


percepção do mundo

Percepção de mundo

O cérebro humano, sabemos, é uma máquina sofisticada, capaz de armazenar um volume inacreditável de conteúdo.

A filosofia e a psicologia analisam, sob perspectivas diferentes, o caráter e o valor da percepção. Ambas as disciplinas estão certas, porque cabem nessa máquina prodigiosa o conteúdo intelectual, que é o conjunto de referências por meio das quais se estabelece o raciocínio, o conteúdo cognitivo, que é o fruto do aprendizado e da repetição de tarefas, e o conteúdo moral, que é o conjunto de crenças e valores.

Todos esses elementos são evocados o tempo todo para formar a percepção de cada elemento, cada experiência, cada fato, ideia ou objeto. Rapidamente nos valemos das referências para dar sentido aquilo que estamos presenciando ou vivenciando. Nosso cérebro tem a obsessão por explicar, organizar e armazenar todo conteúdo com que entramos em contato.

Quais elementos formam a percepção?

A percepção é o produto desse esforço do cérebro em interpretar, organizar e armazenar as experiências. Para fazer isso, precisa de critérios para proceder esse esforço.

Esses critérios são decorrentes de uma série de fatores, alguns deles relacionados abaixo:

– Experiências – A experiência é um elemento chave da percepção. Se você já lidou com determinadas situações, ao se deparar com elas, terá a percepção de familiaridade.

Se teve uma experiência traumática, isso levará o indivíduo a ter medo. Por exemplo, se alguém foi mordido por uma cobra, será natural que tenha a percepção de ameaça ao se deparar com uma.

– Aprendizado – O aprendizado determina a forma como você irá lidar com determinadas situações. Se você aprendeu tudo sobre eletricidade, ao se deparar com uma pane elétrica terá a percepção de um problema a ser solucionado. Quem não entende nada do assunto terá a percepção de um drama.

Educação – A educação é o conjunto de valores que são entregues pela família, pela escola e pela sociedade como corretos. A educação é a ação do meio sobre o indivíduo criando parâmetros de compreensão das coisas e comportamentos aceitáveis. Para um britânico, chegar atrasado a um compromisso é algo imperdoável, porque ele foi educado dessa forma, assim como para um muçulmano e natural que as mulheres andem com a cabeça e o rosto cobertos.

– Referências – Normalmente, são pessoas, religiões ou obras que exercem grande influência sobre o indivíduo, que são lembradas na hora de formar juízo sobre determinados problemas.

– Influência intelectual – A influência intelectual é aquela decorrente da busca por conhecimento. São estímulos que auxiliam na formação da visão crítica.
– Conhecimento – É o melhor dos elementos que formam a percepção, pois nos aproximam da melhor verdade sobre os fatos. O conhecimento é capaz de produzir uma percepção qualificada, próxima do que é razoável e comprovável.

Fatos x realidade x percepção

Um único fato pode ser percebido de diferentes maneiras por diferentes pessoas. Afinal, elas empregam diferentes referências, valores e réguas nesse processo de compreensão promovido pelo cérebro.

Enquanto um indivíduo olha um quadro e percebe nele a técnica com que foi pintado, outro vai perceber a mensagem transmitida, sendo que vários indivíduos diferentes perceberão mensagens diferentes. A um outro indivíduo, a pintura parecerá tão somente uma pintura, bonita para ele, possivelmente feia para outro.

O quadro e a pintura são o fato, mas a realidade é como cada um percebe, assim como cada indivíduo percebe de acordo com a sua realidade. Assim como cada indivíduo é único, ele assim pode ser considerado porque tem uma forma de perceber as coisas que é única, que corresponde à sua realidade, que é também a sua verdade.