Crescimento Demográfico, População, Taxas de Natalidade e Mortalidade e Urbanização

Crescimento Demográfico, População

A demografia é uma ciência social que se dedica ao estudo das populações e suas dinâmicas, ou seja, como elas se relacionam com o espaço geográfico que ocupam, assim como os fatores sociais, culturais, econômicos e naturais que interferem nesse processo. O termo “demografia” foi cunhado em 1855, por Achille Guillard e, desde então, os estudos demográficos têm servido como base para ações de planejamento urbano, político e social.

Conceitos demográficos

Para entender e estudar demografia, é preciso compreender os conceitos básicos que fazem parte dessa área do conhecimento. Os principais são os seguintes:

* População absoluta: é o número que representa a população total de uma região, seja uma cidade, um estado, um país ou um continente. Por exemplo: a população absoluta do Brasil é de 209,3 milhões de pessoas.
* População relativa: também é conhecida como densidade demográfica e corresponde a uma taxa que representa a quantidade de pessoas em relação ao espaço ocupado, dada por hab/km². Por exemplo: a população relativa do estado de São Paulo é de 181,67 hab/km².
* Taxa de natalidade: número total de crianças nascidas vivas em uma determinada região no período de um ano.
* Taxa de mortalidade: número de pessoas que vêm a óbito em uma determinada região, em relação à população absoluta, no período de um ano
* Crescimento demográfico: aumento no número de indivíduos de uma população dentro de um período de tempo.

Demografia e urbanização

Esses dois conceitos estão atrelados: a urbanização significa a transformação de uma região que deixa de ter características rurais para se tornar um meio urbano, com o aumento do número de casas, prédios, empresas, indústrias, vias asfaltadas, sistema de transporte público e outros elementos. A urbanização, muitas vezes, é uma consequência do aumento da população absoluta de uma região.

Um exemplo de urbanização aconteceu durante a Revolução Industrial no século XVIII. A mecanização do campo fez com que muitas pessoas perdessem seus trabalhos, ao mesmo tempo em que as indústrias que surgiam na cidade necessitavam de mão-de-obra. Com isso, a população da cidade aumentou (ou seja, houve o crescimento demográfico) e a infraestrutura foi se modificando para atender às nova demandas.