Divisão dos Períodos Históricos: Pré-História, Idade Antiga, Média, Moderna e Contemporânea


O ser humano, a partir do momento que passou a viver em grupos sociais maiores e mais complexos, sentiu necessidade de relatar a seus semelhantes os fatos que para eles eram importantes ou de alguma maneira afetaram a sua vida. Podemos dizer que os primeiros historiadores surgiram com o aparecimento da civilização.

Divisão dos Períodos Históricos

A História é dividida em períodos ou épocas, que definem o estágio alcançado pela humanidade em cada uma delas. O início e o fim de cada fase da história são determinados por um fato histórico importante, que afetou de maneira decisiva a vida dos seres humanos. Os períodos ou épocas da História são: Pré-História, Idade Antiga ou Antiguidade, Idade Média, Idade Moderna e Idade Contemporânea. A seguir estão as principais características de cada período histórico:

Idade Média 476 até 1453

Período de predomínio feudal no Ocidente, do século V da era cristã até a queda de Constantinopla, capital do império romano do Oriente, em 19453. Período da expansão dos reinos bárbaros na Europa, da transformação do escravismo em feudalismo, da expansão do cristianismo e origem e expansão do islamismo. Foi o período da consolidação do poder da igreja católica, das perseguições religiosas, da peste que devastou um terço da população da Europa.

Idade Moderna 1453 até 1789

Tem início com a queda do império romano do Oriente em 1453 e termina com a Revolução Francesa, em 1789. Durante a Idade Moderna ocorreram os grandes descobrimentos, a colonização do novo mundo (o continente americano), surgiram as monarquias absolutas, o capitalismo comercial que progressivamente substituiu o antigo sistema feudal, o renascimento cultural e científico, as ideias iluministas e a independência dos Estados Unidos da América (1776).

Idade Contemporânea 1789 até os dias atuais

Abrange o período da Revolução Francesa (1789) em diante. Período de consolidação do capitalismo, da Revolução Industrial, do surgimento do imperialismo, da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), das revoluções socialistas, da expansão da democracia, do surgimento do fascismo e do nazismo (1917-1938), da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), da Guerra Fria (1948-1990), da desagregação da União Soviética (1991) e consequente universalização do capitalismo, da globalização, do surgimento dos meios de comunicação de massa (rádio, cinema, televisão).

É importante lembrar que a escolha do início ou fim de cada período histórico é arbitrária. Por exemplo, a queda do império romano do Ocidente em 476 depois de Cristo é a data aceita pelos historiadores como o fim da Idade Antiga e o início da Idade Média. Esse fato, porém, não significou que toda a população do mundo passou a viver no sistema feudal, que seria característico da Idade Média, e nem a Revolução Francesa de 1789 determinou que todos os povos vivessem sob o sistema capitalista, predominante na sociedade contemporânea. As diferentes populações da terra vivem em estágios diferentes de desenvolvimento.

Paleolítico Inferior: 500 000 a 30 000 a.C.

O Paleolítico Inferior é o período mais longo da Antiga Idade da Pedra. No final desse período tivemos o aparecimento do Homo sapiens. A temperatura da terra era muito baixa, forçando os homens a viver em cavernas, alimentando-se da caça, pesca e coleta de frutos, desconhecendo a agricultura e o pastoreio. Devido a estas características, presumimos que os homens eram nômades, vivendo em grupos, pois é a partir dos laços de cooperação e solidariedade que dependia a própria preservação da espécie.

Foi nesse período que o homem realizou uma de suas maiores descobertas: o fogo. A partir de então, teve a possibilidade de se aquecer, cozer alimentos e afugentar animais. Os instrumentos e as ferramentas eram confeccionados, inicialmente, em osso e madeira; mais tarde, em pedra e marfim. A importância desses objetos era a defesa, a possibilidade de cortar, perfurar e esmagar. Devido ao fato desses instrumentos serem produzidos a partir das lascas de grandes blocos de pedra, esse período foi também chamado de Idade da Pedra Lascada.

Surgiram os primeiros rituais e a linguagem tornou-se mais elaborada. Entre as práticas rituais, sabemos que possuíam o hábito de enterrar seus mortos em sepulturas dentro das cavernas ou em suas proximidades. O sepultamento era realizado no decurso de uma cerimônia, pois junto com o morto eram enterrados alimentos e ferramentas, demonstrando o início da prática da magia.

Paleolítico Superior: 30 000 a 18 000 a.C.

No Paleolítico Superior ocorreu um maior resfriamento da superfície da Terra, forçando os homens a viver dentro das cavernas. O homem de Cro-Magnon é o representante característico desse período, surgindo por volta de 25 000 a.C. A espécie estava dividida em culturas locais e distribuída na Europa Oriental e Central – Solutriana – e na França -Aurinhacense e Madaleniana.

Esses homens ainda permaneciam coletores, caçadores e pescadores. Os instrumentos, porém, sofreram um processo de transformação. Como o gelo dificultava a busca de pedras, as ferramentas passaram a ser confeccionadas, principalmente, com ossos e marfim; o arco e a flecha são instrumentos desse período, bem como arpões e agulhas.

Devido ao longo tempo em que permaneceu nas cavernas e ao desenvolvimento da inteligência, o homem deu início ao nascimento da arte, representando cenas de caça nas paredes das cavernas. A arte possuía uma função essencialmente mágica. Ao realizar a pintura, o homem acreditava garantir uma caça abundante e, consequentemente, o sustento do grupo. Nessa época, também surgiram pequenas estatuetas femininas que apresentam seios abundantes e quadris exagerados; são denominadas Vénus e, provavelmente, estavam vinculadas ao culto da fertilidade.