Divisão Política, Urbanização, Agricultura, Pecuária, Extrativismo e Setor Terciário dos Estados Unidos


ESTADOS UNIDOS: DIVISÃO POLÍTICA

QUADRO HUMANO

A população norte-americana é de cerca de 300 milhões de habitantes (2007), e sua densidade demográfica de aproximadamente 32 hab/km2. Na formação da população americana os imigrantes tiverem papel fundamental. Desde 1800, chegaram aos Estados Unidos cerca de 45 milhões de imigrantes, dos quais 80% europeus.

Divisão Política, Urbanização, Agricultura

O período imigratório mais importante se deu entre 1820 e 1870.
1800 – 1850: imigração moderada de europeus (ingleses e irlandeses);
1850 – 1880: maciça imigração de ingleses, escandinavos e alemães.
1880 – 1920: imigração de mediterrâneos (italianos), eslavos e judeus.
1920: as autoridades votam leis restritivas à entrada de povos amarelos (chineses, japoneses) e de povos latinos, diminuindo sensivelmente a imigração.

A esses imigrantes juntaram-se aproximadamente 25 milhões de negros e 900 mil indígenas, resultando numa população heterogénea, embora com 83% de brancos. Os negros representam alta porcentagem da população nos estados do sudeste: Mississipi e Carolina do Sul e nas cidades do nordeste e da Califórnia (Nova Iorque, Chicago e Los Angeles).

Os EUA são, atualmente, o país que mais recebem imigrantes apesar das medidas restritivas cada vez mais rigorosas, sobretudo depois dos atentados de 11 de setembro de 2001. Os principais imigrantes são europeus, canadenses e latinos, principalmente do México, Cuba, Jamaica, Porto Rico e outros. Os Estados Unidos são o principal destino dos brasileiros, com cerca de um milhão segundo informações do Itamaraty. “Nos últimos anos, o crescimento demográfico nos Estados Unidos se deveu principalmente ao aumento da população hispânica, tanto de imigrantes como de latinos nascidos no território americano.Em 2004, havia um total de 40.459.196 latinos em lares americanos, ou 14,2% da população total. O governo calcula que o número de hispânicos chegará a quase 48 milhões em 2010 e a pouco mais de 102 milhões em 2050. Os brancos representam aproximadamente dois terços da população americana”.

O crescimento vegetativo da população norte-americana é baixo (0,8% ao ano). Aproximadamente a metade da população concentra-se na Região Nordeste – Grandes Lagos, Vale do Ohio e Costa Atlântica – onde se encontra a maior megalópole do mundo, que se estende desde Boston, passando por Nova Iorque, Filadélfia, Baltimore, até Washington. Tal concentração pode ser explicada pela antiguidade do povoamento, condições naturais mais favoráveis, presença de ricas jazidas carboníferas, desenvolvimento industrial e maior proximidade da Europa. No Oeste a população apresenta-se dispersa e com baixas densidades.

Urbanização norte-americana

A maior parte da população dos EUA é urbana (cerca de 80%). Existem no país 12 cidades com mais de 2,5 milhões de habitantes e 30 com mais de um milhão. A maior cidade americana, Nova Iorque, foi construída sobre ilhas e penínsulas. Fundada por holandeses em 1621 com o nome de Nova Amsterdã, em 1664 foi tomada pelos ingleses e rebatizada com seu nome atual. É hoje o maior centro financeiro e comercial do mundo, é a sede da ONU, destaca-se por sua função industrial (têxtil, refino de petróleo, alimentícia, metalurgia, além de ser considerada o principal centro da indústria química do mundo), é o centro do capitalismo mundial. Destaca-se ainda como a cidade mais cosmopolita do planeta (vivem ali mais de 100 comunidades diferentes) e recebe cerca de 30 milhões de turistas por ano.

