Compreender a estrutura e a dinâmica da Terra


No estudo da geografia e da geofísica, é importante compreender inteiramente a estrutura e a dinâmica da Terra; ou, como pode ser chamada resumidamente, a estrutura dinâmica. Nosso planeta é formado por diferentes camadas, e sua característica base é a rigidez, mas há uma variedade de densidades e temperaturas conforme se adentra cada vez mais.

compreender-a-estrutura-e-a-dinamica-da-terra

A classificação da estrutura da Terra

Estudos mostram que há, aproximadamente, 6.370 quilômetros separando o núcleo do planeta da superfície que nós conhecemos. Ainda que por muito tempo a humanidade tenha acredito que todo esse espaço seria preenchido por rochas, quanto mais o tempo avançou, mais camadas foram descobertas; curiosamente, a camada que apresenta rochas é relativamente muito fina.

A Terra foi, então, dividia em três camadas principais com duas descontinuidades principais entre elas. As camadas são a crosta, o manto e o núcleo, e as descontinuidades são a de Mohorovicic e a de Gutenberg. Quando falamos de dinamismo, porém, temos que incluir também a litosfera, a astenosfera e a mesosfera.

As camadas estáticas da Terra

Crosta terrestre
A primeira e mais superficial camada é, também, a mais fina. Sua profundidade pode variar bastante dependendo do lugar; no mar, por exemplo, ela pode ter apenas 5 quilômetros, mas em zonas continentais ela pode ter 70 quilômetros. Áreas montanhosas ou de cordilheiras oceânicas tem, consequentemente, maior espessura da crosta. Sua temperatura é a mais fria dentre as camadas, mas ainda assim pode chegar a até 1000ºC em determinados locais.

Ela é subdividida em duas. A crosta superior é chamada de camada sial, e é composta principalmente por alumínio e silício. Ela comporta todos relevos e é o solo como o conhecemos, onde vivemos e onde realizamos todas as nossas atividades. Já a crosta inferior, mais profunda, é chamada de sima. Ela é composta também de silício e magnésio, e normalmente não é vista à olho nu, exceto em regiões oceânicas nas quais a camada sial é inexistente ou muito fina.

– Descontinuidade de Moho
Entre a crosta e o manto, está a descontinuidade de Mohorovicic, ou apenas Moho. É uma faixa descontínua, como o nome sugere, e varia bastante em espessura e em distância da superfície. Nos oceanos, a distância costuma ficar entre 5 e 10 quilômetros, mas ela pode chegar a até 60 quilômetros nas montanhas, assim como a crosta. O Moho ainda é estudado extensivamente, mas os estudos começaram apenas nos anos 1950.

– Manto
Após o Moho, situa-se o manto, a camada mais extensa da Terra. Ela ocupa cerca de 80% de todo o volume do planeta, e sua maior profundidade chega a 2.900 quilômetros. Ela é composta por magnésio e silicatos de ferro e sua temperatura média fica em torno de 2000ºC, o que faz com que as rochas de lá se transformem no pastoso e extremamente quente magma.

Ele também é dividido em dois: manto superior e inferior. O primeiro é mais pastoso que o inferior, e está sempre em movimento. É essa movimentação que causa as diferenças nas placas tectônicas, com consequências sentidas por nós através de terremotos e tsunamis, nos casos mais extremos.

– Descontinuidade de Gutenberg
Agora entre o manto e o núcleo, essa faixa de descontinuidade é essencial para os estudos sísmicos (ou seja, as ondas que resultam dos terremotos; a sismologia é, inclusive, o ramo que possibilita ao ser humano obter tanto conhecimento sobre o interior da Terra). Ela marca o limite entre as alterações do que constitui o interior da Terra.

– Núcleo
O núcleo é também subdivido em dois, e é o local mais quente de todos, alcançando entre 3000ºC e 5000ºC. Sua composição majoritária é de níquel e ferro, chamada de NIFE. O núcleo externo se encontra em forma líquida, cercando o núcleo interno, que é sólido. É basicamente uma forma arredondada maciça cercada por líquido, que causa uma enorme pressão. O núcleo se movimenta mais rapidamente que a própria Terra.

A estrutura dinâmica da Terra

– Litosfera
A camada mais superficial dentre as dinâmicas é a litosfera, que inclui a crosta e parte do manto terrestre. É composta basicamente por solo e rochas, e sua espessura fica entre 50 e 200 quilômetros. É rígida e é delimitada por uma isoterma de cerca de 1200ºC.

– Astenosfera
Localizada após a litosfera, esta faixa é mais quente e, por isso, menos rígida. Ela é composta basicamente de magnésio e silicatos de ferro. Ela também está em constante movimento, sempre interagindo com a litosfera; é por esse motivo que a sismologia conseguiu descobri-la e estudá-la.

– Mesosfera
A camada seguinte é a mais próxima do núcleo, mas ainda pode abranger partes do manto superior, bem como todo o manto inferior. Ela apresenta alta viscosidade, e seus movimentos são mais difíceis devido a pressão pela profundidade.

É importante lembrar que toda a estrutura e a dinâmica da Terra está sendo estudada constantemente, e que mais novidades podem surgir futuramente. Atualmente, além das características principais mencionadas, há também estudos sobre mais camadas dinâmicas, como a endosfera, ou descontinuidades sísmicas, como as de Conrad, Repetti ou Lehmann.