Resumo do Renascimento


As expressões artísticas que foram geradas no Renascimento refletem uma mentalidade marcada pelo progressivo triunfo do capitalismo. Elementos como materialismo, individualismo, concorrência, além da própria divisão social do trabalho, que atuaram fortemente entre os artistas renascentistas, ganharam ainda mais força em nosso tempo, marcando nossa sensibilidade e a forma de encarar o mundo.

Através do fortalecimento da burguesia que estava ganhando cada vez mais força, consolidava-se na Europa o capitalismo comercial, que passou a exercer um decisivo e importante papel na definição dos rumos religiosos, políticos e culturais. A partir dos séculos XV e XVI, a supremacia da igreja ou da nobreza foi ultrapassada pelos valores da burguesia. Por isso, deve-se entender muito bem nesse contexto o Renascimento artístico, a Reforma protestante e a centralização política.

Renascimento

As características do Renascimento

O Renascimento inspirou-se na cultura greco-romana e se estendeu do século XIV até o século XVI, podendo ser caracterizado como um movimento não-eclesiástica, científica e racional. Esta política rejeitava os valores feudais e consideravam o período medieval como a ‘Idade das Trevas’. No entanto, não podemos dizer que o Renascimento foi apenas o ‘renascer’ dos valores que existiam da Antiguidade Clássica, mas também o abandono de elementos medievais e do resgate da cultura greco-romano.

O humanismo é considerado o elemento central do Renascimento, já que ele valorizava o ser humano, como se fosse uma criação de Deus privilegiada. Dessa maneira, acaba surgindo nesse contexto o antropocentrismo renascentista, que pregava a ideia de que o homem estava localizado no centro de todo o universo, ideia que se opõe ao teocentrismo medieval, que pregava Deus via o homem como um ser facilmente corrompido pelo pecado, um ser inferior e Deus era o centro de todas as coisas.

Na época do Renascimento, conhecido como renascentista, o homem era visto e valorizado como um ser racional, o que significa dizer que ele é dotado de razão, um dom considerado divino e por este motivo capaz de conhecer e de interpretar a natureza. O homem se aproximava de Deus por meio de sua genialidade e de sua criatividade, características que acabavam lhe davam a semelhança e a imagem do Criador, possibilitando também que ele emergisse das trevas da sujeição escolástica para que pudesse exercer sua verdadeira humanidade.

Também fazem parte do movimento renascentista o neoplatonismo, o hedonismo e o naturalismo. Enquanto o hedonista prega como único bem possível o prazer de maneira individual, o neoplatonismo acaba defendendo uma aproximação com Deus por meio de uma busca interior e espiritual, uma espécie de elevação do espírito. Por sua vez, o naturalismo prega a volta para a natureza.

O movimento renascentista nasceu e também atingiu seu ápice de expressividade na Itália. Vale lembrar que foi na Itália que o desenvolvimento burguês e comercial foi mais precoce. A riqueza dessa região também possibilitou o surgimento dos mecenas, indivíduos ricos que estavam em busca de promoção pessoal e patrocinavam produções cientificas e artísticas.

Os artistas do Renascimento também eram inspirados com os vestígios materiais que restavam da antiga civilização da Itália. Então, os sábios bizantinos, que estavam fugindo depois da queda de Constantinopla por causa da pressão dos turcos-otomanos e que eram herdeiros das tradições clássicas romanas e gregas, foram atraídos pela riqueza das cidades da Itália.

Na Itália, a consolidação do Renascimento ocorreu no século XIV, período que ficou conhecido como Trecento, que em português significa trezentos. O apogeu aconteceu no período chamado de Cinquecento, ‘quinhentos’, que ocorreu no século XVI.

O Renascimento Científico

As expressões de arte do Renascimento, que eram fundadas no estudo do espírito crítico, da natureza e do homem, as áreas da astronomia, da biologia, da física e da matemática acabaram se desdobrando no desenvolvimento da ciência. A teoria heliocêntrica, que pregava que o Sol era o centro do universo, acabou conseguindo aceitação, contrariando dessa maneira as concepções geocêntricas que a igreja defendia.

Na divulgação desse novo tipo de ideia destacaram-se Giordano Bruno, Nicolau Copérnico e Galileu Galilei. Giordano Bruno e Galileu acabaram sendo julgados e condenados por defenderem teses que a igreja considerava heréticas. Bruno inclusive foi queimado vivo pela inquisição. Johannes Kepler e Tycho Brahe, foram outros nomes que se destacaram nesse período.
Em suma, podemos dizer que o Renascimento Científico significou a retirada da natureza das mãos da igreja e do monopólio de explicação do mundo, que predominava no período medieval. Além disso, essa nova política abriu caminho para uma ciência livre e leiga de dogmas e de limitações. Nela, o mais importante a se considerar eram as novas concepções que foram herdadas de uma tradição totalmente religiosa baseada na fé e não somente no aspecto científico.

Em seguida, a Contra Reforma e a Reforma Protestante acabariam com as novas concepções científicas e as novas buscas, sem que a expansão fosse impedida. O misticismo e a escolástica foram de vez abolidos e abriu-se caminho para o estabelecimento do empirismo cientifico dos séculos XVII e XVIII.