Equilíbrio Ecológico


Mesmo que a ideia do equilíbrio ecológico seja um pouco vaga, é possível refletir sobre sua necessidade como forma de manter uma qualidade de vida e perspectivas de sobrevivência no futuro, quando o progresso trás empreendimentos que impactam diretamente a natureza.

Equilíbrio Ecológico

É impossível pensar que a natureza é estática e que se manterá do mesmo jeito ao longo dos anos. Mesmo sem a ação direta do homem, ela própria se modifica pelas ações dos fenômenos naturais, sua fauna e flora.

Dinâmica como é de fato, ao se falar em equilíbrio esse fator do dinamismo deve ser observado. Porque é a harmonização do homem com a natureza, permitindo que ela mantenha seu processo mutável, que de fato trará esse desejado equilíbrio ecológico.

A Necessidade do Equilíbrio Ecológico

Como o homem precisa utilizar os recursos naturais para viver, a atual atenção com os excessos são fundamentais para manter uma perspectiva de sobrevivência futura. Por milhões de anos, a humanidade é predadora da natureza, usufruindo seus recursos sem se preocupar com seu término, como se tudo que viesse dela fosse infinito.

Ao se deparar com os danos causados e em muitos casos irreversíveis, aliada a pressão da grande possibilidade de perder esses recursos no futuro, o foco mudou e agora a preocupação ecológica tem feito parte da vida de todos.

Com o aumento da densidade demográfica mundial, matas e florestas foram sendo devastadas para dar lugar a cidades, vilarejos, indústrias e área rural. Em apenas 300 anos, mais da metade de toda a vegetação do mundo já foi devastada.

No Brasil não foi diferente. A própria Mata Atlântica, que apresenta uma grande riqueza de biodiversidade, já perdeu 70% de seu tamanho para dar lugar a urbanização. E também pela extração de seus recursos como madeira, mineração, vegetação e animais.

Hoje, a produção agrícola e pastoril é uma das maiores vilãs do desmatamento das florestas. Mesmo com todas as campanhas a favor da ecologia e até mesmo de algumas políticas governamentais, anualmente é desmatado 170.000 km².

Causas, Consequências e Com Trazer o Equilíbrio Ecológico

Com o desmatamento das florestas e a poluição do ar e das águas, a vegetação original é extinta em grande parte, fazendo com que toda sua biodiversidade também sofra perdas relevantes. O solo também entra em degradação com a falta de árvores, gerando erosões, desertificação e mudanças tanto no clima quanto no rio.

Além disso, quanto menos árvores há no planeta, mais o dióxido de carbono (CO2), o chamado gás carbônico, é lançado para a atmosfera. Atualmente famoso por ser o principal causador do efeito estufa, sua presença é fundamental na vida humana equilibrada por ser o principal agente da fotossíntese, que o transforma em oxigênio permite a respiração dos seres vivos.

Porém, quando as árvores e plantas lançam o gás carbônico no ar e as condições climáticas são de calor em excesso, seu processo é de retenção para que não percam sua reserva de água. Com isso, a fotossíntese acaba se transformando em fotorrespiração, onde o vegetal consome oxigênio e produz gás carbônico, o lançando no ar.

Com sua alta concentração na atmosfera, o gás carbônico vem contribuindo para o aquecimento global pelo seu efeito direto na camada de proteção da Terra. Além de ser emitido pelas plantas com o procedimento reverso da fotossíntese, o gás carbônico também é lançado pela respiração de organismos vivos e seres humanos, decomposição de seres vivos e de materiais orgânicos, erupções vulcânicas, indústrias e queima de combustíveis fósseis, como o carvão e a gasolina.

Um dos principais desafios da humanidade é conseguir equilibrar tudo o que é essencial ao ser humano, mas que em excesso pode levá-lo até a morte. O gás carbônico é um desses exemplos, já que tem funções relevantes e que também é capaz de causar prejuízos irreversíveis.

Com a urbanização, além do desmatamento desmedido há a grande incidência de indústrias, excesso de transportes e veículos movidos a derivados do petróleo, que cresceram em índices astronômicos nas últimas décadas. Com cada vez menos florestas e desequilíbrio das reservas naturais, o gás carbônico acaba tendo um aumento exorbitante na atmosfera.

Quanto mais alta a concentração de gás carbônico, maior será a poluição do ar, elevação da temperatura na Terra, derretimento das calotas de gelo que elevam os níveis oceânicos e toda a biodiversidade e ecossistemas abalados.

Ações de sustentabilidade tem surgido cada vez mais, para manter as áreas que ainda existem de verde e diminuir a poluição como um todo. O foco é controlar a execução de empreendimentos potencialmente poluidores, assim como pesca a caça predatória, desmatamento descontrolado e a falta de reflorestamento.

Mesmo que estudos e as atuais ações ainda sejam tímidos pelo tamanho do desequilíbrio do planeta, ainda assim é o começo de uma mudança de mentalidade cultural coletiva da população. Uma forma de fazer com que todos possam perceber o quanto é importante cuidar de seu próprio lixo, não desperdiçar água, ajudar no reflorestamento e combater as atitudes criminosas das empresas. Começar a adquirir consciência de que o equilíbrio ecológico faz parte do cotidiano de cada um e engloba todos os recursos naturais, flora e fauna da Terra.