Oceanos, Mares, Correntes Marinhas e Movimentos e Propriedades das Aguas Oceânicas


Hidrosfera

A Terra apresenta 510 milhões de quilômetros qua­drados, e quase 3/4 de sua superfície são cobertos pelas águas, ou seja, aproximadamente 366 milhões de quilômetros quadrados. Essa água é encontrada em estado sóli­do (geleiras), gasoso (vapor de água) e líquido (oceanos, mares, rios, lagos, lençóis subterrâneos). Do total de água, 97% encontram-se nos oceanos e os outros 3%, distribuídos nos continentes.

Oceanos, Mares, Correntes Marinhas

Para compreender a importância da água, é preciso lembrar que aproximadamente 70% do peso do nosso cor­po é composto por essa substância, e que ela também é o elemento principal nas plantas, nos animais e, conseqiientemente, em nossa alimentação. A água é fundamental para o clima, pois absorve e irradia energia; transforma o relevo, erodindo e modelando a litosfera, além de exercer grande influência no meio ambiente, ocasionando, inclu­sive, enchentes e deslizamentos.

Apesar de ser um recurso natural renovável, a água potável não está recebendo os cuidados de preservação necessários à sua manutenção. Além da falta dessa subs­tância em muitos lugares, provocada por fatores naturais, o uso inadequado está tornando-a cada vez mais escassa nos locais onde ela é mais necessária.

Oceanos

Nosso planeta apresenta cinco grandes porções de águas oceânicas: o Pacífico, que separa as Américas da Ásia e da Oceania, é a maior delas, onde encontram-se também as fossas mais profundas (Vitiaz, com 11 034 m, e a fossa de Mindanao); o Atlântico se localiza entre as Américas, a Europa e a África; o Índico é o mais quente, por causa de sua posição geográfica, e banha a África, a Ásia e a Oceania; o Glacial Antártico e o Glacial Ártico.

Passagens estratégicas

Mares

Os mares são porções de água salgada nas áreas cos­teiras e no interior dos continentes. De acordo com o tipo de ligação que apresentam com os oceanos, os mares são classificados em
•         abertos ou costeiros – diretamente ligados aos oceanos, como os mares das Antilhas, do Norte, do Japão e da China;
•         mediterrâneos ou interiores – localizados no in­terior dos continentes, mas ligados aos oceanos por estreitos ou canais, como os mares Negro, Mediterrâneo e Vermelho;
•         fechados ou isolados – não têm comunicação com os oceanos, como os mares Morto, Cáspio e Arai.

Estreitos e canais

Os estreitos e canais são passagens naturais ou artificiais ligando mares e oceanos. Os estreitos mais conhecidos são os de Gibraltar (entre o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo), de Bering (entre os oceanos Pacífico e Ártico), de Magalhães (entre os oceanos Atlântico e Pacífico) e o de Ormuz (entre o Golfo Pérsico e o Oceano Índico). Os canais mais importantes são os do Panamá (entre os oceanos Atlântico e Pacífico) e o de Suez (entre os mares Mediterrâneo e Vermelho).

Temperatura

As temperaturas das águas oceânicas variam de acor­do com a latitude, a profundidade e as estações do ano. A média é de 16°C e, quando atingem -2°C, as águas congelam-se, formando as banquisas.

Movimentos das águas oceânicas

Ondas

São movimentos superficiais das águas oceânicas, pro­vocados pela ação dos ventos. Podem ser oscilatórias (a massa líquida não se desloca) ou transladativas (a massa líquida vai de encontro ao litoral).

Relevo submarino

A faixa menos profunda do relevo submarino, com apro­ximadamente 200 metros, é a plataforma continental, conside­rada muito importante do ponto de vista econômico, sobretu­do pela atividade pesqueira e extração de petróleo. O talude, faixa com até 3 000 metros de profundidade, faz a ligação da plataforma continental com a região pelágica, que pode ter de l 000 a 5 000 metros de profundidade. Na região pelágica, encontram-se restos de animais e vegetais marinhos. A região abissal é a mais profunda, apresentando fossas de até 11 000 metros. As linhas que unem pontos de igual profundidade são denominadas isóbatas.

Propriedades das águas oceânicas

Salinidade

É o teor de sais existente nas águas oceânicas. A média é de 32 a 37 g/L No Mar Báltico, a salinidade é de apenas 8 g/l e no Mar Morto, de 250 g/£, em função da elevada evaporação.

Marés

São movimentos de subida e descida das águas, por força da atração do Sol e da Lua, a cada período de doze horas. As marés variam conforme as fases da Lua: as mais fortes (marés de águas-vivas ou de sizígia) ocorrem nas luas cheia e nova, enquanto as marés menos inten­sas (marés de águas mortas ou de quadratura) aconte­cem nos quartos crescente e minguante.

Correntes marítimas

São correntes de águas salgadas que circulam pelos oceanos. Formam-se em virtude das diferenças de tempe­ratura e densidade. A direção das correntes é determina­da pela ação dos ventos e pela rotação da Terra. Podem ser profundas ou superficiais e movimentam-se, geralmen­te, a baixa velocidade

Classificação

As correntes marítimas estão classificadas em duas categorias principais:
•         correntes quentes – como a do Golfo ou Gulf Stream (que exerce grande influência no clima europeu); do Brasil; das Guianas; do Japão (Kuro
Shivo) e da Guiné;
•         correntes frias – como a de Humboldt (que faci­lita a pesca no Peru, mas ocasiona a seca de Atacama), das Falkland (na América do Sul), do Labrador (na América do Norte) e das Kurilas (na Ásia).

As principais influências dos movimentos marítimos sobre o relevo litorâneo são a formação de
•         rias – afogamento de vales fluviais pelas águas do mar;
•         fiordes – vales de origem glacial invadidos pelo mar;
•         dálmatas – ilhas alongadas, paralelas à costa;
•         falésias – costas altas terminadas bruscamente no mar;
•         skjaers – planícies glaciarias invadidas pelo mar;
•         restingas – cordões arenosos que separam uma laguna do mar;
•         tômbolos – faixas arenosas que ligam uma ilha ao continente;
•         recifes – depósitos de arenito ou de restos de animais marinhos.