Fluxo Magnético


A esta altura, você já deve ter percebido como a física pode ser uma ciência fascinante. Pode ser um pouco complicada, até porque estudar o universo e todas as coisas que o compõe é uma tarefa ambiciosa e que requer muito tempo e muito conhecimento aplicado.

No entanto, com um pouco de dedicação e persistência, é possível entender a física. E, conforme você avança em seu entendimento, mais descomplicada e prática a física vai se tornar. Duvida? Então, leia com bastante carinho e atenção este texto, que se situa no campo da elétrica, tendo como tema central o fluxo magnético e, depois de tirar suas conclusões sobre o assunto, nos diga se o entendimento do assunto foi tranquilo, difícil ou extremamente complicado.

Preparado? Então, vamos lá.

Fluxo Magnético

Campo magnético

Antes de partimos para o assunto que realmente nos interessa, é necessário relembrarmos, mesmo que superficialmente, o que é um campo magnético, já que é nele que o fluxo magnético se manifesta.

Um campo magnético nada mais é que a região ao redor de um imã que influencia outros imãs ou materiais de ferro ou paramagnéticos, gerando uma série de interações magnéticas. Se você já estudou ou conhece o conceito de campo elétrico e/ou campo gravitacional, sabe o que é um campo magnético, já que as características dos três campos são muito similares. Todos os campos magnéticos possuem, em qualquer lugar, uma magnitude (força) e uma direção, podendo, portanto, ser definidos como um campo vetorial.

Logo, este imã pode ser representado por um vetor, chamado de vetor indução magnética e simbolizado pela letra B. Como a medida adotada para a quantificação do campo magnético é a Tesla (T), o vetor indução magnética também adotará esta unidade de medida.

Fluxo magnético

Pelo o que já foi dito na seção acima, você consegue inferir o que é, afinal, este tal de fluxo magnético? Não? Então, preste bem atenção, pois agora definiremos o conceito de fluxo magnético:

Fluxo magnético é aquilo que atravessa uma superfície plana colocada dentro de um campo magnético uniforme. É o produto do módulo de indução magnética, multiplicado pela área da superfície e pelo cosseno do ângulo normal à superfície que faz a direção do campo. O fluxo magnético é representado pela letra Φ. Logo, como ele é o produto da área da superfície vezes o cosseno do ângulo, sua fórmula é dada por Φ = |B| . S . cosseno, onde B é a indução magnética e S é a área da superfície.

Conseguiu perceber porque perguntamos se você havia conseguido inferir o que era o fluxo magnético? É justamente porque o fluxo magnético é o fluxo da indução magnética.

Segundo os três componentes que temos na fórmula dada acima, podemos concluir que o fluxo magnético pode variar em função deles. Assim, ocorre variação do fluxo magnético quando: há variação na área de superfície (S); há variação na indução do fluxo magnético ou, dito em outras palavras, ocorre uma mudança em seu módulo (|B|); ou há variação na posição da superfície em relação ao ângulo, como, por exemplo, quando a superfície é colocada numa rota que gire de forma perpendicular ao eixo do campo, causando variação no ângulo (cosseno).

Mas, por que estamos tratando da variação no fluxo magnético? Simples: quando uma área devidamente limitada por um condutor sofre alteração no fluxo magnético é gerada, entre seus terminais, uma tensão ou força eletromotriz. Se estes terminais estiverem conectados a um aparelho elétrico qualquer, como um medidor de corrente, esta força eletromotriz gerará uma corrente elétrica. Como esta corrente é elétrica e se dá a partir do magnetismo, dá-se o nome indução eletromagnética.

Lembra que no começo do texto falamos sobre o quanto a física é importante por sua aplicabilidade no mundo real? Pois é, com o fenômeno de indução eletromagnética essa afirmação fica comprovada de uma vez por todas. É a indução eletromagnética a responsável pelo funcionamento da maioria dos aparelhos elétricos que utilizamos em nosso dia a dia, como o rádio, a televisão, o fogão por indução e, até mesmo, o celular.

Tomemos o exemplo do fogão, já que ele ganha cada vez mais espaço nos lares brasileiros. Esse tipo de fogão funciona sem gás. Mas, como isso é possível? Pela indução eletromagnética. Embaixo de cada uma das bocas do fogão por indução, há bobinas que carregam correntes alternadas, as quais criam um campo magnético modificável. As panelas, constituídas de materiais férreos, que são colocadas em cima das bocas deste fogão induzem um corrente elétrica, que é transformada em calor em seu interior, cozinhando os alimentos. Conseguem perceber como toda a teoria que foi explicada mais acima é aplicada neste exemplo?

Portanto, nunca devemos julgar a física como uma matéria chata e sem utilidade em nossas vidas, pois ela é exatamente o contrário disto. E é somente através do conhecimento que podemos entender e modificar a realidade do mundo.