Resumo sobre Iugoslavia


A Iugoslávia é um país localizado na região sul da Europa e desde a sua formação sempre foi marcada por conflitos. Seu nome oficial é República Federal da Iugoslávia, a capital é Belgrado e o sistema de governo é o parlamentarista.

O idioma oficial falado no país foi o sérvio, mas vale ressaltar que lá conviveram sérvios, húngaros, albaneses, montenegrinos e outros povos. Essa diversificação é produto do próprio surgimento da nação.

Você vai conferir a seguir um resumo sobre Iugoslávia, abrangendo o nascimento desse império e um dos momentos mais importantes que ele viveu, quando foi desagregado. Prepare-se para conhecê-lo!

Iugoslavia

Resumo sobre Iugoslávia: formação

O surgimento da República Federal da Iugoslávia no mapa deve-se a um dos maiores confrontos que a humanidade já presenciou: a Primeira Guerra Mundial, mas com antecedentes muito mais distantes do que isso.

Desde o século XV, mais precisamente 1463, a Sérvia era dominada pelo Império Otomano e só começou a ter a sua autonomia no século XIX, sendo declarada independente em 1882, graças ao apoio de outros países da Europa. Então, em 1912 e 1913, a Sérvia uniu-se a Montenegro e os dois países começaram a travar batalhas contra os turcos, inclusive, conquistando diversos territórios pertencentes àquele país.

Em 1914, acontece um marco da história que ficou considerado como o estopim Primeira Grande Guerra: o assassinato do arquiduque de Sarajevo (capital da Bósnia), Francisco Ferdinando, que era herdeiro do trono Austro-Húngaro. Quem o matou foi Gravilo Princip, pertencente de um grupo terrorista que tinha como objetivo a criação da “Grande Sérvia”, ou seja, a expansão das fronteiras do país.

Com o assassinato, o império Austro-Húngaro declarou guerra à Sérvia, como represália e vingança e ainda contando com o apoio da Alemanha e do Império Otomano (que também não tinha uma boa relação com a Sérvia, como vimos no início).

Alemanha, Império Otomano e Austro-Húngaro formavam a Tríplice Aliança, declarando guerra à Sérvia, amparada pela França, Reino Unido e Império Russo, sendo que essa última coligação saiu vitoriosa após quatro anos de conflito, que terminaram em 1918.

Após a Primeira Guerra, formou-se o Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos, que reunia todos os territórios eslavos do sul da Europa, ou seja, Sérvia, Kosovo, Voivodina, Montenegro, Croácia, Eslovênia, Macedônia e Bósnia. Os povos que habitavam todas essas regiões, antes separadas, eram de maioria eslava, portanto falavam línguas eslavas. O maior aspecto em que eles se diferenciavam era na religião.

No ano de 1929, Alexandre, então rei do Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos mudou o nome do território para Reino da Iugoslávia, que significava “terra dos eslavos do sul”.

Na Segunda Guerra Mundial, as tropas nazifascistas invadiram a Iugoslávia impondo seus regimes e recebendo forte oposição de movimentos comunistas de guerrilha. Josip Tito era um croata que liderava esses guerrilheiros e conseguiu libertar o país das forças de Hitler e Mussolini, instaurando a República Socialista Federativa da Iugoslávia, que reunia a Sérvia, Montenegro, Macedônia, Bósnia, Croácia e Eslovênia.

Tito ficou governando a Iugoslávia e não fazia questão de respeitar as determinações de Moscou, o que teve como consequência o rompimento daquela República com a URSS.

Mesmo tendo um regime socialista, durante a Guerra Fria, a Iugoslávia não se alinhou a nenhum dos lados e acabou ficando com os ditos países de Terceiro Mundo, ou seja, que não compactuavam nem com EUA e nem com URSS. Mais tarde, a Iugoslávia acabou retomando a relação com a URSS, mas mesmo assim, Tito sempre fez questão de preservar a autonomia geopolítica.

Resumo sobre Iugoslávia: desintegração

Essa etapa começa quando as repúblicas que formavam a grande Iugoslávia começam a desejar independência e democracia. Eslovênia e Croácia foram as primeiras a declarar sua independência em 1991, seguidas pelas Macedônia e Bósnia Herzegovina. No último caso, houve um grande conflito, porque um governante muçulmano assumiu um país de maioria cristã-ortodoxa. A situação perdurou até 1995 e ficou marcada pela grande quantidade de mortes.

A União Europeia reconheceu a independência dessas nações em 1992 e no restante do território iugoslavo formou-se a República Federal da Iugoslávia.

Mais tarde, Kosovo também conquistou a sua independência e foi administrado pela ONU, como resultado de um processo muito violento (o exército iugoslavo reagiu à tentativa de Kosovo se tornar independente). Depois, Sérvia e Montenegro também se desmembraram e, em 2006, oficialmente a Iugoslávia deixa de existir.

Percebemos aqui um país que teve uma trajetória curta quando comparado com outros, no entanto, intensa, cheia de conflitos e violência. Enquanto existiu, não há um longo período da história da Iugoslávia onde possamos dizer que a população pode viver tranquilamente e em paz.

Do que antes era a Iugoslávia, resultaram os seguintes países: Croácia, Bósnia e Herzegovina, Eslovênia, República da Macedônia, Sérvia e Montenegro (que se tornaram duas nações separadas em 2006) e Kosovo, cuja independência nunca foi reconhecida pela Sérvia.