Resumo Cinema mundial


Inspirado em criações anteriores, como o fenacistoscópio, de Joseph Plateau em 1832, e o cinetoscópio de Thomas A. Edson, em 1891, o Cinema, tal como pode ser classificado, nasceu com a criação do cinematógrafo. O aparelho foi patenteado pelos irmãos franceses Louis e Auguste Lumière, em 1895, e Louis criou o primeiro curta-metragem da história do cinema, mostrando os funcionários deixando a fábrica da família Lumière: “Sortie de L’usine Lumière à Lyon”. O documentário tinha 45 segundos de duração e mostrava os funcionários saindo da fábrica da família do cineasta.

Resumo Cinema mundial

Em 1903, o norte-americano Edwin S. Porter, inspirado nos documentários de Lumière, produziu o primeiro filme de ação da história cinematográfica (“Great Train Robbery”), que contribuiu para que o Cinema entrasse para o que o filósofo alemão da Escola de Frankfurt, Max Horkheimer, chamou de Indústria Cultural. A partir de então, foram produzidos milhares de filmes nos mais diversos países do mundo, haja vista que a História do Cinema engloba os filmes independentes e os criados por grandes produtoras; os curtas e longas-metragens que foram produzidos desde 1890 até a atualidade.

Quer saber um Resumo Cinema mundial? Então, acompanhe o resumo das principais épocas e movimentos da História do Cinema Mundial que fizemos para você nesse post. Veja abaixo:

Resumo Cinema mundial de 1890 a 1930

Em 1890, o ilusionista francês Georges Méliès foi o pioneiro na criação de efeitos especiais, que seriam determinantes para o futuro do cinema com história e roteiro. Mélies desenvolveu o primeiro filme que tratou da temática dos alienígenas (“Le Voyage dans la Lune”) e, por isso, é considerado o precursor da ficção científica na cinematografia. Desse período até a década de 1920, o cinema era muito limitado e marcado pelos problemas técnicos nos curtas-metragens, que tinham no máximo 15 minutos.

Com a criação do sistema de som Vitaphone, desenvolvido pela Warner Brothers em 1926, os problemas de sincronização entre imagem e áudio começaram a ser solucionados. No ano seguinte, a produtora desenvolveu o filme “The Jazz Singer”, que pela primeira vez mostrava às pessoas um filme com diálogos sincronizados. Em 1929, o últime filme mudo de Hollywood, “O Beijo”, estrelado pela atriz Greta Garbo, foi lançado. A partir de então, o Cinema Mudo seria deixado para trás – com exceção de algumas obras históricas, como “Tempos Modernos”, de Charles Chaplin.

Também em 1929, foi criado o Oscar: premiação para os melhores filmes. Esse período, essencialmente, se destaca pela iniciação do cinema falado em Hollywood, ao mesmo tempo em que o resto do mundo não acompanhou essa evolução, e também pelo lançamento de grandes obras cinematográficas, além da aparição de grandes nomes da História do Cinema, como Alfred Hitchcock e William Wellman, que dirigiram, respectivamente, filmes como “Blackmail” e “Applause”. Na época, esses filmes trouxeram inovação ao que era praticado até então na arte cinematográfica.

Resumo Cinema mundial de 1940 a 1960

Entre as décadas de 1930 e 1940, o cinema norte-americano teve o que ficou conhecido como a sua “época de ouro”. Nesse período, com a depressão pós-guerra, os filmes eram o reflexo do que se vivia naquele país e, por isso, mostravam seu lado humanista. “…E o Vento Levou” (1939), “O Mágico de Oz” (1939), “O Morro dos Ventos Uivantes” (1939), “Cidadão Kane” (1941) e “A Felicidade Não Se Compra” (1946) são algumas das obras cinematográficas de maior relevância da época. Os diretores desses filmes, basicamente, revolucionaram a História do Cinema Mundial.

Na década de 1940, por outro lado, um movimento bastante importante para a história do cinema surgiu na Itália: o Neorrealismo, com o filme “Roma, Cidade Aberta” (1945), dirigido por Roberto Rossellini e roteirizado por Frederico Fellini, que se tratava de um drama de guerra. “Alemanha, Ano Zero” (1948), também dirigido por Rossellini, e “Ladrões de Bicicleta” (1948), do diretor Vittorio DeSica, foram outras obras que marcaram o movimento composto por filmes que abordavam a situação política e o clima pós-guerra com características bastante realista.

