Energia Nuclear no Brasil


Energia Nuclear no Brasil

O programa nuclear brasileiro teve início na década de 50, tendo como objetivo, pelo menos oficialmente, produzir energia. Na década de 70, durante os governos militares, o Brasil construiu e inaugurou as usinas de Angra 1 e Angra 2, na cidade de Angra dos Reis, no litoral sul do Rio de Janeiro.

O complexo produtor de energia esteve sob o controle da Eletronuclear. A usina nuclear Angra 3 teve suas obras interrompidas e até hoje não foi concluída.

Apesar do entusiasmo com o projeto durante os anos 70, as usinas termonucleares são responsáveis por aproximadamente 2% da produção de energia consumida no Brasil. Por outro lado, o país tem grande potencial para ampliar esse complexo, uma vez que é dono da sexta maior reserva de urânio do planeta, sem contar que também domina o processo de enriquecimento de urânio, essencial para a produção de energia atômica.

De outro lado, existe a crença de que o alto teor radiativo seria prejudicial ao homem e a natureza. A verdade, porém, é que a construção desses complexos obedeceu a rígidos critérios, não tendo sido registrado qualquer incidente até hoje. Tais objeções acabaram por provocar atrasos no processo de implementação desse modelo de fonte energética no país.

O que é uma usina nuclear

As usinas nucleares são complexos industriais cuja finalidade é produzir energia por meio de reações radioativas. O urânio é o elemento mais utilizado para a produção desse combustível. Durante o processo, o núcleo do urânio é desintegrado, fazendo com que uma grande quantidade de energia seja liberada.

No mundo, as usinas nucleares são responsáveis por 16% da energia elétrica produzida. Em alguns países, como Bélgica e Suécia, que são desenvolvidos, representa mais de 40% da energia produzida. Mais de 90% das usinas nucleares estão nos Estados Unidos, Rússia, Japão e Europa.