Resumo do livro Escrava Isaura: O protagonista e o antagonista


O livro Escrava Isaura é uma obra do autor Bernardo Guimarães e foi publicado no ano de 1875, na época em que a escravidão era muito questionada por diversos intelectuais. Só treze anos mais tarde, em 1888, é que se deu o fim do regime escravista.

Narrado em terceira pessoa, A Escrava Isaura conseguiu grande destaque, principalmente por ter como tema a escravidão, entre os escritores do período romântico, caracterizando-se como um marco na literatura abolicionista. Além disso, o livro fez muito sucesso entre o público feminino, que acabou se compadecendo de todo o sofrimento de Isaura, uma heroína cativa.

Escrava Isaura

A protagonista da história é Isaura, uma escrava branca, magra, da cor do marfim, cabelos longos, virgem, pura, de caráter integro, encantava a todos com sua beleza. Além disso, ela sabia ler e escrever, além de falar francês, italiano e de saber tocar piano.

A antagonista do livro é Leôncio, um vilão devasso e extremamente insensível e inescrupuloso. Acabou herdando de seu pai, o comendador, todos os maus instintos. Mais tarde passou a nutrir por Isaura, um amor violento e cego.

Sinopse

O romance acontece no município de Campos de Goitacases, localizada no Rio de Janeiro, e também na cidade de Recife. Isaura era a filha de uma escrava muito bonita, que por não ter se sujeitado aos desejos sórdidos do comendador Almeida, o dono da casa, acabou sofrendo as mais terríveis privações. Isaura era fruto do relacionamento de sua mãe com seu feitor, chamado de Miguel, um homem bom e que não se sujeitava aos mandos e desmandos de Almeida. Mas, apesar disso, foi criada como filha pela família que servia. A mulher do comendador queria libertar Isaura, mas nunca chegava a fazer pelo desejo de ter sempre companhia por perto.

Quando o comendador finalmente se aposenta, seu filho Leôncio passa a tomar conta da fazenda. Este por sua vez, herdara do pai todos os maus instintos e toda a sua devassidão. Apesar de ter ido morar na fazenda, com sua mulher Malvina e seu cunhado, Henrique, Leôncio logo se viu cego de amor pela jovem escrava branca.

A mãe de Leôncio morre sem antes deixar seu desejo de libertar Isaura em testamento. Percebendo as intenções de seu cunhado para com Isaura, Henrique se oferece para ser o amante da escrava branca, em troca de sua liberdade. O jardineiro da fazenda, considerado um ser humano desprezível e disforme também se oferece como amante. Mas, Isaura, simplesmente não dá a mínima para ambas as propostas e revela seu desejo de se casar por amor. Ao perceber o interesse de seu marido, Malvina sentencia: ou Isaura ou eu.

Neste contexto, Miguel, pai de Isaura chega com dinheiro suficiente para comprar a liberdade dela, conforme o comendador havia prometido. Mas, Leôncio não aceita o dinheiro, muito menos libertar a jovem. Malvina continua a pressionar o marido para que ele a liberta, mas diante de todos os adiamentos e desculpas de Leôncio, decide voltar para a casa de seu pai. Era o que faltava para que ele passasse a investir de maneira indecente em Isaura, que resistia, mas era constantemente ameaçada com torturas.

Miguel então decide fugir para o Norte com Isaura e essa, muda seu nome para Elvira e seu pai, para Anselmo.

Quando conhece Isaura, Álvaro fica impressionado com tanta beleza. Por diversas vezes, a jovem tentou contar ao amado que era uma escrava fugida, mas sempre acabava perdendo a coragem.

Ao irem em um baile, Isaura se destaca no meio de todas as mulheres, por saber tocar muito bem piano e também pela sua beleza. Martinho, um jovem estudante, acaba reconhecendo-a e provoca um escândalo, fazendo com que Isaura confessasse na frente de toda a sociedade que era uma escrava fugida. Sem conseguir levá-la, já que Álvaro defendeu a jovem, Martinho informa através de uma carta para Leôncio, que havia localizado a sua escrava.

Uma intensa briga se desenrola quando Leôncio aparece de surpresa, exigindo levar a jovem escrava embora. Ele ainda tinha em mãos um mandado de prisão contra Miguel. Surpreendentemente, Isaura se entrega ao senhor.

De volta à fazenda, Isaura fica na mais completa reclusão. Seu senhor, iria precisar de dinheiro, por isso, volta com Malvina. Na cadeia, Miguel tenta persuadir sua filha para que se case com o jardineiro da fazenda, Belchior, em troca de sua liberdade e da filha.

Sem mais esperança e forças para lutar, a jovem escrava aceita o desafio. No dia do casamento, Álvaro chega de surpresa à fazenda e informa que havia comprado todos os créditos de Leôncio, que a essa altura estava falido, e se torna dono de tudo, inclusive a fazenda e todos os escravos. Isaura nem acredita em sua sorte. Leôncio jura que nunca irá implorar a sua generosidade para abrandar a dívida. Ele se ausenta da sala e se mata.