Resumo da Filosofia Antiga


A filosofia antiga é o período que corresponde ao seu surgimento, no século VI A.C. e à queda do Império Romano. Essa época é chamada assim porque os pensadores gregos começaram a questionar sobre a racionalidade humana e tentaram encontrar explicações para entender a sua própria natureza. Para facilitar, será feito um breve resumo da filosofia antiga.

Para os gregos, a palavra filosofia possuía um significado bastante intenso: era caracterizada pela constante busca da sabedoria. O saber era considerado um dom possuído apenas pelos deuses e cabia aos humanos tentar encontrá-lo, entendê-lo e compartilhá-lo.

Filosofia Antiga

Inicialmente, o conceito de filosofia era tido como religioso, já que sempre era citada a presença de seres míticos. Muito tempo depois, mesmo com a mudança de raciocínio sobre o assunto, a ideia básica se manteve a mesma: a busca pela sabedoria. Entretanto, os filósofos queriam muito mais do que apenas teorias, eles queriam a compreensão do todo. Daí a ideia de que tal explicação deve vir da razão, baseada em fundamentos convincentes.

Filosofia antiga: períodos e seus filósofos

A história da filosofia antiga pode ser dividida em três grandes períodos: o período pré-socrático, a Grécia clássica e a época helenística. De forma genérica, será apresentado um resumo da filosofia antiga com relação aos temas citados acima.

Pré-socráticos: os filósofos que viveram antes do período de Sócrates foram Parmênides, Heráclito e Tales de Mileto. Os dois primeiros investigaram a origem das coisas e as transformações da natureza. O último foi o primeiro pensador chamado realmente de filósofo. Sustentou a ideia de que a matéria que o mundo é feito era a água;

• Grécia clássica: entre os séculos 5 a.C. e 4 a.C. a civilização grega conheceu seu apogeu, com a magnificência da cidade de Atenas, foi dominada pelo seu poder militar e econômico e teve a democracia como sistema político. Em função disso, houve o crescimento das ciências e das artes. Os três maiores filósofos dessa época foram: Sócrates, Platão e Aristóteles.

• Helenismo: corresponde ao final do século 3 a.C. e se estende até o século 6 d.C. Nesse período, voltam à tona as inquietações filosóficas relacionadas às questões morais, à definição dos ideais de felicidade, virtude e ao saber prático.

O filósofo é aquela pessoa que busca o conhecimento de si mesmo. Sem uma visão pragmática, é movido pela curiosidade e sobre os fundamentos da realidade. Como este artigo é apenas um resumo da filosofia antiga, serão feitas considerações apenas dos filósofos mencionados nos períodos acima.

• Parmênides: nascido em Eleia, é considerado como o fundador da escola eleática. Acreditava que o pensamento das pessoas seria capaz de alcançar a compreensão total e genuína;

•Heráclito: para ele, tudo o que existe está em constante mudança ou transformação por isso, o mundo é um fluxo permanente em que nada se conservar igual a si mesmo;

• Tales de Mileto: considerado o pai da filosofia ocidental, nasceu em Mileto, uma colônia da Grécia. Implementou conhecimentos sobre temas que são muito atuais hoje em dia, como a verdade, a totalidade, a ética e a política.

•Sócrates (470-399 a.C.): fundador da ética, nasceu em Atenas e é conhecido por ensinar os seus discípulos através de perguntas. Esse método é conhecido como o socrático “Conhece-te a ti mesmo”;

• Platão (427-347): nascido em Atenas, discípulo de Sócrates e fundador da Academia, importante escola grega. Na sua visão, o mundo era dividido em dois: o cosmos e o mundo sensível;

• Aristóteles (384-322 a.C.): discípulo de Platão, nasceu em Estagira e foi considerado como “o filósofo”. Para ele, a pessoa é um composto de corpo e alma;

Os principais problemas filosóficos

Até agora foi dito nesse resumo da filosofia antiga que os filósofos viam o homem como um meio pelo qual se chegava a alguma coisa. Porém, questões sobre os problemas filosóficos ainda precisam ser pontuadas. É o que será visto agora.

• No período pré-socrático tem-se o predomínio do problema cosmológico, ou seja, a busca pela origem do universo. A physis (natureza como matéria de fundamento eterno) é o principal objeto de pesquisa e do questionamento. Os “cosmólogos” são os primeiros filósofos gregos a tentar explicar a natureza material e o princípio do mundo e de todas as coisas.

• Na era socrática destaca-se o problema antropológico, em que o governo democrático em Atenas tenta transformar os habitantes da cidade em indivíduos capacitados a tomar parte nas decisões da democracia. Através da Paideia, o centro de interesse passa da natureza para o homem.

• O momento helenístico preocupa-se com o problema da salvação e da felicidade. A filosofia é tida como um modelo de vida e passa a ser possível alcançá-la por meio de conjuntos de regras morais. Nesse período destaca-se ainda o surgimento de pequenas escolas filosóficas e a perda de vigor da filosofia, que se torna repetitiva e pouco criativa.