Resumo da Independência dos Estados Unidos


Desencadeou-se na Europa, no fim do século XVIII, um processo de queda do que conhecemos como o Antigo Regime, que se caracterizou pela substituição e também o colapso do Estado absolutista moderno por um novo. Este processo recebeu o nome de Estado Liberal e todo o controle era feito pela burguesia.

Nesse processo, foram eliminados os últimos resíduos do feudalismo, além de desaparecer privilégios que estavam associados a aristocracia antiga. Foi possível então, assistir à manifestação de um mundo novo, marcado pelo sucesso da burguesia e o desenvolvimento da industrialização e do capitalismo. Foram elementos desagregadores do Antigo Regime: a independência dos Estados Unidos (1776), a Revolução Industrial na Inglaterra (1760 – 1850) e a Revolução Francesa (1789 – 1799).

Independência dos Estados Unidos

Marcando o início da queda do Antigo Regime está o processo de independência dos Estados Unidos. Essas ideias pregavam a resistência por um governo totalmente autoritário e o direito a ser livre e começaram a servir para que um estado novo fosse criado.

Logo no início do processo de colonizar, o fraco controle dos ingleses sobre as 13 colônias e ainda o envolvimento em guerras europeias acabaram contribuindo para a debilidade do pacto colonial estabelecido com a metrópole.

As colônias que encontravam-se acessíveis para que acontecesse exploração, apresentavam um expressivo desenvolvimento da economia.

De fato, a expansão da economia da parte Norte representou uma forte concorrência com a Inglaterra, e fez com que ela fosse em busca, até mesmo nas colônias, de novos mercados consumidores.

Lentamente, foram lançando uma legislação que era totalmente voltada para a cobrança de impostos e para os colonos, para a cobrança de impostos. Esse processo foi acelerado com a Guerra dos Sete Anos, que aconteceu de 1756 a 1763.

Entretanto, o estreitamento dos laços entre a as colônias e a Inglaterra acabava contrariando os princípios de autodeterminação e de liberdade dos iluministas. Além disso, comprometia a autonomia dessas colônias. Dessa forma, os conflitos tornaram-se inevitáveis.

Em 1764, a Inglaterra lançou o Sugar Act, Lei do Açúcar, taxando todo carregamento de açúcar que não fosse proveniente das Antilhas inglesa. Tal determinação prejudicava os interesses dos colonos, que adquiriam por todo o Caribe o melaço, matéria-prima para a produção de rum.

Em 1765, o governo inglês determinou a Lei do Selo, que determinava que todo o material que fosse impresso e que fosse publicado nas colônias teria que receber um selo que era vendido pela metrópole. O valor dele seria incorporado então ao preço.

Em 1767 a Inglaterra criou novos impostos para a colônia. Seis anos mais tarde, elaborou-se a Lei do Chá, onde por meio dela a Companhia das Índias Orientais passou a exercer monopólio sobre este produto.

O estabelecimento do monopólio causou violenta reação.

A reação dos ingleses não demorou. As Leis Intoleráveis, que foram impostas logo depois, impuseram o pagamento de uma alta indenização, o fechamento do porto de Boston, o julgamento feito somente pelos tribunais da Inglaterra ou de qualquer outra colônia de funcionários ingleses e a ocupação de Massachussets feita pelos militares.

No ano de 1776, mais precisamente no dia 4 de julho, publicou-se a declaração de independência dos Estados Unidos da América. George Washington ficou com a missão de organizar um exército, enquanto Franklin estava incumbido de arrumar mais apoio ao novo país na França.

Em 1781, a rendição de Cornwallis, importante general inglês iniciou as negociações que estabeleceram no ano de 1783 o tratado de Paris de 1783. Por meio desse tratado, a independência das trezes colônias foi reconhecida pela Inglaterra.

Os republicanos defendiam a vivência de um pode central fraco, concedendo-se grande autonomia para os estados que seriam como 13 países independentes. Já os federalistas pregavam a indigência de um poder central forte para conseguir a união permanente dos estados.

Foi adotado o sistema presidencialista e George Washington foi o primeiro presidente. Além disso houve a divisão política entre três poderes: executivo, legislativo e judiciário.