Principais Cultivos, Características Agrícolas e Áreas de Produção do Centro-Oeste e Nordeste


Principais Cultivos

Ainda que ambas as regiões venham experimentando uma maior industrialização nos últimos anos, principalmente com a expansão da indústria alimentícia no Centro-Oeste, a predominância da agropecuária como atividade econômica é o traço comum entre as duas regiões.

Nordeste

O Nordeste tem a atividade agrícola concentrada na Zona da Mata, mais próxima ao litoral e com solo fértil. A cana-de-açúcar, ativo histórico da economia brasileira, ainda é predominante na região litorânea de Alagoas e Pernambuco. No sul da Bahia as frutas tropicais e o cacau predominam, enquanto o tabaco é a cultura predominante na região do Recôncavo Baiano.

Seguindo em direção ao interior, onde o clima é semiárido, com pequenas áreas úmidas, como os brejos, e a região do São Francisco, onde se desenvolve uma bem organizada produção de frutas para exportação, que se apropria de sistemas de irrigação, incluindo produção de mamão, melancia, manga, melão e uva.

No meio norte, na região que abrange o estado do Maranhão e grande parte do Piauí, o terreno é favorável à atividade agropecuária. A pecuária de corte extensiva convive com o cultivo do algodão.

Centro-Oeste

O maior problema da região Centro-Oeste é a distância para os grandes centros de consumo e para os portos, de onde é escoada a produção para exportação, que é o principal propósito da atividade agrícola da região.

Como quase todo transporte é rodoviário, isso encarece os produtos, que vão desde proteína animal e grãos, dentre os quais predominam a soja, feijão, arroz, milho e sorgo, além da mais recente expansão do cultivo de algodão.

Um dos traços da região é o domínio da tecnologia na agricultura, que incrementam a produtividade e a lucratividade do setor agrícola.

O uso de equipamentos modernos e a adoção de técnicas de cultivo da terra e plantio coloca a região, que possui vasto território fértil, como um dos principais polos produtores de alimentos do mundo. Só para se ter uma ideia, o cerrado produz, atualmente, 40% dos grãos e da carne bovina do Brasil.