Geografia Humana: População, Crescimento Populacional, População Absoluta e Relativa


Os diferentes aspectos demográficos (natalidade, mortalidade, migrações, etc.) são dados de pesquisas para os poderes públicos e para as empresas privadas. Infor­mações atualizadas sobre os dados populacionais de uma nação ou de um lugar são requisitos fundamentais para o planejamento de ações sociais e ambientais eficientes.

Geografia Humana

Evolução da população mundial

ANO / POPULAÇÃO
1 – 250 000 000
1650 – 500 000 000
1850 – 1 000 000 000
1950 – 2 500 000 000
2005 – 6 500 000 000
2050* – 8 900 000 000 / * Estimativa da ONU

Como se pôde observar, nos séculos anteriores à Revolução Industrial, as sociedades agrícolas exibiam baixo crescimento vegetativo, em função das altas taxas de mortalidade. A melhoria no setor médico-sanitário, conquistada com a industrialização, fez com que as ta­xas de mortalidade fossem reduzidas.

Após a Segunda Guerra Mundial, os países subde­senvolvidos tiveram acesso às melhorias produzidas pela Revolução Industrial, o que resultou em significativo crescimento da população. O crescimento acentuado do número de pessoas, prin­cipalmente a partir da Segunda Guerra, é chamado por muitos autores de explosão demográfica. Outros, contu­do, chamam essa fase de transição demográfica, pois, atualmente, o ritmo de crescimento populacional é bem mais lento. A urbanização contemporânea reduziu as ta­xas de natalidade e o crescimento vegetativo. Deve-se observar, contudo, que a redução do crescimento vegeta­tivo se processa em ritmos desiguais nos diversos países. Para entender os dados referentes à demografia, é necessário compreender os conceitos a seguir.

•         Crescimento vegetativo (CV) ou taxa de cres­cimento (TC) – é a diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade.
•         Taxa de natalidade (TN) – é a relação entre o número de nascimentos e a população do país, estado ou cidade, na proporção de 1/1 000. número de nascimentos.
• Taxa de mortalidade (TM) – é a relação entre o número de falecimentos e a população existente, também na proporção 1/1000.
•     Taxa de Fecundidade (TF) – é a relação entre o número anual de nascimentos e o número de mulheres com idade entre 15 e 45 anos. Repre­senta a estimativa do número de filhos que cada mulher teria durante seu período reprodutivo. Um indicador importante da qualidade de vida de um povo é a expectativa de vida, ou esperança de tempo de vida ao nascer. Esse indicador refere-se ao número de anos que um recém-nascido pode esperar viver, levan­do-se em conta a situação do país (condições sociais e médico-sanitárias da nação).

Não se deve confundir expectativa de vida com ida­de média de uma população, índice que indica quanto costuma viver a população de determinado lugar.
Pela análise da tabela a seguir, pode-se entender a situação demográfica mundial.

Teorias sobre o a crescimento populacional

A preocupação com o crescimento populacional não é recente. Em 1798, Thomas Robert Malthus IV (1766-1834), na obra Ensaio Sobre o Princípio da População, afirmou que, enquanto a população cres­ce em progressão geométrica (l, 2, 4, 8, 16, …), a produção de alimentos aumenta em progressão arit­mética (l, 2, 3, 4, 5, 6,…). Para ele, o resultado desse descompasso seria a fome. Para evitar o desajuste entre os dois fenômenos, a solução, segundo o autor, seria controlar a natalidade, retardando a idade de casamento. Essa teoria ficou conhecida como Teoria Malthusiana.

Os dados populacionais atuais não confirmam essa teoria, pois a produção de alimentos pode crescer de forma acentuada com o emprego da tecnologia adequada, reduzindo a discrepância entre o crescimento da popula­ção e a produção de alimentos. Hoje, existem duas correntes principais sobre o crescimento populacional: a dos neomalthusianos (ou pessimistas) e a dos reformistas (ou otimistas).

Os neomalthusianos, também conhecidos como pes­simistas, afirmam que os altos investimentos demográ­ficos desviam os escassos recursos de capital do investi­mento produtivo. Afirmam ainda que a causa da pobreza no mundo subdesenvolvido é o excesso de gente; por­tanto, o controle de natalidade é a medida necessária para se evitar a pobreza e a fome.

Os reformistas, também chamados de otimistas, afir­mam que não há necessidade de controle rigoroso da natalidade. Segundo eles, a produção de riquezas e as reformas econômicas e sociais são as soluções para a pobreza e a fome.

População absoluta  e população  relativa

População absoluta = total de população (populoso).
População relativa = total por km2 (povoado).

O que é um país superpovoado

Um país é considerado superpovoado quando a popu­lação ultrapassa um limite, além do qual o nível médio de vida da população começa a baixar. Portanto, superpopula­ção é um fenômeno relacionado ao desenvolvimento socioeconômico e tecnológico de cada país. Nos países ou regiões pobres, a superpopulação ocorre quando a população ultrapassa um limite acima do qual a fome e as epidemias são uma ameaça constante.

Considerando-se, por exemplo, a Holanda, que tem 392 habitantes por quilometro quadrado, ou o Japão, com 343 habitantes por quilometro quadrado, não se pode cha­má-los de países superpovoados, porque suas populações têm nível satisfatório de vida. Por outro lado, a índia, com 335 habitantes por quilometro quadrado (índice menor que o de Holanda e Japão) é considerada um país superpovoado, pois ali existe um grande número de ha­bitantes abaixo da linha de pobreza.

Atualmente, a ONU considera pobres as pessoas que têm renda inferior a l dólar/dia. Em todo o mundo, existem 1,2 bilhão de pessoas que vivem em estado de pobreza. As maiores concentrações estão na Ásia Meridional (índia, Bangladesh, etc.), na Ásia Oriental (Indochina, Indonésia) e na África Subsaariana.