Sertão Mineiro


O chamado sertão mineiro corresponde à mesorregião situado ao norte do estado de Minas Gerais em sua plenitude. No entanto, é preciso esclarecer que a área não necessariamente apresenta as características mais associadas com a palavra sertão. Ou seja, nem todas essas localidades possuem clima semiárido e condições arcaicas. Com frequência, o conceito de sertão mineiro é empregado de forma mais liberal para definir uma área ainda maior do território e que abrange a trajetória do Rio do São Francisco dentro da unidade federativa, além de seus afluentes. Entre esses rios secundários é possível citar:

Sertão Mineiro

  • Rio Verde Grande,
  • Rio Grande;
  • Paraopeba.

Nesse contexto, o sertão mineiro inclui também um pedaço da região noroeste do estado. Cabe observar também a contribuição do cenário para a cultura nacional, tendo em vista que ele inspirou muitos artistas ao longo dos anos. Sendo assim, é justo afirmar que existem inúmeras representações dessa mesorregião, que é naturalmente bastante diversa. O exemplo mais clássico do sertão mineiro na literatura é possivelmente o “Grande Sertão: Veredas” (1956), de João Guimarães Rosa. Considerada a obra-prima do autor, o livro foi construído com base nas paisagens da infância de Guimarães Rosa e aborda a vida dos jagunços da região.

Ainda que a mesorregião compreenda municípios extremamente empobrecidos, ela engloba também uma série de localidades desenvolvidas e que juntam boa parte da produção de frutas no estado. Isso se dá graças a um sistema especial de irrigação. Apesar de não ser tão rico quanto o sul de Minas, esse sertão é bem distinto do muito castigado e árido nordestino.

Por ter um clima mais ameno em certas áreas e uma significativa quantia de “veredas”, como Guimarães Rosa definiu os vários pequenos rios que segmentam a região, existem muitas extensões de campos que são bem utilizados. Essa paisagem garante a prosperidade de uma parcela do sertão de Minas Gerais e propicia matas para além dos típicos cerrados e caatingas. Com isso, a vegetação é usada para pastagem, alavancando a pecuária. Contribui o fato do local ser plano, sobretudo em comparação às grandes áreas de montanha encontradas no oeste e sul do estado. Junto com o solo, que é poroso e sem muita profundidade, esse contexto permite que a água da chuva escoasse com facilidade e cria os rios temporários que aumentarão o volume do “Velho Chico”.

• O sertão mineiro fica na região norte do estado de Minas Gerais;
• Nem todas as localidades apresentam um clima seco como a do sertão nordestino;
• A mesorregião já inspirou inúmeros autores, entre os quais se destaca João Guimarães Rosa com o Grande Sertão Veredas;
• O Rio São Francisco recorta essa parte do estado e garante paisagens variadas;
• Ainda que existam municípios pouco desenvolvidos, o sertão de Minas Gerais é um dos maiores produtores de frutas do país.
• O solo favorece os riachos intermitentes que deságuam no São Francisco.

Veja a seguir como aconteceu à colonização do sertão mineiro.

A Colonização do Sertão Mineiro

A colonização do sertão mineiro, que já era ocupado pelos nativos, começou em torno de 1690 com duas movimentações diferentes:

  • os vaqueiros oriundos da Bahia que acompanhavam o percurso do Rio São Francisco;
  • os bandeirantes vindos de São Paulo.

Durante esse período, Matias Cardoso, Gonçalves Figueira e Januário Cardoso são algumas das figuras históricas que exploraram a região. Com a chegada dos aventureiros, formaram-se as primeiras vilas e povoados naquelas terras. Por causa dessa interferência, a primeira atividade a se fortalecer no sertão mineiro foi à criação de gado. A técnica empregada era o regime de sesmarias que se mostrou eficaz para a agropecuária local.

No começo da colonização, a região era parte das Capitanias de Pernambuco, que ficava na margem esquerda do Rio São Francisco, e da Bahia, no lado direito. Além da criação de animais, implementou-se também a agricultura de subsistência e a caça. Essa última prática foi beneficiada pela grande concentração de salitre, substância fundamental para a produção de pólvora, em Formigas, Januária, Manga, Coração de Jesus e Cotendas.

  • A região pertenceu às Capitanias de Pernambuco e da Bahia;
  • O primeiro pilar da economia foi à pecuária, seguida pela agricultura de subsistência e a caça.

O Sertão Mineiro Atualmente

Hoje, o sertão mineiro conta com mais de 100 cidades e pequenos polos industriais como: Montes Claros, Pirapora, ao norte, e Unaí, no noroeste. Entretanto, a economia da maioria dos municípios depende da agricultura de irrigação. Em Jaíba, por exemplo, o Governo do Estado e o Governo Federal juntaram-se para por em prática um projeto que visa fortalecer a agricultura irrigada no sertão de Minas Gerais. Vale salientar que cultura e folclore da região são riquíssimos, o que atrai muitos turistas anualmente.

  • Em sua classificação mais abrangente, o sertão mineiro conta com 100 municípios;
  • Apesar da força de sua agricultura de irrigação, há polos industriais.
  • O turismo também movimento economicamente a região.