A partir de 1950, o Cinema passou a se expandir para outros países e continentes, como Ásia e Europa. Nessa época, também, ocorreu o ápice do sucesso dos musicais Hollywoodianos, marcando o período clássico da cinematografia. Já na década de 1960, os diretores, atores, atrizes, roteiristas e produtores de diversos países focaram a produção do Cinema em filmes que abordavam a realidade vivida e que apresentavam aos telespectadores críticas sociais sobre o clima vivido. “2001: Uma Odisseia no Espaço”, de Stanley Kubrick, é uma das maiores obras do Cinema dos anos 60.

Resumo Cinema mundial de 1970 a 1990

A década de 1970 marcou a renovação em relação ao que era praticado, até então, pelo cinema norte-americano. Nessa época, surgiram grandes nomes da sétima arte, como os diretores Francis Ford Coppola, George Lucas, Woody Allen e Steven Spielberg, entre outros. “Laranja Mecânica” (1971), de Stanley Kubrick, “O Poderoso Chefão” (1972), de Coppola, “Taxi Driver” (1974), de Martin Scorsese e “Os Embalos de Sábado à Noite” (1977), de John Badham, são apenas alguns dos maiores clássicos do período, que levaram o público a reflexão. Eram filmes intensos – o que era uma novidade para o cinema.

Como dizem os especialistas da História do Cinema, a década de 1980 foi caracterizada pela pobreza e escassez nas produções cinematográficas. Mesmo assim, alguns filmes do período merecem ser lembrados nesse resumo, como é o caso de “O Iluminado” (1980), de Stanley Kubrick; “Star Wars II e III” (1980 e 1983), de George Lucas; e “Ordinary People” (1980), de Robert Redford, que ganhou o Oscar daquele ano. No Brasil, vale destacar a obra “Pixote – A Lei do Mais Fraco” (1981), de Hector Babenco.

Já na década de 90, há uma retomada na produção cinematográfica em escala mundial. O clássico se mistura com o “pop”, que começou a surgir no cinema dos anos 80, e o período é marcado pela diversidade das obras. Quentin Tarantino ganha o Oscar por dirigir o Melhor Filme Estrangeiro: “Cães de Aluguel” (1992), enquanto “O Silêncio dos Inocentes” leva os 5 Oscars para o qual foi indicado na época. Al Pacino, Johnny Depp, Jodie Foster, Arnold Schwarzenegger e Michelle Pfeiffer foram algumas das maiores estrelas.

Resumo Cinema mundial de 2000 até a atualidade

A partir da década de 1990 e dos anos 2000, o Cinema passa a ser caracterizado pelos efeitos especiais, produções rebuscadas, investimentos milionários, Indústria Cultural em alta e intensa utilização da tecnologia. Nesse cenário, Hollywood ainda é dominante nas produções e a líder de bilheterias no mundo todo, ao mesmo tempo em que os filmes independentes começam a ganhar mais espaço em premiações importantes, como o Oscar e Cannes, e passam a ser reconhecidos no mundo todo.

No Brasil, especificamente, os anos 2000 é marcado pela produção de alguns dos filmes nacionais mais relevantes para a história do audiovisual no país, como: “Cidade de Deus” (2002), “Edifício Master” (2002), “Carandiru: O Filme” (2003), “Olga” (2004), “Cinema, Aspirinas e Urubus” (2005), “Tropa de Elite” (2007) e “Sonhos Roubados” (2009), entre outros. A dominância da Globo Filmes, nesse contexto, é evidente a partir da análise sobre a cena dos filmes nacionais.

Na atualidade, Hollywood continua dominando a sétima arte, enquanto os filmes franceses, italianos e iraquianos representam o “lado B” do cinema, ou “cinema cult”. O destaque fica para a utilização das tecnologias 3D e investimentos bilionários de grandes produtoras cinematográficas, como:

  • Warner Bros.
  • Sony Pictures Entertainment
  • The Walt Disney Company
  • Universal Pictures
  • 21st Century Fox
  • Paramount Motion Pictures Group
  • Metro Goldwyn Mayer (MGM).