Biosfera: Classificação da Paisagem Vegetal e Florestas Tropicais, Boreais, Savanas, Pradarias e Tundra


Em função da diversidade ambiental existente no pla­neta (clima, relevo, natureza das rochas e dos solos), os tipos de vegetais também diferem entre si, de acordo com as regiões naturais em que se encontram. Para conhecer as diferentes formações vegetais é preciso observar os diversos fatores do meio físico que influem em seu desenvolvimento.

Biosfera

Fatores do meio físico

O clima e o solo são os que mais influenciam as for­mações vegetais. Por constituírem o ambiente onde as plantas crescem, é importante que sejam conhecidas as temperaturas (mínima e máxima), a duração das estações, as características da precipitação atmosférica (clima), a textura, a porosidade e a permeabilidade do solo. Obser­ve que apenas alguns vegetais não dependem do solo: saprófitas, epífitas e parasitas.

Classificação da paisagem vegetal

Os vegetais são classificados segundo a umidade do ambiente, a forma e o comportamento sazonal das folhas.

Umidade   do   ambiente

Quanto à umidade, os vegetais classificam-se em higrófitos e xerófitos.
•         Higrófítos – vivem em ambientes muito úmidos.
•         Xerófitos – vivem em ambientes de pouca umi­dade.

Formas   das  folhas

Nesse aspecto, os vegetais podem ser latifoliados ou aciculifoliados.
•         Latifoliados – vegetais de folhas largas que se desenvolvem em áreas quentes e úmidas.
•         Aciculifoliados – vegetais de folhas em forma de agulha. São as coníferas de regiões temperadas e frias.

Comportamento  sazonal  das  folhas

De acordo com o comportamento das folhas, os ve­getais podem ser perenifólios ou caducifólios (ou decíduos).
•         Perenifólios – mantêm suas folhas o ano todo, como é o caso da vegetação da Floresta Amazônica.
•         Caducifólios ou decíduos – perdem suas folhas na estação fria ou seca.

Florestas equatoriais  e tropicais

Ocorrem nas áreas de baixas latitudes, com clima quen­te e úmido, com destaque para a Floresta Amazônica e a Mata Atlântica, no Brasil; a floresta do Congo, na África; e as florestas do Sudeste asiático. Principais características:
•         heterogênea – grande variedade de espécies;
•         densa – grande concentração de indivíduos em uma pequena área;
•         latifoliada, perene e higrófila.

Dessas florestas, restam atualmente apenas alguns bosques na Europa, em razão da ação devastadora de grupos sociais nas zonas temperadas, especialmente nos dois últimos séculos, quando teve início a chamada mo­derna sociedade industrial.

As florestas equatoriais e tropicais são fundamentais para a manutenção dos climas da Terra e da biodiversidade, sendo fundamental a sua preser­vação. Os desmatamentos para a implantação de projetos agropecuários ou para a construção de hidrelétricas e extração de madeira têm causado grande preocupação aos cientistas e ecologistas do mundo todo.

Apresentam, ainda, riqueza de fauna e intensa atividade microbiana, formando uma grande quantidade de húmus. Os solos, em geral, são ácidos, pobres, expostos à constante lixiviação. Normalmente, as florestas tropi­cais têm menor diversidade e pujança que as florestas equatoriais.

Floresta Boreais

Representam a forma­ção vegetal que ocupa a maior área do planeta. Locali­zam-se na porção norte do Canadá, da Europa e da Ásia, onde o clima é subpolar e continental. As temperaturas são baixas, os verões são curtos e os invernos, longos e rigorosos. Caracterizam-se por ter uma flora homogênea, forma­da de pinheiros e abetos. Apresentam folhas perenes e aciculifoliadas, sendo consideradas uma grande fonte de madeira mole, principalmente para a produção de papel.

A sua fauna é formada por ursos e esquilos. A Mata das Araucárias, no sul do Brasil, constitui uma vegeta­ção remanescente, comprovando a existência de um clima frio na região, em eras passadas. Floresta Amazônica, a maior formação vegetal tropical do mundo. A questão relacionada a sua preservação/devastação constitui um dos temas de maior evidência mundial.

Florestas  temperadas

Típicas de latitudes médias em que as quatro esta­ções são bem definidas, ocorrem principalmente no He­misfério Norte, como nos Estados Unidos, Canadá e paí­ses europeus. São formadas por uma pequena variedade de espécies de alto porte, espalhadas e decíduas (suas árvores perdem as folhas no inverno), das quais os car­valhos são característicos. Essas florestas têm sido bas­tante devastadas pelo homem, e sua fauna é formada por esquilos, raposas e castores.

Savanas

Conhecidas como cerrado no Brasil, apresentam dois estratos: um herbáceo e outro arbóreo-arbustivo, ambos com grande variedade de vegetais. São típicas de clima tropical semi-úmido. Nas savanas africanas, a fauna é composta por leões, rinocerontes, zebras, girafas, etc., e, no Brasil, por capivaras, guarás, tamanduás, antas, entre outros.

Pradarias

Também chamadas de campos, são um exemplo de vegetação herbácea, típica de climas temperados ou sub­tropicais. No leste da Europa, são conhecidas por este­pes, e no sul da América do Sul, por pampas. A fauna é composta por inúmeras aves, coiotes, porcos selvagens, etc. Paisagem de campos, Campinas (RS). A vegetação rasteira ou de pequeno porte (gramíneas) recebe diferentes nomes regionais, tais como: estepes (Europa), pradarias (América do Norte), pampas ife (América do Sul) e campos (Brasil).

Tundra

Localiza-se predominantemente nas áreas mais seten­trionais do Canadá, Europa e Ásia. Formada de musgos e liquens, adapta-se aos rigores do clima polar e, por isso, apresenta ciclo vegetativo curto: em poucos meses cres­ce, floresce e frutifica. Na fauna, destacam-se as renas, os caribus, etc.