Revolução Farroupilha


Referenciada na história também como Guerra dos Farrapos, a Revolução Farroupilha aconteceu entre os anos de 1835 a 1845 e já foi tema de uma minissérie global. Sendo considerado como um dos episódios de rebelião mais extenso vivenciado em terras brasileiras, a Guerra dos Farrapos desafiou ícones e nomes poderosos entre as autoridades imperiais.

Revolução Farroupilha

A localização deste conflito foi no estado do Rio Grande do Sul, na província de São Pedro e em resumo assumiu um caráter republicano visto que ia contra o governo imperial da época, inicialmente comando sobre regências até o ano de 1840 e depois por Dom Pedro II que assumiu o trono mais cedo.

Veja neste artigo informações e dados pertinentes a Revolução Farroupilha, suas causas e principais ícones e entenda também mais a fundo como tudo começou, aconteceu e terminou neste episódio marcante da história do Brasil.

As causas e o andamento da Revolução Farroupilha

O descontentamento com as políticas assumidas pelo governo com certeza foram as principais causas que levaram a explosão da Guerra dos Farrapos. A principal meta das rebeliões era conquistar maior autonomia para as provinciais algo que o governo imperial não permitia, investindo apenas nas principais capitais, por exemplo.

Outro ponto importante que causou esta revolução foi à alta cobrança de taxas e impostos. Na época do conflito o estado do Rio Grande do Sul era um dos principais no comércio de charque e couro, porém a maior parte do lucro dos provincianos acabava ficando nas custas do império.

Além de reduzir os lucros, o governo regencial também tinha a intenção de abrir o comércio para receber peças de couro e charpe de outras nações e a preços mais baixos, o que acabaria por dificultar ainda mais na comercialização dos produtos sulistas.

Todo este clima de insegurança e também desconforto motivou a Guerra dos Farrapos que eclodiu em setembro de 1835 sob a liderança de Bento Gonçalves. Na ocasião, as tropas farroupilhas conseguiram tomar a cidade de Porto Alegre além de expulsar os militares do império da região.

A Revolução Farroupilha conseguiu crescer muito em suas metas e objetivos. Ainda no primeiro ano de embate, o líder Bento Gonçalves foi preso e seu lugar foi assumido por Antônio de Souza Neto.

No ano seguinte as conquistas farroupilhas foram muitas. Em 1836 as tropas sulistas chegaram até mesmo a proclamar a República Rio-Grandense elegendo, mesmo preso, Bento Gonçalves como presidente da nova unidade republicana.

Em 1837 Bento conseguiu fugir da prisão para assumir seu posto de então presidente da República Rio-Grandense e o movimento continuou a crescer e se expandir. Alguns anos depois, em 1839 os farrapos declararam mais algumas terras como república. A República Juliana fazia parte das terras que hoje pertencem ao estado de Santa Catarina.

Entretanto o império continuava a insistir em reaver as terras declaradas repúblicas. Em 1842, já sob o comando de Dom Pedro II, Duque de Caxias foi nomeado para iniciar um intento que pudesse reunir essas áreas ao império brasileiro acabando de vez com as revoltas de cunho separatistas do sul do país.

Em 1845, após inúmeros conflitos militares pesados, os farrapos acabaram cedendo ao império diante de alguns acordos e assim, a Revolução Farroupilha se encerrou junto com a história de duas Repúblicas que foram reintegradas as terras brasileiras.

Principais personagens da Revolução Farroupilha

Dez anos de lutas, conquistas e derrotas e muitas pessoas envolvidas no conflito, é impossível falar sobre a Guerra dos Farrapos sem falar um pouco mais a fundo de certos personagem que, sem dúvida, fizeram a diferença em meio ao conflito.

São três os nomes de maior destaque do lado farroupilho: Anita Garibaldi, Antônio de Souza Neto e Bento Gonçalves. Conheça a história de cada um desses personagens a seguir:

Anita Garibaldi

Uma mulher de cunho forte e persistente, ícone na história da Revolução Farroupilha, Anita Garibaldi viveu entre os anos de 1821 e 1849, nasceu em Santa Catarina e morreu na Itália e é até hoje considerada como uma heroína da nação.

Sua primeira atuação de destaque foi na Batalha de Laguna, província em que residia e quando deu o seu primeiro tiro de canhão. Durante a Guerra dos Farrapos, abandonou seu marido e casou-se com Giuseppe Garibaldi, com que passou o resto de sua vida e teve três filhos.

Além de participar dos conflitos que previam melhorias para o povo brasileiro, Anita também enfrentou embates na Itália e sempre acompanhou seu marido.

Antônio de Souza Neto

General militar que defendeu as terras brasileiras em inúmeros conflitos, assumiu o posto máximo do controle da Revolução Farroupilha enquanto Bento Gonçalves seguia preso.

Como comandante e chefe interino da guerra, obteve muitas conquistas para os sulistas e permaneceu firme até que devolveu o posto para Bento após a sua fuga. O general viveu entre os anos de 1803 e 1866 e é um ícone lembrado em muitas partes da história do Brasil deste período.

Bento Gonçalves

Por fim, é claro, Bento Gonçalves! Ele viveu entre 1788 e 1849 e foi o líder da Revolução Farroupilha. Mesmo preso, continuou aclamado e foi proclamado presidente da República Rio-Grandense.

Infelizmente, a separação não durou muito tempo, sendo a então república reintegrada ao império perante acordos firmados entre Bento e Duque de Caxias.