Agricultura e Pecuária no Brasil: Fatores que Influenciam e Principais Produtos Explorados


Agricultura comercial de exportação x agricultura de produtos alimentares

Aproximadamente 40% da área de terra plantada no Brasil são ocupados por culturas que visam principal­mente suprir de matérias-primas a agroindústria, que, por sua vez, destina grande parte de sua produção à exporta­ção, como é o caso da soja, da laranja, do café, da cana-de-açúcar e do cacau. Quando não transformados ou in­dustrializados, os produtos são exportados in natura.

Agricultura e Pecuária no Brasil

Fatores naturais e agricultura

Clima e solo são os dois principais fatores naturais que influem na agricultura brasileira.

Clima

A diversidade climática do território brasileiro permite a cultura tanto de produtos tropicais, que são dominantes (café, cana-de-açúcar, cacau, algodão), quanto de produtos carac­terísticos das zonas temperadas (trigo, centeio, maçã, uva).

Solos

Os melhores solos do país para a atividade agrícola são:
•         massapé – na Zona da Mata nordestina, onde a cana-de-açúcar se desenvolve muito bem;
•         terra roxa – em vários trechos dos planaltos e chapadas da Bacia do Paraná (ex-Planalto Meri­dional), especialmente no Paraná, em São Paulo
e no Mato Grosso do Sul, estados onde o café foi o produto que melhor se adaptou.

Na agricultura moderna, o solo ideal é aquele: que apresenta alta fertilidade; no qual não ocorre deficiência de água e oxigénio; que não está sujeito à erosão e à de­gradação; que permite a utilização de máquinas e imple­mentos agrícolas; que não é raso. Deve-se considerar, con­tudo, que com o emprego de tecnologia o ser humano trans­forma áreas regulares e restritas em áreas agricultáveis.

Conforme o IBGE, 35,3% do território nacional apre­senta limitações muito fortes à agricultura, em 26% da área as condições são desfavoráveis e em apenas 38,7% do território brasileiro as condições são favoráveis.

Exploração da terra

A exploração da terra pode ser realizada basicamen­te de duas maneiras:
•         exploração direta – ocorre quando a proprieda­de é dirigida pelos proprietários, que nem sem­pre residem nas terras exploradas, auxiliados por seus familiares ou por capatazes e empregados; essa é a forma de exploração adotada pela maio­ ria dos proprietários rurais do Brasil;
•         exploração indireta – ocorre quando a terra é explorada por não-proprietários, que as ocupam por meio de locações feitas sob a forma de
arrendamento ou parceria.

No sistema de arrendamento, a propriedade é alugada em troca de um pagamento em dinheiro, por um determi­nado período. O arrendatário, usando seus próprios equipa­mentos e ferramentas, é responsável pela produção e por seus resultados. Uma propriedade pode ser arrendada a uma pessoa ou a várias pessoas. Uma empresa pode alugar vá­rias propriedades, agrupando-as em uma mesma explora­ção. Na parceria, a locação é feita em troca de uma parte da produção ou de uma porcentagem sobre os lucros.

A maior parte da mão-de-obra contratada para o tra­balho na lavoura é temporária, isto é, os trabalhadores trabalham sem nenhuma garantia ou assistência e, mui­tas vezes, são vítimas da ganância de grandes proprietá­rios rurais. Esses trabalhadores são conhecidos como boias-frias em São Paulo e no norte do Paraná, volantes no Centro-Sul, peões na Amazônia ou trabalhadores de fora na Zona da Mata nordestina.

Uma figura muito conhecida – e odiada – nas áreas rurais é o grileiro ou jagunço, contratado por grandes empresas ou por fazendeiros inescrupulosos para invadir terras devolutas (pertencentes ao governo) ou mesmo terras já ocupadas por posseiros, que acabam sendo ex­pulsos brutalmente, com seus familiares.

Pecuária no Brasil

Bovinos

O rebanho mais numeroso do Brasil é o bovino, que ocupa o segundo lugar mundial, superado somente pelo da índia. Destaca-se no país a pecuária de corte (forne­cimento de carne), embora a pecuária leiteira (produ­ção de leite e derivados) também venha ultimamente as­sumindo uma posição de destaque. Nos últimos anos, houve grande evolução na pecuária brasileira, com au­mento significativo no rendimento por cabeça.
As seguir, apresentam-se as maiores concentrações de gado bovino distribuídas por região.

•         Centro-Oeste – onde se encontra o mais nume­roso rebanho brasileiro.
•         Sudeste – concentra quase um terço do rebanho bovino do país.
•         Sul – é menos numeroso que nas outras regiões brasileiras, mas é de excelente qualidade. No Rio Grande do Sul, destacam-se na bovinocultura a Campanha Gaúcha e os campos de Vacaria; em Santa Catarina, os campos de Lages e o Vale do
Itajaí; no Paraná, os maiores rebanhos bovinos estão nos Campos Gerais de Ponta Grossa, Guarapu­ava e Palmas, além de algumas regiões de novas pastagens do norte e no sudoeste do estado;
• Norte – há muitas áreas novas de criação bovi­na. As tradicionais são a Ilha de Marajó, os cam­pos de Rio Branco, Roraima, alguns trechos do Acre (alto Juruá e alto Purus) e de Rondônia (Vale do Rio Madeira);
• Nordeste – embora não se diferencie muito do rebanho sulino no que se refere à quantidade, a qualidade do rebanho nordestino é bem infe­rior, pois o ambiente hostil – caatinga -, onde a pecuária extensiva é praticada, prejudica bas­tante a produtividade do gado bovino. O esta­do da Bahia concentra mais da metade do re­banho nordestino, seguido de Maranhão e Per­nambuco.

Bubalinos

Os rebanhos de búfalos são encontrados na Ilha de Ma­rajó (Pará), onde constituem a principal fonte de riqueza, na planície litorânea do Paraná e na Baixada Maranhense.

Aves

O Brasil, grande produtor de aves, destaca-se como exportador de carne de frango para vários países do mun­do, principalmente para o Oriente Médio. A maior pro­dução avícola está na Região Sul e no Sudeste do país.

Suínos

A Região Sul detém mais de 40% do rebanho nacio­nal de suínos. O Paraná ocupa a liderança na criação, seguido pelo Rio Grande do Sul e por Santa Catarina. Na Região Sudeste, merece destaque a suinocultura de Minas Gerais e de São Paulo. Na Região Nordeste, os estados que concentram o número mais expressivo de suínos são: Maranhão, Bahia e Piauí.

Ovinos

Estão no estado do Rio Grande do Sul mais de 40% dos ovinos do país, importantes no fornecimento de lã e carne. Os demais estados da Região Sul também apre­sentam rebanhos razoáveis. Na Região Nordeste, a fina­lidade principal é o fornecimento de carne e couro, já que a lã é bem menos espessa e de qualidade inferior.