Resumo A Caçada – conto de Lygia Fagundes Telles


Parte da reunião de narrativas “Antes do Baile Verde”, escrito entre os anos de 1949 e 1970, “A Caçada” é considerado um dos contos mais bem sucedidos da escritora Lygia Fagundes Telles. Tanto é que desde 1965, ano de sua publicação, vem sendo (re) editado e lançado em diversas obras.

Qual a sequência dos fatos?

Precisamos avisar: Cuidado com spoilers!

A narrativa tem início com a chegada de um homem a uma loja que vende antiguidades. Dentre tantas peças a que mais intriga o visitante é uma antiga tapeçaria que retrata uma caçada. Pouco tempo depois, uma senhora se aproxima e inicia um pequeno diálogo a respeito da peça: “Já vi que o senhor se interessa mesmo por isso… Pena que esteja nesse estado”.

É nesse momento que a história começa, realmente, a se desenvolver. O homem fica obcecado pela tapeçaria, como se já tivesse visto, ou ainda, vivenciado tal momento em sua vida.

resumo a cacada conto de lygia fagundes telles

A segunda fase do conto acontece no dia seguinte, quando o homem retorna a loja de antiguidades ainda intrigado pela tapeçaria. O clímax da narrativa inicia com a seguinte deixa: “Pode entrar, o senhor conhece o caminho”, é nesse momento que o protagonista percebe que o caminho retratado na tapeçaria é incrivelmente familiar.

Na sequência o personagem passa a observar a imagem a sua frente, como se fosse parte dela, como se estivesse naquela cena. Em poucos segundos sente uma dor lancinante nas costas tal qual uma flecha a atingi-lo e cai no chão.

“Parou. Dilatou as narinas. E aquele cheiro de folhagem e terra, de onde vinha aquele cheiro? E por que a loja foi ficando embaçada, lá longe? (…) Era o caçador? Ou a caça? Não importava, sabia apenas que tinha que prosseguir correndo sem parar por entre as árvores, caçando ou sendo caçado. Ou sendo caçado? (…) Gritou e mergulhou numa touceira. Ouviu o assobio da seta varando a folhagem, a dor! Não… – gemeu, de joelhos. Tentou ainda agarrar-se à tapeçaria. E rolou encolhido, as mãos apertando o coração” (A Caçada – Ligya Fagundes Telles – 1965).

Dessa forma termina “A CAÇADA”, recheado de incertezas, pontos de interrogação e fatos não esclarecidos. Seria sonho ou realidade? O próprio personagem era a caça? A partir daqui termina o papel da escritora Lygia Fagundes Telles e tem início a interpretação do leitor.

Enredo e elementos: rápida análise

Grosso modo, “A Caçada” narra a história de um homem que ao adentrar uma loja de antiguidades é tomado por um estranho sentimento ao observar uma velha tapeçaria. O envolvimento do protagonista com a peça é tão profundo que ele parece sentir-se parte da história ali retratada.

Pode-se dizer que o curto enredo é narrado no passado, porém, os personagens colocam suas falas todas no presente. Vamos agora listar alguns importantes elementos do conto.

1 – Personagens: são dois, o homem e a dona, ou funcionária do antiquário (já que isso não está explícito). Uma importante constatação sobre os personagens é que em nenhum momento algum dele recebe nome ou características.

2 – Cenário: loja de antiguidades e o cenário retratado na tapeçaria.

3 – Narrador: responsável por descrever não apenas os personagens e os fatos, mas também, descrever minuciosamente cada cenário do conto.

4 – Discurso: um dos aspectos mais interessantes de “A Caçada” é a própria ambiguidade, já que existe um tipo de tensão entre o que é real e o que sobrenatural. Em grande parte é esse discurso o responsável por dar o tom de mistério ao conto. Para compreender melhor vamos a um trecho da história:
“Parece que hoje tudo está mais próximo – disse o homem em voz baixa. – É como se… Mas não está diferente?
A velha firmou mais o olhar. Tirou os óculos e voltou a pô-los. – Não vejo diferença nenhuma.
– Ontem não se podia ver se ele tinha ou não disparado a seta…
– Que seta? O Senhor está vendo alguma seta?”

Perceba que para cada questionamento em tom de incerteza do homem, a velha rebate com uma explicação plausível em tom de normalidade. Como já mencionado, é essa tensão a grande responsável por lançar sobre a narrativa um tom de mistério.

Os elementos que aqui foram listados são os grandes responsáveis pelo sucesso da história:

• Personagens;
• Narrador;
• Cenário;
• Discurso;

Se não fosse pelo diálogo ambíguo entre os personagens, pelas minúcias apresentadas pelo narrador, o cenário misterioso e bem detalhado, além do discurso provocativo que atinge em cheio a mente da personagem principal e a do leitor, é claro, “A Caçada” não passaria de um simples conto que narra uma visita cotidiana de alguém a uma loja de antiguidades.

Nada de mistérios, nada de sobrenatural, apenas um pedaço do cotidiano, mas, para nossa sorte, Lygia Fagundes Telles quis ser provocativa a ponto de fazer os próprios leitores desvendarem o final da história.