Resumo da Grécia: Período Clássico (século V a.C. a IV a.C.)


Ao estudarmos de maneira mais profunda sobre a Grécia Antiga nos vem mais uma vez a cabeça a ideia de democracia e ainda os seus limites. Atenas, considerada expansionista, impunha o seu domínio sobre as demais cidades-estado da Grécia, o que acabava limitando a liberdade política delas. Ao mesmo tempo, escravos e mulheres que faziam parte da pólis de Atenas, não tinham nenhum acesso à cidadania política.

O período clássico da história da Grécia aconteceu do século V a.C. a IV a.C. e foi marcado por lutas e confrontos extremamente violentos contra os povos invasores. Mas, apesar desse cenário, o século V a.C. foi considerado o apogeu da civilização antiga grega, acabando por concentrar suas maiores realizações na cultura.

Grécia: Período Clássico

Em 490 a.C. ocorreu a primeira grande guerra dos gregos contra os persas e recebeu o nome de Guerras Médicas, isso porque os medos era o nome de um dos povos que fazia parte do Império Persa. Sob a liderança de Dario I, os persas chegaram na Grécia, mas acabaram sendo surpreendidos na planície de Maratona pelo exército de Atenas. Além disso, apesar da supremacia numérica, foram vencidos pelos gregos.

Após o primeiro confronto, ou seja, após a Primeira Guerra Médica, tentando escapar de um possível ataque dos persas, os atenienses procuraram fortalecer sua marinha de guerra, já que o cenário das lutas seria o mar Egeu.

Em 480 a.C., iniciou-se a segunda ofensiva dos persas. Cerca de 100 mil homens, que estavam sob a liderança do imperador Xerxes, marcharam em direção à Grécia. Os gregos acabaram se unindo aos invasores e assim, os persas conseguiram saquear e invadir Atenas.

Por causa da falta de reforços e de suprimentos e apesar de sair vitoriosa, a campanha dos persas acabou se enfraquecendo. A situação se agravou ainda mais com a derrota na batalha naval de Salamina, que fez com que os persas se retirassem sem terem conseguido tomar a Grécia.

A Liga de Delos foi formada durante a guerra, com a aliança das pólis gregas e era caracterizada por ser uma união militar contra os persas. Atenas logo se tornou o líder dessa liga, por causa do seu poder na economia e pelo seu elevado prestígio.

Depois que os persas foram expulsos, eles foram perseguidos até a Ásia menor pelos gregos que acabaram libertando cidades gregas e impondo a eles um tratado de paz, consolidando seu domínio sobre todo o Mediterrâneo Oriental.

Com o fim das guerras contra os persas, os atenienses queriam que a Liga de Delos tivesse uma manutenção, gerando vasta insatisfação nas outras cidades da Grécia. Assim, o imperialismo ateniense chegou ao seu apogeu, o que significa dizer que Atenas começou a dominar a Grécia Antiga.

A democracia foi aprimorada no governo de Péricles. Foi durante seu governo que deu-se a criação de uma pequena remuneração em dinheiro para os cidadãos que ocupavam cargos públicos e ainda quando foi realizada o embelezamento e a reconstrução da cidade. O descontentamento contra o domínio de Atenas crescia cada vez mais, e expandiu-se para as cidades aristocráticas, tendo à frente a cidade de Esparta. Assim, formou-se a Liga do Peloponeso, uma nova aliança.

Esparta e Atenas entraram em guerra e este combate durou por 17 anos, encerrando a Guerra do Peloponeso com a vitória de Esparta na batalha de Égos Potamos. O domínio espartano não durou por muito tempo, já que outras cidades queriam controlar a península Balcânica.

Período Helenístico (séculos III a.C. a II a.C.)

No período helenístico, que aconteceu dos séculos III a.C. a II a.C, os gregos estiveram sob o domínio da Macedônia. Mas, estes não ficaram limitados com a conquista da Grécia e logo partiram em direção ao Oriente. Alexandre o Grande, filho de Felipe II, primeiro governante desse período, foi o grande responsável por essas conquistas.

Alexandre foi educado por Aristóteles, e por isso, acabou assimilando alguns valores da cultura grega. Após acabar com internas revoltas, começou a expansão territorial, tomando a Pérsia, a Ásia menos e alcançando as margens do rio Indo, situado na Índia. Alexandre morreu com apenas 33 anos, e seu império acabou não sobrevivendo a isso. As constantes revoltas internas e as divisões na política acabaram por enfraquecer o Império Macedônico e facilitando a ocupação dos romanos.

Mas, o movimento de expansão territorial a qual ele foi o grande percursor sobreviveu e é considerado sua grande obra. Esse movimento foi o grande responsável por difundir pelo Oriente a cultura grega, fundando cidades que acabaram se tornando verdadeiros centros de difusão da cultura grega no Ocidente.

Neste cenário, as culturas locais acabaram se fundindo com os elementos gregos. Esse fato recebeu o nome de helenismo e os elementos orientais juntamente com a cultura grega deram origem a cultura helenística, numa referência ao nome como os gregos denominavam a si mesmos.