ESTADOS UNIDOS: AS MEGALÓPOLES

Um fenômeno de urbanização denominado de megalopolização vem ocorrendo no mundo. Nos EUA esse fenômeno é bastante notável, principalmente na região norte-nordeste, por ser a mais habitada:
Boswash: aglomeração urbana que vai de Boston a Washington, passando por Nova Iorque (a maior cidade americana com cerca de 17 milhões de habitantes – área metropolitana), Filadélfia, Baltimore e Norfolk e ultrapassa 50 milhões de habitantes;
Chipitts: fusão entre Chicago e Pittsburgh, passando por Cleveland e Detroit, nos Grandes Lagos;
San-San: San Francisco a San Diego, abrangendo Sacramento e Los Angeles, esta a segunda maior cidade americana com aproximadamente 13 milhões em sua área metropolitana (San Francisco, quatro milhões).

QUADRO ECONÔMICO

Com um PIB superior a US$ 12 trilhões e renda per capita de aproximadamente US$ 43 mil, os Estados Unidos ocupam o primeiro lugar entre as potências econômicas do mundo. O valor de sua produção e de seus serviços representa quase um terço do valor mundial, embora conte com menos de 5% da população da Terra. Isso justifica o enorme poderio econômico, militar, político e cultural do planeta. Essa grandeza econômica, industrial, científica e tecnológica foi alcançada graças a inúmeros fatores favoráveis:

Extensão territorial com variados climas e solos, com imensas disponibilidades de recursos naturais;
Perfil dos colonizadores e imigrantes (espírito inovador e empresarial);
Mercado interno forte, com população de alto poder aquisitivo;
Grandes investimentos em transportes e comunicações;
Precoce independência em relação à Inglaterra;
O dinamismo do capitalismo americano, bem como as estratégias de penetração americana no mundo, com formação de áreas de influência;
Investimentos em pesquisas científicas e novas tecnologias, produção em série, mecanização avançada, automação e concentração financeira de
grandes grupos industriais, que se ramificam por todos os continentes.

O país exporta cerca de 800 bilhões de dólares (2004) principalmente em tecnologias, capitais, maquinado industrial e eletrônico, aviões, automóveis, metais, produtos químicos, carvão, tabaco, trigo e algodão bruto. Importa cerca de 1,5 trilhão de dólares (2004) principalmente em petróleo, ferro, manganês, cacau, chá, café, açúcar, produtos semi-manufaturados e manufaturados que já não existe interesse de se produzir em território americano por consumir muita energia, ou usar muita mão-de-obra, ou ainda ser muito poluente a sua produção. Os maiores parceiros comerciais dos americanos são a Europa Ocidental, Canadá, América Latina, Japão, China e países da OPEP.

A agricultura americana tem pequena participação na renda nacional (1%) e emprega apenas 3% dos trabalhadores do país. Mas destaca-se no mundo pelo volume e variedade da produção, pela intensa mecanização e elevada produtividade do trabalho. Os EUA ocupam o 1° lugar na produção de fumo, milho, frutas e o 2° lugar na de algodão e trigo. Toda essa produção é obtida maciçamente em zonas especializadas, os belts. Os belts se estendem de leste a oeste e geralmente tem a produção variando de norte a sul, de acordo com as condições climáticas. As principais áreas são:

• Wheat belt (cinturão do trigo): situa-se no Norte e Noroeste, nas vizinhanças dos Grandes Lagos, destacando-se os estados de Nebraska, Kansas e Dakota.
•      Corn belt (cinturão do milho – associado à suinocultura – e soja): situa-se no Centro-Leste, junto à Bacia do Mississípi-Missouri, predominando no Estado de lowa.
• Cotton belt (cinturão do algodão): situa-se no Sul e Sudeste, destacando-se os estados de Alabama e Mississipi.
Green Belt (cinturão verde): formado por granjas, hortas e pomares em torno dos grandes adensamentos populacionais, sobretudo no nordeste do país.
•      Dry Farming: são áreas agrícolas no oeste americano (Califórnia, Colúmbia e Colorado) onde as terras irrigadas produzem frutas (uvas, abacaxi, melancia, melão, etc.), legumes verduras e gado leiteiro.
• Fruit Belt ou culturas tropicais: área de produção de frutas (laranja), cana-de-açúcar, arroz. Localiza-se no sul e sudeste.

