Resumo Chave na porta


“A chave na porta” é um conto da escritora e contista paulistana, Lygia Fagundes Telles, que está presente no livro “Invenção e Memória”, publicado em 2000 pela editora Rocco, do Rio de Janeiro. Escrito todo em primeira pessoa, o conto se inicia contando a história de uma mulher que está na rua à noite, carregando uma bolsa e pequenos pacotes natalinos, e é abordada por um homem que está de carro. Quarenta anos depois, a personagem principal tem um encontro inusitado com um colega da faculdade: Sininho.

Resumo Chave na porta

O amigo que ela não via há décadas surge de forma repentina e pergunta se a mulher quer uma “condução” e ela recua “depressa” quando o automóvel para na frente dela. Só depois desse susto a personagem reconhece o tom da voz do colega da universidade e se inclina para enxergar o motorista: “um homem grisalho, de terno e gravata, o cachimbo aceso no canto da boca”.

Se tratando de um dos contos mais famosos da escritora, o texto de Lygia já foi cobrado em diversos exames e provas da atualidade. Quer saber o Resumo Chave na porta? Acompanhe as informações que temos para você nesse post!

Veja abaixo:

Conto Chave na porta

Como descrito no início desse artigo, “A chave na porta” é um conto narrado em primeira pessoa, que começa contando a história de uma mulher que está no meio da rua na chuva, em plena véspera de Natal, e reencontra um colega da faculdade. Narrado sobre o ponto de vista e percepção da própria personagem principal da história, o conto é bastante característico do estilo literário da autora paulistana, que sabe muito bem mesclar drama e terror em suas narrativas de ficção.

Durante todo o conto, o leitor é envolvido pela história de Lygia a partir dos pensamentos e narrativa da personagem principal, que encontra o amigo Sininho, o reconhece de imediato pelo “sorriso branquíssimo, de dentinhos separados” e aceita uma carona até a sua casa. No caminho, os dois conversam durante todo o trajeto relembrando memórias, até que a mulher é deixada em casa pelo colega e percebe que esqueceu a bolsa, na qual estava a chave da porta de sua casa.

Em busca de recuperar a chave, que ficou dentro da bolsa caída no chão do carro de Sininho, a mulher se lembra da rua onde o amigo morava e resolve ir até o local, de táxi, para pegar o objeto. No entanto, quando ela chega até o local, ela é recepcionada por uma mulher que informa que Sininho já morreu há anos… Absorta e confusa, a personagem principal de “A chave na porta” diz que é um engano e volta para a casa, novamente de táxi.

Quando chega no edifício, o porteiro informa a mulher que um senhor passou na portaria e deixou a chave da casa dela por lá. Com isso, a personagem abandona os pacotes que carregava no local, vai até a casa e, no momento de pegar as chaves para abrir a porta, descobre que há em sua bolsa um botão de rosa com espinhos. Quando ela abre a porta, tem a impressão de que está abrindo outra porta, mas isso não tem importância para a mulher.

A personagem deixa a chave na porta e vai correndo mergulhar o botão de rosa em um copo de água. “Agora desabrocha!”, diz ela, depois de colocar a planta no local. Por fim, o conto termina com a mulher debruçada na janela de casa, percebendo as luzes que a faziam recordar do amigo Sininho, que tinha aquele sorriso tão branquinho. Isto é, Lygia deixa para o leitor imaginar o final do conto, haja vista que não há como saber o que se passou na tal carona.

Resumo chave na porta: aspectos importantes

Curto e com linguagem fácil e simples, o conto “A chave na porta” mescla terror, drama e devaneios no mesmo texto. A autora Lygia Fagundes Telles apenas descreve os pensamentos e ações da personagem principal da história, deixando para o leitor a compreensão da mensagem do conto. No Resumo chave na porta, talvez o aspecto mais importante seja perceber que o título do conto tem a ver com o “elemento de ligação”: a chave, que faz com que a mulher perceba que pegou uma carona com um amigo que já estava morto.
É devido à chave, que estava dentro da bolsa que caiu em uma curva dentro do automóvel de Sininho, que ela descobre que o homem não está mais vivo. A personagem não via o colega da faculdade há 40 anos, mas tem um encontro inexplicável com ele na véspera de Natal e depois vai até a casa dele para descobrir que ele está morto. No fim, a mesma chave possibilita que a mulher abra a porta de casa, mas ela diz que era como se estivesse abrindo a porta para outro lugar…