Condensações, Precipitações Atmosféricas (Chuva) e Clima


Umidade Atmosférica

A água existente na Terra encontra-se, em grande par­te, em circulação constante. Esse fenômeno constitui o ciclo hidrológico, que compreende três fases distintas:
•         evapotranspiração – quando parte da água da su­perfície (rios, lagos, mares, vegetação) é transfe­rida para a atmosfera, em forma de vapor de água;
•         condensação – quando o vapor de água passam para o estado líquido;
•         precipitação – quando a água retorna à superfí­cie terrestre sob a forma líquida (chuva) ou sóli­da (neve e granizo).

Condensações, Precipitações

Para avaliar a umidade de uma região, utiliza-se o higrômetro, enquanto isoígras são as linhas que unem os pontos de igual umidade.

Formas de condensação

Quando a condensação ocorre junto à superfície ter­restre, formam-se o nevoeiro ou neblina e o orvalho. Este forma-se durante a noite por causa do resfriamento do ar próximo à superfície, fazendo com que o vapor de água irradiado da Terra se condense e origine gotas sobre as plantas.

Geada

Ocorre quando a temperatura atinge o ponto de congelamento antes da saturacão, fazendo com que o vapor de água se transforme em gelo. A geada é, portanto, um processo de sublimação e depende da temperatura da superfície. Quando a condensação acontece em camadas mais elevadas, formam-se as nuvens. Embora existam diversas associações de nuvens, são quatro os tipos bási-cos: cirros, estratos, cúmulos e nimbos.

Algumas vezes, as plantas ficam tão frias que a umidade do ar congela instantaneamente, formando sobre elas pontas de gelo e deixando-as cobertas de geada.

Cirros – são minúsculos cristais de gelo, encontrados a grandes altitudes. Estratos – têm a forma de camadas horizontais. Cúmulos – lembram flocos de algodão. Nimbos – são nuvens baixas, escuras.

Precipitações atmosféricas

Neve: Resultante da cristalização do vapor de água no interior das nuvens ou um pouco abaixo delas. Ocor­re em regiões onde a temperatura é suficientemente baixa para evitar que os cristais entrem em fusão.

Granizo: Sua formação ocorre no interior das nuvens cúmulos-nimbos, por processos convectivos, que transportam as gotas de água condensadas às camadas mais elevadas e mais frias, onde se dá o congelamento.

Chuva

Trata-se da mais comum e mais importante forma de precipitação atmosférica. Resulta do contato de uma nuvem saturada de vapor de água com uma camada de ar frio. Os tipos principais de chuva são: convectiva, frontal e orográfica. São comuns na região equatorial, por influência dos ventos alísios.
•         frontais – resultam do encontro de uma massa de ar fria com outra quente e úmida, sendo comuns no inverno do sul do Brasil.
•         orográficas ou de relevo – o deslocamento horizontal do ar, ao entrar em contato com barreiras montanhosas, eleva-se e resfria-se, sofrendo condensação e precipitação.

O aparelho utilizado para medir as chuvas é o pluviômetro, e a quantidade de chuva de uma região fornece o índice pluviométrico. Linhas que ligam pontos de igual índice pluviométrico são denominadas isoietas.

Chuva  ácida

A poluição do ar por gases e produtos químicos provenientes, principalmente, das indústrias poluidoras ou da queima de carvões e derivados de petróleo reage com a atmosfera e, na precipitação, torna a água da chuva ácida, o que pode trazer graves danos à natureza e aos seres humanos.
A chuva ácida destruiu grande parte das florestas europeias. As florestas do nordeste americano também sofreram grandes danos.

Climas

Para o estudo dos climas, a Climatologia se apoia na observação dos elementos meteorológicos (temperatura, pres­são, massa de ar, vento, umidade e precipitação atmosférica) e dos fatores climáticos (latitude, altitude, continentalidade), durante um período prolongado de tempo.

Classificações  climáticas

Atualmente, entre as inúmeras classificações existentes, uma das mais aceitas é a classificação dinâmica, de Arthur Strahler, baseada na ideia do controle do clima pelas massas de ar. Outra classificação que merece destaque é a de Wilhelm Kõppen, que considera cinco zonas fundamentais de clima, com tipos climáticos representados por letras.

1a. letra – é maiúscula e representa a característi­ca principal do clima. A – tropicais chuvosos B – secos C – mesotérmicos úmidos D – microtérmicos úmidos E – polares;
2a letra – geralmente é minúscula, mas, em al­guns casos, é maiúscula, e representa o regime das chuvas. f – sempre úmido m – monçônico, uma estação seca. s – chuvas de inverno w – chuvas de verão F – dos gelos eternos S – de estepe T — da tundra W – de deserto;
3a  letra – é minúscula e representa as tempera­turas. a – verão quente b – verão brando c – frio d – muito frio h – sempre quente.

Nas classificações mais tradicionais, os aspectos mais valorizados são a temperatura e a umidade, podendo ser apresentados em climogramas.
Observe, no mapa abaixo, os diversos climas da Terra e estabeleça a correlação com o respectivo climograma.