Relevo Terrestre e Agentes Internos do Relevo


Relevo Terrestre

O relevo terrestre é formado por todos os diferentes tipos de características apresentadas na superfície terrestre, podendo ser divididas em três grupos: bacias sedimentares, escudos cristalinos e dobramentos modernos.

Nas bacias sedimentares podem ser observadas especialmente grandes depressões que podem ser preenchidas com detritos que se originam das regiões próximas a estas depressões. Entre as principais bacias sedimentares da superfície terrestre se destacam a bacia amazônica e a bacia do pantanal.

Os escudos cristalinos, por sua vez, são grandes pedaços de massas rochosas que não apresentam grandes transformações, sendo assim bastante antigas e cristalinas, sem sofrer as alterações que atingem os dobramentos modernos, por exemplo.

Assim, os dobramentos modernos são caracterizados pelos alinhamentos montanhosos que são oriundos especialmente da era terciária. Entre os principais tipos de dobramentos modernos podem ser apontados os alpes, andes e cadeias montanhosas, como o Himalaia, por exemplo. Na região onde se encontra o Brasil, não aconteceram dobramentos modernos.

Agentes internos do relevo

Os agentes internos do relevo são aqueles que acontecem no interior da Terra, ocasionando assim alterações no relevo terrestre em decorrência destas ações. Os agentes internos do relevo são o tectonismo, o vulcanismo e os abalos sísmicos.

O tectonismo é o agente interno representado pela movimentação tectônica, que faz com que as placas terrestres se movimentem, podendo gerar até mesmo um choque entre elas, como os que originaram os alpes e cadeias montanhosas.

Já o vulcanismo é a expulsão do magma do interior terrestre que acontece durante as erupções vulcânicas, podendo ocasionar assim alterações na superfície terrestre devido a este acontecimento.

Por fim, os abalos sísmicos são aqueles movimentos naturais que acontecem na crosta terrestre, responsáveis pelos terremotos. Estes movimentos podem ser monitorados por sismógrafos e registrados de acordo com a escala Richter, que mede a quantidade de energia presente em cada tipo de abalo sísmico.