Revoltas no Segundo Reinado Brasileiro: Malês, Sabinada, Balaiada e Praieira


O período do segundo reinado no Brasil foi marcado, assim como o primeiro reinado, por diversos tipos de conflitos e revoltas, como as revoltas dos malês, sabinada, balaiada e praieira.

Revolta dos malês

A revolta dos malês aconteceu em 1835, sendo uma luta de escravos africanos que buscavam não penas o fim da escravidão, mas também o fim da imposição da religião católica, uma vez que estes escravos eram de origem muçulmana.

A revolta dos malês foi rapidamente controlada pelas forças do império e seus responsáveis sofreram penas muito severas, que variaram da proibição de exercer sua religião até a pena de morte.

Revolta da sabinada

A revolta da sabinada foi um movimento comandado por Francisco Sabino Álvares da Rocha Vieira, que em 1937 buscou formar uma república baiana. A princípio, a revolta obteve sucesso, contando com o apoio inclusive de parte do exército baiano.

Porém, foi um movimento extremamente elitista, de forma que não conquistou o apoio da população, sendo assim facilmente combatido pelas tropas imperiais no ano de 1938, tendo muitos de seus responsáveis mortos ou presos, como Francisco Sabino.

Revolta da Balaiada

A revolta da balaiada foi um movimento realizado pela população pobre do Maranhão, liderados pelo produtor de balaios Manuel Francisco dos Anjos. Esta parte mais pobre da população maranhense recebeu inicialmente o apoio da classe média, chamada de bem-te-vi.

Com a tomada do poder pela população pobre, o comando foi passado aos poucos aos bem-te-vi, que acabaram abandonando estes rebeldes e facilitando a retomada das tropas imperiais, o que proporcionou a morte de aproximadamente 12 mil sertanejos maranhenses.
Revolução praieira

A revolução praieira aconteceu em Pernambuco e foi o último grande conflito do Brasil imperial. Os responsáveis foram liberais pernambucanos conhecidos por formar o partido da praia.

O conflito aconteceu quando os praieiros se rebelaram contra a troca do presidente de Pernambuco por um membro elitista. No entanto, com poucos homens, a revolução praieira durou menos de um ano antes de ser completamente combatida pelas tropas do império.