Quanto a pecuária, os EUA destacam-se como possuidores de um dos maiores rebanhos do mundo, com predominância de bovinos, suínos e ovinos, também distribuídos em belts.
•            Dairy Belt: (cinturão leiteiro) a pecuária leiteira norte-americana é praticada de maneira intensiva no nordeste do país por se a região mais densamente povoada.
•            Ranching Belts: região centro-ocidental, nos Planaltos de Colúmbia e Colorado, áreas de climas áridos e semi-áridos, desenvolve-se a pecuária bovina e ovina em regime extensivo. Possui o quarto maior rebanho comercial do mundo com algo em torno de 105 milhões de cabeças.

O território norte-americano dispõe de reservas de carvão, de petróleo e gás natural. Os recursos minerais da indústria moderna são também abundantes, como minério de ferro, cobre, chumbo, zinco etc. Seus principais minérios são:

•            Ferro: é um dos maiores produtores mundiais e suas reservas encontram-se na Região dos Grandes Lagos, junto ao Lago Superior, nos estados de Minesota e Winsconsin e ao sul dos Apalaches.
•            Carvão: é também um dos maiores produtores mundiais, com reservas na Região dos Montes Apalaches, no Médio Mississipi e junto às Rochosas.
• Petróleo: produz cerca de sete milhões de barris/ dia; a principal área de extração é o Golfo do México, nos estados do Texas e Oklahoma, além da crescente produção da Califórnia. Entretanto seu consumo situa-se na casa dos 20 milhões de barris/dia, sendo obrigado a importar grande quantidade.
• Possuem ainda outros minérios, como bauxita, cobre, chumbo, zinco, ouro, prata e urânio. Apesar da grande produção, os EUA importam minério de ferro (do Canadá, Venezuela e Brasil), minério de cobre (do Chile), bauxita (da Jamaica), manganês (do Brasil e índia), níquel (do Canadá) e estanho (da Bolívia e Malásia).

Costa do Pacífico (Los Angeles, São Francisco, Portland e Seattle): as mais importantes indústrias dessa área são: de construções, mecânicas, eletrônicas (Vale do Silício), navais, automobilísticas, cinematográficas etc.
Costa do Golfo do México/ Sun Belt (Texas, Luisiana): a indústria está ligada ao cultivo de algodão, ao petróleo e ao gás natural, destacando-se a indústria têxtil, o refino do petróleo, a indústria petroquímica, a eletrometalúrgica e ainda a aeroespacial (NASA).

O setor terciário norte-americano é responsável por 79% dos empregos e responde por 77% do PIB total. Este é, portanto, o setor que mais emprega e mais gera riqueza. Todo esse dinamismo está ancorado, dentre outras coisas num eficiente sistema de transporte. A rede ferroviária é responsável por quase metade do transporte de produtos que circulam no país. As primeiras ferrovias construídas em território americano são da década de 1860. É destaque também o transporte rodoviário (25% das cargas) com aproximadamente 6,2 milhões de quilômetros, grande parte asfaltada. Os oleodutos constituem elementos de grande importância, sendo que a rede instalada é superior à ferroviária. A navegação é outro importante modal de transporte que, além de uma navegação fluvial e lacustre muito intensa, através dos rios Mississipi, Ohio, São Lourenço e os Grandes Lagos, tem na navegação marítima e no porto de Nova Iorque o seu maior símbolo de desenvolvimento. Além é claro, da aviação comercial que é a mais desenvolvida e numerosa do mundo.