Autores de Romance Urbano ou de Costume


O Mundo da literatura desvenda mundos, mostra a força das palavras, modifica os posicionamentos e instaura novas realidades. Mas por que é tão importante estudar literatura? A resposta é simples, porque a literatura representa o ponto de partida, influência para tudo o que se produziu em nossa língua.

Toda a época literária é rica porque os prosadores e poetas sempre têm muito a dizer, que vai na alma. Eles refletem sofre o mundo que habitam, maneira especial de nela estar.

O Romantismo nasceu a partir das necessidades da burguesia, mas não pode ser definido apenas como uma manifestação literária. É, antes de tudo, um espírito de época que se manifesta nos mais diversos campos da arte: a música, a pintura, a arquitetura, etc., e em especial a literatura ganha uma dimensão de auxílio para a fantasia e para o sonho.

Romance Urbano ou de Costume

Não é possível identificar esta escola apenas com o auxílio de umas poucas características. Se, por um lado, é melancólica e triste, por outro é bem alegre, e louva os grandes feitos históricos, amores realizados e os verdadeiros heróis.

O romantismo possui aspectos extremamente alienantes da realidade, que permitem a evasão do mundo daquela época. No entanto, se observa, como por exemplo nas obras de Castro Alves, a tendência libertária de combater as injustiças sociais. A família e a pátria, o amor e a religião, são os temais mais frequentes deste tempo.

Também é interessante notar que especialmente os romances e o teatro conseguiram deixar marcas nítidas de registros dos costumes sociais daquele tempo: desde as reuniões sociais, os chamados seroes literomusicais, até as vestimentas e os costumes políticos.

Na Europa, a tentativa de se buscar heróis bons, belos, justos e verdadeiros, levou os autores ao medievalismo. No Brasil, o indianismo substituiu tal tendência europeia. Alencar por exemplo, o mais importante autor deste período construiu personagens realmente inesquecíveis, como Ubirajara, a índia Iracema e Peri.

O que é o romance urbano?

Chamamos de romance urbano ou de costume, as obras do romantismo que são dedicadas à reprodução e a tecer críticas aos hábitos que são praticados em especial pela sociedade. Na história da literatura, o romance urbano caracteriza as obras do século XIX, no período do realismo. Os nobres deixaram de ser as figuras principais das histórias, e o enfoque ficou a cargo do cidadão comum, que geralmente tinha origem da plebe ou da burguesia.

As histórias não narram mais a autoridade e a gloria deles, e sim contam os acontecimentos sem praticamente nenhuma importância, como por exemplo problemas sócios econômicos e conflitos amorosos. Thomas Hardy é considerado um dos autores principais dessa época. No Brasil, o romance de costume teve como destaque a cidade do Rio de Janeiro, que neste período era a capital do país, atraindo consumidores de diversos níveis sociais.

O grande responsável por introduzir este tipo de literatura no Brasil foi Joaquim Manuel de Macedo, que publicou A Moreninha, mas sem dúvida alguma, a obra de Manuel Antônio de Almeida, intitulada Memórias de um Sargento de Milícias, é considerado a mais autentica obra deste período.

Os romances de costume criaram um público totalmente fiel e ávido. Podemos dizer, que isso se deve ao fato de que esse tipo de literatura se deve por caracterizar a preocupação na história de paixões, os interesses da classe social da época em foto e o comportamento.

No Brasil podemos dizer que os principais autores do romance urbano foram José de Alencar e Joaquim Manoel de Macedo. Ambos adotaram como cenário de suas obras a cidade do Rio de Janeiro, que nesta época era a capital do país. Isso porque como já dissemos, o romance de costume, também chamo romance urbano é um espirito de uma época, que se manifestou nos mais diferentes campos da arte: a música, a pintura, a arquitetura, etc., e em especial a literatura ganha uma dimensão de auxílio para a fantasia e para o sonho. As obras do romantismo que são dedicadas à reprodução e a tecer críticas aos hábitos que são praticados em especial pela sociedade

Os autores e suas obras do romance de costume (romance urbano)

Thomas Hardy
Obras: A Volta do Nativo; Judas, o Obscuro; Dois Numa Torre; Remédios Desesperados; Um Par de Olhos Azuis; The Poor Man and the Lady; A Volta do Nativo; Sob a Árvore Verdejante; Os Dinastas; Tess of the d’Ubervilles.

Joaquim Manuel de Macedo
Obras: A Luneta Mágica; A Moreninha, As Vítimas-Algozes; O Moço Loiro; O Forasteiro.

Manuel Antônio de Almeida
Obra Principal: Memórias de um Sargento de Milícias.

José de Alencar
Obras: A Pata da Gazela; A Viuvinha; Cinco Minutos; Diva; Encarnação; Lucíola; Senhora.

Érico Veríssimo
Obras: Clarissa; O Senhor Embaixador; Caminhos Cruzados; Um Lugar ao Sol; Música ao Longe; O Resto é Silêncio; Olhai os Lírios do Campo.