Agricultura Brasileira: Tipos de Solo, Formas de Produção e Principais Produtos da Lavoura


Os solos brasileiros

O solo é a camada superficial da crosta terrestre resultante da ação do intemperismo. É um complexo composto de materiais minerais e orgânicos.
Os solos brasileiros são bastante diversificados em razão de sua extensão territorial e dos vários tipos climáticos. Dentre os solos de boa fertilidade destacam-se:

Agricultura Brasileira

Terra Roxa: solo eluvial de elevada fertilidade, de cor avermelhada, formada a partir da decomposição do basalto (rocha vulcânica). É encontrado, sobretudo, no Planalto Meridional, onde se praticam inúmeras culturas como café, soja, trigo e milho etc.

Massapé: solo aluvial de cor cinza escuro, também de elevada fertilidade natural, formado a partir da decomposição do gnaisse e calcário. É encontrado na Zona da Mata Nordestina, onde desde o período colonial é utilizado para a produção da cana-de-açúcar.

Em razão das elevadas temperaturas e do excesso de umidade, os solos brasileiros são muito vulneráveis a uma série de problemas naturais. Os principais são:

Lixiviação: é a lavagem da camada superficial do solo, com a consequente retirada da camada fértil, em função da elevada pluviosidade.

Laterização: constitui na formação de uma crosta ferruginosa impermeável, devido ao acúmulo de hidróxido de ferro e alumínio que migra da superfície para o interior do solo. É comum em áreas de clima tropical alternadamente seco e úmido.

Erosão: consiste no processo de desgaste e transporte da camada superficial do solo por ocasião das fortes chuvas em solos desprotegidos. Inicialmente aparecem algumas ravinas, sulcos produzidos no terreno que, com o passar do tempo pode ceder lugar às voçorocas.

O Brasil ocupa posição mundialmente privilegiada no setor agropecuário. É destaque mundial na produção agrícola da soja, milho, café, cana-de-açúcar, cacau, laranja, algodão, arroz, mandioca etc. Na pecuária também se destaca na criação de bovinos, suínos, ovinos, equinos e aves em geral.

Os Principais Produtos da Lavoura Brasileira

Na produção agrícola brasileira, identificam-se dois tipos de lavouras: Culturas Permanentes, que correspondem a aproximadamente 18% da área cultivada no país. Caracterizam-se por não exigirem novo plantio ao final de cada colheita. Culturas temporárias, que correspondem a cerca de 82% da área cultivada no Brasil. Caracterizam-se pela necessidade de replantio após a colheita.

Os principais produtos agrícolas produzidos no Brasil são:

Café – Originário do Norte da África foi introduzido no Brasil, na primeira metade do século XVIII, na Amazónia, onde não houve boa adaptação. No início do século XIX, foi levado para a baixada fluminense e de lá se expandiu até o Vale do Paraíba (SP), onde obteve bons resultados. No final do século XIX, a produção brasileira de café supria 75% do consumo mundial e representava 60% das exportações do p? Hoje, o Brasil continua sendo o maior produtor e exportador mundial, todavia, sua produção representa cerca de 20% da produção mundial e contribui com 7,5% das exportações do país. Os Estados que mais produzem o café atualmente são: Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, São Paulo e Bahia.

Cacau – É um produto nativo da América do Sul. Originário da Amazônia foi introduzido no Sul da Bahia (Ilhéus e Itabuna), onde se encontram as maiores produções, com cerca de 85% do total brasileiro, seguido do Espírito Santo e Pará. Cerca de 90% da produção nacional é voltado para a exportação. Principalmente para a Europa, Japão e Estados Unidos, onde é utilizado na fabricação de chocolates, licores, produtos farmacêuticos e cosméticos. O Brasil ocupa hoje a segunda posição mundial, estando atrás da Costa do Marfim, na África.

Laranja – A produção brasileira é, atualmente, a maior do mundo, seguido pelos Estados Unidos e Itália. O Estado de São Paulo é o maior produtor brasileiro com cerca de 80% do total produzido, destacando-se os municípios de Limeira, Bebedouro e Araraquara. Além de São Paulo destacam-se também os Estados de Sergipe, Rio de Janeiro e Paraná.

