Autores parnasianos


parnasianos

Em meados do século XIX deu início na França um movimento literário chamado parnasianismo. A escola literária que se opunha ao romantismo logo se espalhou por toda a Europa e veio para o Brasil, valorizando o positivismo, a razão e a ciência em seus temas.

A primeira poesia do estilo era a “Le Parnasse Contemporain”, de onde veio o nome do estilo. Paranasiano tem origem em “Parnassus”, que segundo a mitologia grega era o monte onde viviam as ninfas e musas, mas também é uma homenagem ao Deus Apolo, considerado belo e perfeito.

Características do parnasianismo

O parnasianismo é predominantemente poético, que levava seus autores em busca da “poesia perfeita”, tanto em formas como linguagens cultas. Se opunha ao sentimentalismo exagerado do romantismo e focaram na razão acima do sentimento humano, com uma preocupação máxima em ter a rima correta e construções completas de textos.

O crítico e poeta Frances Théophile Gautier deu o direcionamento ideal ao movimento, cuja doutrina era a “arte pela arte”. Ou seja, a arte deveria ser criada com o intuito de ser perfeita, refinada, bela e não calcada em sentimentos humanos nebulosos.

No Brasil o movimento ganhou ainda mais destaque que na Europa. Ele mudou algumas coisas do original e não seguiu totalmente a escola francesa, incluindo a subjetividade e o nacionalismo. Eles se misturaram a objetividade, impessoalidade, descritivismo, culto a forma, preciosismo vocal e universalismo temático.

Autores parnasianos

Dos autores franceses que se destacaram no parnasianismo estão Théophile Gautier, Théodore, de Banville, Leconte de Lisle e José Maria de Heredia. No Brasil, o movimento se iniciou com a publicação “Fanfarras”, de Teófilo Dias, no ano de 1889.

No Brasil surgiram autores como Vicente de Carvalho e Francisco Júlia, mas os autores mais importantes formaram a “Tríada Brasileira do Parnasianismo”: Olavo Bilac, Alberto de Oliveira e Raimundo Correia.

Alberto de Oliveira é considerado um mestre da estética e ganhou o status de mais perfeito poeta parnasiano. Raimundo Correia foi um autor romântico até que se desenvolvendo como autor parnasiano a partir do livro “Sinfonias”, valorizando a perfeição da cultura clássica e o uso de versos impressionistas.

Já Olavo Bilac sempre foi um autor parnasiano e o mais famoso de todos. Usava a perfeição da métrica para utilizar uma linguagem mais elaborada e inversões estruturais. Membro fundador da Academia Brasileira de Letras, ocupou a cadeira 15 do patrono Gonçalves Dias.
O movimento se manteve até a Semana de Arte Moderna, de São Paulo, que revolucionou as artes no Brasil.