Divisões do Conhecimento Filosófico


Você já conhece um pouco sobre o início da Filosofia e seu desenvolvimento na Antiguidade grega. Saiba agora como se classifica, tradicionalmente, a sua evolução no tempo, das origens à atualidade:

FILOSOFIA ANTIGA

Iniciou com os pré-socráticos no final do século VII a.C., período em que o mito ainda era muito presente, e teve desdobramentos até o século VI d.C., apesar da simultânea divulgação do cristia­nismo, que constituiria a base do pensamento medieval.

Período pré-socrático ou cosmológico (final do séc. VII ao final do séc. V a.C.) – Investigações sobre a natureza.

conhecimento Filosófico

Período socrático ou antropo­lógico (final do séc. V ao séc. IV a.C.) – Investigações sobre temas liga­dos ao homem e à sociedade.

Período sistemático (final do séc. IV ao final do séc. III a.C.) – Sistematização das ciências e teorias filosóficas.

Período helenístico ou greco-romano (final do séc. III a.C. ao séc. VI d.C.) – Doutrinas voltadas à ética, à relação do homem consigo, com os outros e com a divindade.

FILOSOFIA MEDIEVAL

Iniciou com a sistematização do cristianismo, no século III (simultaneamente ao desen­volvimento de algumas corren­tes do pensamento antigo) e estendeu-se até o século XIV, quando entrou em crise devido ao Renascimento.

Filosofia Patrística (séc. III ao séc. VIII) – Transição da Filosofia Antiga para a Medieval. Tentativa, dos padres da Igreja, de conciliar os novos temas tra­zidos pelo cristianismo com os pensamentos grego e romano da Antiguidade.

Filosofia Escolástica (séc. IX ao séc. XIV) – Investigações sobre fé, razão e temas da lógica. Afirmação da teologia cristã e estudos sobre Platão e Aristóteles (principalmente sob inter­pretação dos neoplatônicos e de pensadores árabes).

Filosofia Renascentista (séc. XIV ao séc. XVI) – Transição da Filosofia Medieval para a Moderna. Redescoberta de elementos da cultura grega, como textos ori­ginais de Platão e Aristóteles. O pensamento voltou-se para o humanismo.

FILOSOFIA MODERNA

Refletiu as mudanças proporcio­nadas pelo Renascimento em re­lação ao pensamento medieval. O grande marco da nova mentalida­de foi o século XVII, estendendo esse modelo de pensamento até a primeira metade do século XIX. O pensamento voltou-se para si mesmo, indagando, primeiramen­te, quais os caminhos para se chegar ao conhecimento e, em seguida, quais as possibilidades e os limites do próprio conhe­cimento. Nesse período, surgiu o movi­mento conhecido como Iluminismo, além de teorias sobre o conhecimento, como Racionalismo, Empirismo, Criticismo e Idealismo.

FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA

Iniciou com alguns autores na segunda metade do século XIX, chegando aos dias atuais. Surgiram novos temas para a refle­xão filosófica, ou novas abordagens para temas clássicos. As investigações abrangem inú­meros problemas e temáticas. Por exemplo: História, cultura, cultura de massas, progresso, técnica, utopias, ideologias, crise da ra­zão, ciência, mente, linguagem, bioética, etc.

Áreas da filosofia

Além de perpassar todos os períodos históricos da humanidade, a Filosofia abrange diversos temas, que podem ser classificados em diferentes áreas. Frequentemente, a reflexão sobre um desses temas leva ao contato com mais de uma área. Logo, é importante que você tenha informações sobre cada uma delas, a fim de compreender os estudos que virão a seguir. Afinal, eles adotarão como critério a divisão da Filosofia em áreas.

ÁREAS DA FILOSOFIA E SEUS OBJETOS DE ESTUDO

História da Filosofia: origem da Filosofia; temas  da  reflexão filosófica em  cada período; mudanças pelas quais passaram determina­dos conceitos filosófi­cos e o próprio concei­to de Filosofia; diferentes teorias pro­duzidas pelos filósofos e sua relação com o contexto histórico em que surgiram.

Teoria do Conhecimento: tipos de conhecimento e métodos que conduzem a eles; percepção e conhecimento sensível; conhecimento inteligível, consciência, imaginação, memória, espaço e tempo; verdade, falsidade, aparência, dúvida, certeza, engano.

Epistemologia ou Filosofia da Ciência: métodos utilizados pelas ciências; validade dos métodos e dos resultados de cada ciência; natureza de cada ciência, relações das ciências entre si e com a Filosofia.

Estética ou Filosofia da Arte: conceitos do belo e da arte; questões sobre o gos­to; relações entre arte, natureza, sociedade e cultura.

Ética: virtudes, normas e valores morais; conceitos de dever, lei, liberdade e responsabilidade; fins e meios para a ação humana; formas desejáveis de convivência.

Filosofia política: conceitos de poder, autoridade, direi­to, lei, justiça, ideologia e revolução; regimes políticos, formas de Estado e sua legitimidade; cidadania e formas de participação social.

Metafísica ou Ontologia: o ser, a essência de cada coisa; fundamentos e causas da realidade.

Lógica: tipos de raciocínio, validade de cada um deles e regras que garantem racio­cínios válidos; formas de demonstrar a verdade nas ciências e em outros contextos; regras para verificar a verdade ou falsidade dos pensamentos e/ou afir­mações.

Filosofia Analítica ou da Linguagem: linguagens, seus limi­tes e possibilidades; processos de signi­ficação, expressão e comunicação; jogos de linguagem.

Filosofia da História: construção histórica das possibilida­des de existência humana, da cultura e das sociedades; percurso histórico e noção de pro­gresso; fundamentos para as diferenças sócioculturais no tempo e no espaço.