Algodão – É considerado uma das culturas mais tradicionais do país. Sua área inicial foi o Nordeste, onde predomina o tipo arbóreo (mocó), que possui fibras longas e resistentes. Na região Centro-Sul do país, predomina o tipo herbáceo que representa 95% da produção nacional. O algodão brasileiro destina-se, sobretudo, à exportação, às indústrias têxteis e a produção de óleo comestível. O país é um dos grandes produtores mundiais sendo os Estados do Mato Grosso (maior produtor nacional com 40%), Paraná, São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Goiás, na produção de algodão herbáceo. Os Estados do Piauí, Ceará e Paraíba, na produção do algodão tipo arbóreo.

Milho – Cereal cultivado em todas as regiões do País. É um produto nativo da América, largamente utilizado na alimentação humana e animal. No Brasil sua finalidade é basicamente para alimentação animal e grande parte é voltada para o mercado externo. A região Centro-Sul do país se destaca na sua produção devido à grande concentração dos rebanhos suínos, bovinos e de aves. Os Estados de maior produção são: Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Cana-de-açúcar – Originária da Ásia foi introduzida no Brasil pelos colonizadores portugueses no século XVI. Foi o primeiro produto cultivado no país e de grande importância para a economia colonial até o século XVIII. Inicialmente, a cana-de-açúcar foi cultivada em São Vicente, no litoral paulista, onde fracassou. Passou, então, a ser cultivada no litoral nordestino, região da Zona da Mata, nos solos férteis de massapé, onde apresentou rápida expansão e colocou o Brasil como primeiro produtor mundial. Foi essa cultura que desencadeou, no Brasil, o surgimento da monocultura escravista e latifundiária. No século XX, após a década de 1930, com a crise do café no Brasil, o cultivo da cana-de-açúcar toma o espaço no Centro-Sul, principalmente no estado de São Paulo, cuja produção supera a nordestina. Com a crise do petróleo, na década de 1970, o governo cria o programa PRÓ-ÁLCOOL visando a produção de álcool combustível. Hoje o Brasil ocupa a primeira posição mundial seguido de Cuba e da índia. São Paulo continua sendo o maior produtor com quase 50% da produção nacional seguido de Alagoas, Pernambuco, Minas Gerais, Paraíba, Paraná.

Soja – É uma leguminosa nativa da Ásia Oriental e conhecida há aproximadamente 4.000 anos. Foi introduzida no Brasil no século XIX, mas foi somente no século XX que apresentou grande expansão. A soja possui um elevado valor proteico, sendo muito utilizada na dieta alimentar do Oriente. E também tem sido muito difundido em todo o mundo, tanto na alimentação humana como animal. É atualmente a cultura mais importante no setor oleaginoso. A grande demanda externa, a alternância de épocas de safra no Hemisfério Norte e no Brasil e as mudanças nos hábitos alimentares das populações urbanas são os principais fatores que explicam a grande expansão da cultura de soja no país. O Brasil é atualmente o segundo maior produtor e o primeiro exportador mundial. Os Estados de maior produção são: Mato Grosso, Paraná, Rio grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Trigo – É considerado o mais nobre de todos os cereais, sendo o produto básico para a fabricação de massas e pães. Sua cultura é típica de climas temperados. Como o Brasil não ocupa posição de destaque na produção mundial, inclusive é um grande importador, é que houve um grande estímulo ao seu cultivo. Sendo o único produto agrícola voltado para consumo interno que é dotado de prestígio destinado apenas aos produtos de exportação. Os estados de maior produção são o Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Arroz – Produto originário da Ásia, onde se encontram os maiores produtores mundiais, responsáveis por quase 90% da produção mundial, o arroz é um produto básico na dieta alimentar do brasileiro. O Brasil é o nono produtor mundial e o primeiro do Ocidente. O Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional, onde predomina a rizicultura irrigada ou de várzea no vale do rio Jacuí, seguido de Goiás, onde prevalece o arroz de sequeiro.

Outros produtos – Feijão, maior produtor mundial (BA e PR); mandioca, maior produção mundial (BA); fumo, que visa o abastecimento das fábricas de cigarros, é tradicional cultura do Recôncavo Baiano.