Fatores locacionais da indústria


A atividade industrial é o maior atrativo econômico, urbano de demográfico de uma região. No entanto, para entender por que as fábricas se estabelecem em determinados territórios e não em outros, é preciso examinar os chamados fatores locacionais. A partir do estudo de tais características é possível perceber quais são os elementos que interferem na localização das indústrias. Em resumo, os fatores locacionais são os benefícios que os empreendedores observam em certos territórios e que acabam por motivar investimentos.

Na escolha do lugar para se montar uma indústria, não é levado em conta apenas um aspecto, mas sim vários benefícios competitivos que poderão contribuir para o sucesso da companhia. Cabe fazer uma ressalva acerca das indústrias de mineração, cuja localização é definida, sobretudo, pela presença da matéria-prima. Um exemplo claro disso são as fábricas do século XVIII, que deveriam ficar próximas de onde houvesse disponibilidade de carvão, a principal a fonte energética da época. Entretanto, hoje as indústrias se diversificaram e não dependem tão somente da proximidade da matéria-prima. Mas, afinal, quais são os fatores locacionais da indústria?

Fatores locacionais

Os principais fatores locacionais da indústria

É possível enumerar 8 circunstâncias mais importantes, a saber:

• Transporte: envolve toda a infraestrutura, os custos e as novas tecnologias relacionadas aos meios de transporte acessíveis. Isso porque cada tipo de produto possui um método mais adequado para o seu deslocamento. Ou seja, esse fator locacional é resultado da qualidade, da disponibilidade e da diversidade nas formas de transporte em uma região. Para tanto, no Brasil e em vários outros lugares do mundo são construídos os distritos industriais, que são zonas públicas ou privadas destinadas para as fábricas. As áreas com tal finalidade cumprem justamente os critérios de logística e tem saída para rodovias, aeroportos e ferrovias.

• Matérias-primas: a facilidade na obtenção da matéria-prima é um dos fatores mais tradicionais para a instauração das fábricas. Esse item abrange a disponibilidade, os preços, a qualidade e o tipo das substâncias que servem de base para a produção. Portanto, as condições de transporte também se refletem na aquisição matéria-prima.

• Energia: as indústrias requerem muita energia para funcionarem. Sendo assim, as empresas priorizam áreas que tenham uma boa estrutura de transmissão, recursos tecnológicos e abundância de fontes de energias.

• Mão de obra / força de trabalho: cada país tem suas próprias regras trabalhistas, que podem até variar dentro de uma única nação. Essas normas jurídicas são avaliadas pelos empreendedores junto com a disponibilidade, qualificação, média salarial e nível de organização da mão de obra existente na região. É indispensável que haja profissionais capacitados para garantir o andamento da fábrica naquela localidade e justificar a sua instalação.

• Mercado consumidor: um fator fundamental para o surgimento de indústrias é o tamanho do mercado consumidor local. Não é o suficiente apenas avaliar a quantidade de habitantes, mas também suas características socioeconômicas e culturais. São esses dados que ajudarão a conhecer o poder de compra, bem como prospectar o interesse da população na mercadoria.

• Disponibilidade de capital: é o fator locacional da indústria que se refere à capacidade que o mercado tem de fornecer ao empresário, sempre que for preciso, recursos econômicos para a realização de novos investimentos. Abrange ainda o quão propício o ambiente é para efetuação de negócios entre os bancos e as organizações, por exemplo.

• Incentivos fiscais: diz respeito à isenção de impostos, como o ICMS, que o Estado concede às indústrias para encorajá-las a se instalarem no território. É bastante comum que o governo faça a concessão de terrenos para que as companhias construam suas unidades produtivas. No Brasil, o que se observa atualmente é uma disputa entre os municípios e estados da federação na tentativa de atrair as fábricas para as suas respectivas áreas.

• Ciclo de produção: Os especialistas concordam que cada fase de fabricação de um artigo industrial possui uma lógica espacial. Segundo o economista George Benko, a produção de um item pode ter três etapas: desenvolvimento, estandardização ou amadurecimento e declínio. Para cada um desses momentos, existe uma força de trabalho específica e um espaço mais apropriado para a sua elaboração.

Conclusão

A partir dos tópicos apresentados, nota-se que as indústrias visam se instalar em lugares onde possam se desenvolver e em que exista maior perspectiva de sucesso. Em todos os processos de produção há demandas gerais como disponibilidade de matéria-prima, energia e mão de obra capacitada. Outras facilidades são criadas pelo governo e instituições financeiras por meio do incentivo fiscal e da oferta de capital. É essencial ainda que haja formas de se escoar as mercadorias por diferentes tipos de transporte. Por fim, os administradores estudam se o local possui um mercado disposto a comprar o determinado artigo. É claro que seria possível citar mais pontos positivos para o estabelecimento de indústrias, mas esses fatores tendem a ser específicos a certos segmentos industriais. Algumas máquinas necessitam de manutenção frequente, então os empreendedores se informam antes sobre redes de serviços correspondentes. Outro exemplo é a valorização das instituições de tecnologia, um diferencial para as fábricas que empregam esse conhecimento.