Resumo do livro Vidas Secas de Graciliano Ramos


Publicado originalmente em 1938, o romance Vidas Secas é extremamente rico, já que consegue fazer um retrato aprofundado da condição da sociedade brasileira do período em que foi escrito. O enredo aborda as questões de opressão política e de falta de perspectiva de vida, entre outras situações que eram comuns. Vale lembrar que o mundo todo estava em um momento complicado: lá fora, eclodia a Segunda Guerra Mundial, e aqui no Brasil, a Ditadura Vargas entrava em vigor.

O autor, Graciliano Ramos, um dos grandes símbolos do nosso Modernismo, além de romancista também foi político, jornalista, cronista e contista, mas a sua obra mais célebre e pela qual ele é lembrado até os dias de hoje, sem dúvidas é Vidas Secas.

Vamos ver agora um resumo do livro Vidas Secas de Graciliano Ramos e uma breve análise sobre a obra.

Vidas Secas de Graciliano Ramos

Resumo do livro Vidas Secas de Graciliano Ramos – enredo

A história é focada na vida de uma família de retirantes nordestinos, formada por Fabiano; sua esposa chamada de Sinhá Vitória; duas crianças, às quais o autor refere-se apenas como Menino mais novo e Menino mais velho e Baleia, uma cachorrinha.

Após andar muito sob o sol escaldante no início do livro, a família encontra uma casa que aparentemente estaria abandonada, e resolve se instalar nela, até que passasse o período de seca que a região estava vivendo. No entanto, nem tudo sai como o planejado: ao chover, aparece um senhor, que era o dono daquela propriedade e expulsa Fabiano sem a menor piedade ou compaixão.

No entanto, Fabiano resolve a situação ao se oferecer para trabalhar como vaqueiro naquela fazenda, e assim, continuar morando na casa com a sua família. O patrão aceita, providencia o necessário para que o rapaz possa começar a trabalhar e, assim, Fabiano pode ficar no local com a sua esposa, os filhos e Baleia.

Em uma das passagens da história, Fabiano vai para outra cidade comprar alguns produtos de primeira necessidade, alimentos. Eles até eram vendidos pelo patrão dele em um armazém, mas os preços eram muito elevados. Já na outra cidade, o retirante nordestino acaba conhecendo um militar, chamado de Soldado Amarelo, que o convida para uma partida de baralho. Fabiano aceita, os dois acabam perdendo o jogo e para descontar a raiva, o policial prende
Fabiano. É um trecho que retrata claramente o abuso de poder.

A sensação que o leitor tem é que mesmo os bons momentos que a família vivencia nunca são plenamente felizes, sempre carregados de alguma tensão ou apreensão. Isso fica claro quando começa a chover, o que poderia aliviar a seca, portanto, um motivo de alegria. No entanto, acaba gerando uma grande preocupação em Sinhá Vitória, que teme que a água entre dentro de casa.

Quando vão para um evento na cidade, eles se sentem deslocados e Fabiano precisa se controlar para não ter um ataque de fúria. Aliás, isso se repete em vários outros momentos. Ele chega a perder o seu emprego pela maneira como se dirige ao patrão para questionar erros em seu pagamento. Felizmente, pede desculpas e consegue permanecer no cargo.

A história termina do jeito que começou, fechando uma espécie de ciclo: durante a madrugada, a família empreende uma nova fuga, para não ser vítima da seca, mas com todo o cuidado para que o patrão não veja. Ou seja, Fabiano, Sinhá Vitória e os Meninos começam e terminam exatamente da mesma maneira: tendo que fugir da seca.

Resumo do livro Vidas Secas de Graciliano Ramos – comentários e análise

Vamos começar a analisar pelo título: a palavra Vidas é usada justamente para se referir aos personagens que se envolvem no enredo, mais especificamente, a família de Fabiano. Já o termo Secas é colocado permitindo uma dupla interpretação: tanto se refere à seca propriamente dita, no sentido literal, quanto à condição de vida daquelas pessoas, que vivem para escapar da seca, sem perspectivas maiores de alçar voos mais altos.

A comunicação difícil e truncada entre os personagens é uma característica muito marcante desse romance. Eles têm uma grande dificuldade para se expressar, dizer o que estão sentindo. Por isso, um recurso utilizado pelo autor é revelar na narração os monólogos travados em pensamento pelos personagens, para que o leitor possa saber melhor o que está acontecendo.

Existem capítulos específicos que abordam cada personagem de uma forma mais profunda. Em um deles, o leitor fica sabendo que Fabiano sonha em desenvolver melhor a sua capacidade de comunicação, por exemplo, enquanto a esposa almeja uma cama de couro. Coisas simples, mas praticamente inatingíveis para as condições daquela família.

É importante ressaltar que a seca não é o único problema que aquela família de retirantes nordestinos vivencia, é só mais um deles. A marginalização e opressão social que todos vivem também permeia todo o enredo, sendo representadas pelo patrão e pelo policial, por exemplo.