Revolução Industrial e início do capitalismo


A Revolução Industrial é um grande marco da história da humanidade. Iniciada a pleno vapor no século XVIII pela Inglaterra, uma coisa é certa: ninguém daquela época poderia ter  imaginado a repercussão que tais avanços e empregos de máquinas na produção das fábricas traria para a sociedade mundial.

Revolução Industrial e início do capitalismo

Neste período, o aumento da produtividade, a redução dos valores finais das mercadorias e o consumo exacerbado dos produtos marcaram o ritmo das cidades e modificaram toda a sua estrutura. Já não era preciso a mão humana em todas as fases de produção!

A mecanização padronizou a criação e acelerou processos que antes eram extremamente demorados. Era o nascimento do Capitalismo. Não tem como falar de um sem ao menos citar o outro.

É por isso que neste artigo serão fornecidas importantes informações acerca deste processo revolucionário como um todo, destacando-se o quanto a Revolução Industrial é responsável pela ideologia de que quase todo o planeta compartilha até hoje.

Continue lendo sobre a Revolução Industrial e o início do Capitalismo e agregue conhecimento e valor a sua pesquisa!

A Revolução Industrial

O homem sempre quis evoluir e se modernizar, jamais estacionar no tempo. Por mais que os processos de produção parecessem satisfatórios para o século XVIII, era necessário investir em meios que melhorassem o ritmo de trabalho e até mesmo a vida do trabalhador.

É neste cenário que surge a primeira máquina a vapor. A criação inglesa tornou-se um sucesso em pouquíssimo tempo, e começou a ganhar pares em outros inúmeros territórios do país. Toda essa expansão da máquina a vapor marcou a história mundial como Revolução Industrial.

O comércio começou a ser a maior fonte de renda, visto que já se sabia que quanto maior fosse a produção, maiores seriam os lucros. Este motivo levou a burguesia a continuar investindo pesado em suas indústrias, criando máquinas ainda mais potentes e barateando custos.

Infelizmente, não só de vantagens e benefícios foi esta época. Com a produção em massa e a venda de produtos por valores mais baratos, muitos artesãos foram a total falência, visto que seus processos de criação e produção eram mais extensos e onerosos, gerando um produto final de valor superior ao das grandes indústrias.

Também vale destacar que muita gente abandonou o campo para trabalhar nas indústrias, marcando assim um dos êxodos rurais da história. A cidade precisava de mão de obra, e as pessoas precisavam de trabalho para o sustento do dia a dia.

A burguesia inglesa tinha muito dinheiro para investir e foi graças a isso que a modernização do país não estagnou. Não demorou muito também para que os outros países, enxergando as inúmeras vantagens da indústria, começassem a investir pesado em suas próprias fábricas.

Demonstrando excelentes resultados, a Revolução Industrial cresceu e ganhou o mundo todo. O século XIX levou este marco para a França, Alemanha, Itália e também para a Rússia. Além desses, bem próximo ao fim do século tal modernização alcançou os Estados Unidos e o Japão.

Passadas duas centenas de anos, atualmente vivemos em meio a mais uma Revolução: a tecnológica. Porém, Este assunto fica para um próximo debate.

O Capitalismo

A Revolução Industrial é facilmente associada ao Capitalismo visto que definiu muito bem suas bases e origens.

No sistema capitalista sobressaem-se aqueles que têm poder de compra. A lei da oferta e da procura também tem origem nesta mesma época.

Outra questão importante é que a Revolução Industrial beneficiou em larga escala apenas os burgueses, que eram justamente os donos das fábricas e indústrias. Os trabalhadores, que passam a ser chamados de proletariado nesta época, continuavam a viver suas vidas em meio a miséria, ganhando pouco e trabalhando muito.

Para se ter uma ideia, a manutenção da sobrevivência desses trabalhadores exigia que os mesmos trabalhassem de 14 a 16 horas para mulheres, e de 10 a 12 horas para crianças a fim de que, ao fim do dia, cada um pudesse receber um valor mínimo, insuficiente para garantir qualquer tipo de qualidade de vida.

Isso ainda é muito comum nos dias de hoje, o que é um grande problema e preocupação para a humanidade toda.

A observação de que apenas a burguesia lucrava sob o trabalho pesado dos operários fez com que os mesmos começassem a se organizar em classes, mais tardes chamadas de sindicatos. Já nestes episódios da história, é possível ver relatos de greves e manifestações a favor de melhores condições de trabalho e salários mais dignos.

Se por um lado, a Revolução Industrial mudou o perfil e o trajeto da história da humanidade, por outro, colocou desafios invencíveis para muita gente.

Com o desenvolvimento do capitalismo e consequente modernização na administração, que viu no homem um tipo diferenciado de capital, começou-se a perceber que o melhor pagamento e cuidado com o trabalhador traria excelentes resultados para o negócio.

Na maioria das civilizações atuais esta ideia é difundida, porém há muito que se conscientizar ainda.