Localização, Divisão Politico-Administrativa e Paisagens do Brasil


O BRASIL NO MUNDO

A superfície total do planeta é de cerca de 510 milhões de km2, dos quais 3/4 ou 361 milhões de km2, o equivalente a 70,7% do total é constituído pelas massas líquidas (oceanos e mares); outros 1A ou 149 milhões de km2, correspondendo a 29,3% são as terras emersas que formam os continentes e as ilhas.

Divisão Politico-Administrativa e Paisagens do Brasil

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Observando o mapa mundi podemos fazer inúmeras constatações a respeito do Brasil. Quanto a sua posição geográfica em relação ao globo terrestre, podemos destacar que o território brasileiro está localizado totalmente no hemisfério ocidental, ou seja, a oeste do meridiano de Greenwich. Apenas uma pequena parte, 7% do território encontra-se ao norte da linha do Equador, que atravessa quatro estados da região Norte: Amazonas, Roraima, Pará e Amapá. Os 93% restantes situam-se no hemisfério sul. 92% das terras brasileiras situam-se entre os trópicos (zona intertropical), os 8% restantes se localizam na zona temperada do Sul, sendo que o paralelo do trópico de Capricórnio atravessa três estados: Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo.

Muito embora o Brasil seja por excelência um país tropical, o fato de a maioria de suas terras estarem localizadas no hemisfério Sul, onde as quantidades de águas são bem superiores às terras emersas, ocorre uma amenização da tropicalidade pelo efeito termo-regulador das águas oceânicas.
O Brasil é um país de extensão continental, são 8.514.876 km2, o que o posiciona como o quinto maior país do mundo em território e apresenta o segundo maior potencial de espaço ecúmeno (terras com possibilidades ocupação humana e econômica), sendo suplantado apenas pela Rússia. Em relação ao globo terrestre o Brasil ocupa 1,6%; às terras emersas, 5,7%; ao continente americano, 20,8%; e à América do Sul, 47,7% onde ocupa sua porção centro-oriental.

O gigantismo brasileiro pode ser visto ainda através de outros números, são 23.086 km de fronteiras, sendo 15.719 km t terrestres e 7.367 km marítimos (perímetro envolvente). Predominam as fronteiras naturais num total de 80%, assim distribuídas: f rios (50%), serras (25%) e lagos (5%). Os 20% restantes são constituídos por linhas geodésicas (coordenadas geográficas), t Faz fronteira com quase todos os países da América do Sul, exceção feita ao Chile e Equador.

A grande extensão territorial do Brasil pode ser considerada o principal potencial para o desenvolvimento econômico em i razão da grande disponibilidade de recursos naturais, todavia as extensas fronteiras exigem pesados investimentos em proteção, vigilância e em setores como transportes e comunicações a fim de permitir uma maior integração nacional.

FUSOS HORÁRIOS BRASILEIROS

A hora legal no Brasil, de acordo com o sistema de fusos horários, em vigor desde 1° de janeiro de 1914, determina em ; decorrência da grande extensão leste-oeste, que o Brasil considere quatro fusos horários diferentes, todos situados à oeste de Greenwich.

DIVISÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO BRASIL

A República Federativa do Brasil, segundo a Constituição de 1988, compõe-se de 27 unidades – 26 Estados e Distrito Federal -, que se aglutinam no interior de cinco grandes regiões. Também muito utilizada nos dias atuais, a classificação de Pedro Pinchas Geiger de 1967, publicado no Atlas Nacional do Brasil, considera três complexos regionais: A Amazônia, o Nordeste e o Centro-Sul.

Sua maior singularidade é o fato de não considerar as delimitações estaduais. Por exemplo, o Nordeste Geoeconômico exclui o oeste do Maranhão e inclui o norte de Minas Gerais (Vale do Jequitinhonha). A região pode ser entendida como uma unidade de análise geográfica, que exprime a própria forma de organização do espaço pela sociedade. É uma escala de análise, uma unidade espacial, dotada de individualidade, em relação às áreas limítrofes. Portanto a delimitação da região exige a identificação de suas características singulares, que permitam diferenciá-las das demais áreas.
É necessária uma visão temporal sobre o processo de regionalização, pois suas principais características resultam da ação social sobre o espaço, e as formas de interferência social sobre esse mesmo espaço, modificam-se no curso da história, produzindo a metamorfose do espaço, exigindo um redimensionamento regional.

A atual divisão regional utilizada como oficial foi apresentada pelo IBGE em 8 de maio de 1968 e baseia-se em critérios físicos, humanos e económicos e limita-se com as fronteiras estaduais. Desde então se considera cinco macro-regiões: Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-oeste.

DOMÍNIOS MORFOCLIMATOBOTANICOS BRASILEIROS

Ao estudar as paisagens naturais brasileiras não de deve perder de vista o caráter de interdependência entre seus vários elementos constituintes. Por isso recomenda-se analisá-las a partir do conceito dos domínios morfoclimáticos que correspondem a áreas com relativa interação entre os elementos do quadro natural.

Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir das características geomorfológicas, pedológicas, climáticas, hidrográficas e fitogeográficas. Na década de 1970, Aziz Ab’Sáber, um dos mais importantes geógrafos do Brasil, após detalhado estudo do território brasileiro que levou em conta a enorme extensão territorial do país o dividiu em seis grandes domínios.

O conceito dos domínios morfoclimatobotânicos resulta da ação combinada dos diversos elementos físicos constituintes da paisagem brasileira. Dentre eles os que mais exercem influencia na formação da paisagem são o relevo (morfologia), o clima e a cobertura vegetal por interferirem e em muitos casos determinarem os demais elementos, muito embora sejam também por eles influenciados. Destes, a vegetação é o que oferece menor resistência aos “ataques” antrópicos na medida em que o desmatamento acaba por ser a ação que precede quaisquer atividades econômicas.