Geografia Humana: População, Crescimento Populacional, População Absoluta e Relativa

Geografia Humana

A medição dos dados demográficos, em conjunto com outros indicadores, é essencial para a formulação de políticas globais, seja do ponto e vista econômico, social ou ambiental.

No mundo contemporâneo, coexistem duas visões acerca do impacto do crescente povoamento do planeta pelas sociedades humanas.

A primeira, mais pessimista, percebe esse fenômeno como algo preocupante, no sentido de que seria a causa de sérios problemas de escassez de alimentos em relação à população absoluta do planeta, o que traria como consequência a fome.

Na outra mão, há uma visão de que a utilização do arcabouço tecnológico é capaz de suprir a necessidade de ampliação da produção de alimentos, principalmente nos setores agropastoris.

Na verdade, essas visões são pouco conclusivas acerca da complexidade demográfica do planeta. Há quase levar em consideração uma série de fatores geográficos e econômicos.

Deve-se perseguir o bem estar do conjunto da população, mas é evidente que em muitas partes do planeta há nações que reúnem grandes densidades populacionais sob condições extremamente vantajosas, com solo fértil, clima favorável às culturas agrícolas e bom desenvolvimento econômico, com base na industrialização.

Nessas condições, é possível oferecer ótimas qualidades de vida a uma população numerosa, enquanto em outros locais, com condições adversas, mesmo pequenas populações poderiam sofrer com a escassez.

Alguns conceitos importantes

O estudo demográfico recorre a alguns conceitos importantes para identificar problemas e cenários populacionais:

– população absoluta: número de habitantes em uma determinada região;

– população relativa: total de habitantes por quilômetro quadrado, indicador que mostra a intensidade do povoamento da região;

– crescimento populacional vegetativo: é a diferença entre o número de nascimentos e o número de óbitos, podendo esse indicador ser positivo ou negativo;

– taxa de natalidade: é o número de nascimentos em relação à população da região estudada;

– taxa de mortalidade: é o número de óbitos em relação à população da região estudada, determinando uma proporção de “x” mortes por cada 1.000 habitantes.