Independência da Índia


A Índia é considerada como um país de grandes proporções, afinal, a sua média é de 3,3 milhões de indivíduos por cada quilômetro quadrado. Porém, durante o século XVIII, esse país foi uma das maiores e mais importantes colônias inglesas, no que se refere ao viés econômico. Atualmente o país já é reconhecido por sua variedade de religiões, mas nem sempre foi assim.

Em 1885, a Índia deu os primeiros passos em busca da sua independência, quando os mais intelectuais e letrados da nação deram início a um movimento essencialmente nacionalista no país.

Esse primeiro movimento, na realidade, não ganhou grandes proporções, sendo quase que desconhecido na história da Índia. Isso porque até o final da Primeira Guerra Mundial nenhum esforço tinha gerado mudanças significativas para os radicais.

Índia

Porém, foi com a derrota da Inglaterra na 1º Guerra que houve uma grande fraqueza financeira na nação inglesa, o que demonstrava uma excessiva dificuldade para manter todo o seu império construído em todos os continentes do mundo entre os séculos XVIII e XIX.

Uma característica marcante dessa fase é que a Índia poderia ter conquistado a sua independência muito antes, desde que a população do país realmente se unisse com o intuito de garantir a própria liberdade. Porém, os conflitos de origem religiosa que se instauravam entre os muçulmanos e hindus atrasaram esse processo, já que cada uma das entidades religiosas tinha criado suas próprias formas e motivos para garantir a independência do país.

O grande líder – Mahatma Gandhi

Mas para que a instauração da independência fosse realmente possível no território indiano, seria necessário que um grupo se destacasse: o grupo de Mahatma Gandhi. O líder do Partido do Congresso era frequentemente chamado de “Grande Alma” e seu grupo era formado por um número bem expressivo de hindus.

Mahatma era um advogado e para ele haveria sim a necessidade de lutar contra os ingleses, para que eles finalmente pudessem resistir com êxito à dominação. Porém, ele não considerava os conflitos envolvendo violência como válidos, acreditava que a simples desobediência civil faria com que os ingleses facilitassem esse processo.

A principal base para criar o movimento que daria início ao processo de independência da Índia finalmente levou em consideração uma união de pensamentos entre os hindus e muçulmanos. Os dois grupos religiosos concordaram que deveriam desobedecer às normas, leis e regras criadas pelos ingleses. Aliado a isso, eles também deveriam mostrar que “não estavam nem aí” com as consequências disso. Sendo assim, começou a época em que os indianos praticavam extensas greves de fome e boicotavam os produtos essencialmente britânicos. Os caminhos em busca da independência eram realmente largos.

Uma curiosidade marcante dessa época é que a união pacifista entre os dois grupos religiosos fez com que o movimento que levou à Independência da Índia ficasse reconhecido em âmbito mundial, conquistando muitos admiradores em todo o globo, até mesmo na Inglaterra.

Porém, não foram todos os muçulmanos que se uniram à essa iniciativa e vários islamitas decidiram que este seria o momento de agirem por conta própria. Dessa forma, os islâmicos mais radicais se aliaram à Liga Muçulmana, liderada por Muhhamad Ali Jinnah.

A divisão, na realidade, não era nada positiva considerando os interesses dos indianos, já que essa divisão de caráter interno acabou criando ainda mais conflitos. Esses problemas religiosos criados no país eram aproveitados pelos britânicos, que faziam com que o processo de independência acabasse cada vez mais distante.

A Independência da Índia e a continuidade dos conflitos religiosos

No auge da Segunda Guerra Mundial, com a demonstração de fraqueza britânica, a grande nação inglesa mostrou que não tinha qualquer condição de continuar os seus domínios sobre a Índia. Sendo assim, no dia 15 de agosto do ano de 1947, a independência da Índia foi concedida.

Mas agora outros problemas tomariam grandes proporções no país: quem comandaria? Os hindus ou muçulmanos? Começa neste momento os conflitos de caráter religiosos, que inclusive, dividiria a nação em Paquistão e Índia.

Infelizmente, não teve como ceder no que diz respeito à violência religiosa, o que levou a algo que chocou a todos: o assassinato de Mahatma Gandhi, apenas um ano após liderar o que até então seria a maior conquista indiana.

Algumas curiosidades

Por fim, devemos destacar que os movimentos que levariam à Independência da Índia deram o seu início em 1920, quando Jawaharlal Nerhu e Mahatma Gandhi deram início ao movimento que lideraria esse feito. Porém, foi só 27 anos depois (intensificado com o fim da Segunda Guerra Mundial) que a Inglaterra teve que, finalmente, reconhecer a independência indiana.

Atualmente o país ainda concentra alguns conflitos religiosos, mesmo quase 70 anos passados desde a confirmação da independência. Porém, agora eles têm proporções menores e a tolerância religiosa vai crescendo conforme o surgimento de diversas novas religiões no país, como o budismo por exemplo.