Resumo sobre o Sertão


O sertão é o nome dado para a região semiárida do nordeste brasileiro, presente na maior parte do interior dos estados nordestinos. Suas características geográficas, demográficas e culturais são grande parte da identidade brasileira.

Resumo sobre o Sertão

História do Sertão

A origem da palavra “sertão” é duvidosa. Ela pode derivar do latim “sertanus”, que significa “área deserta”, ou pode ter sido uma abreviação de “desertão”, expressão criada pelos portugueses ao migrarem pela primeira vez do litoral para os locais mais interioranos do nordeste. De qualquer forma, a história dessa região vem de antes, quando a população indígena ainda dominava, o que durou até meados do século XVI. Desde essa época, grande parte das mudanças que demarcaram a trajetória de toda a área são consequências das secas que o assolam.

A presença dos sertanejos, como ficaram conhecidos os habitantes dessa região, começou a ocorrer após da saída dos índios em busca de comida. No século XVIII, as secas, ou estiagens, atingiram repetidamente as capitanias instaladas por lá e prejudicaram não só a economia da área, mas também causaram milhares de mortes. No século seguinte ocorreu a primeira Grande Seca no sertão; seus efeitos foram tão fortes que as autoridades do Império de D. Pedro II chegou a programar medidas para a prevenção contra futuras estiagens. Infelizmente, pouca coisa foi realmente implantada.

Foi só a partir dos anos 1900 que o governo, já republicano, começou a instalar estações pluviométricas e tentar fornecer providências para atenuar o problema das estiagens, como a criação do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS), mas elas não traziam nenhum resultado permanente. Com isso, ao longo do tempo os índices de desigualdade social e de desnutrição se tornaram gritantes. Em resumo, outros grandes picos de estiagens ocorreram em 1932, em 1979 e mais algumas vezes nos anos 1990 e nos anos 2000.

É importante lembrar que esses fatos se aplicam à parte do sertão que mais foram definidas pelas secas ao longo da História, em especial o interior dos estados da Bahia, Pernambuco e Piauí. Essa realidade não se aplica a todo o nordeste, nem a suas áreas metropolitanas, da mesma forma. É um mito repassado pelo Brasil que o nordeste esteja, por completo, ligado a esses problemas, mas ainda assim não é algo que deve ser ignorado. Desde a primeira metade do século XX já ficou conhecida por especialistas a Indústria da Seca, onde latifundiários, empresários e políticos desviam recursos públicos destinados a melhorar a situação dos sertanejos. Ainda hoje, este é um obstáculo a ser superado.

Características do sertão

A história dessa região foi pontilhada de muita resistência e cultura, sempre baseadas em suas características predominantes, que incluem:

• Geografia
Em termos geográficos, o sertão é uma sub-região do Brasil que abriga uma faixa entre outras sub-regiões do agreste e do meio-norte. Por isso, diferente de outros semidesertos ao redor do mundo, ele tem como margem locais úmidos, o que o torna ainda mais peculiar. Fazem parte quase todo o Piauí, um pedaço do noroeste de Alagoas e de Sergipe, a Bahia, Paraíba e Pernambuco, até o litoral do Ceará e do Rio Grande do Norte. O solo em grande parte é de embasamento cristalino e tem pouca capacidade de infiltração, mas alguns lugares, como nas bacias sedimentares, ele é mais profundo e com maior possibilidade de infiltração e suprimento de água. A vegetação predominante é a caatinga, o único bioma com exclusividade brasileira.

• Clima
O clima na sub-região é semiárido, com cursos de água formados por rios temporários, com exceção do permanente Rio São Francisco. Com o menor índice pluviométrico do país, o sertão possui estações bem definidas, com chuvas ocorrendo, em geral, entre os meses de dezembro e abril, se não houver estiagens. Delimitado em 1951, o Polígono das Secas abrange os municípios cujo clima principal é o semiárido, o que significa um total de aproximadamente 950 mil quilômetros quadrados.

• Demografia
Ao longo do interior, a densidade demográfica é baixa, variando entre 5 a 25 moradores por quilômetro quadrado. Nos centros urbanos, a população vai desde 146 mil habitantes em cidades como Vale do Piancó, na Paraíba, até mais de 3 milhões e meio em Fortaleza, no Ceará. No grande sertão, as principais atividades incluem pecuária extensiva e agricultura nos pontos úmidos o bastante.

• Cultura
A cultura do sertanejo é vasta e apreciada. Esse território é dono de um dos melhores carnavais e seu ritmo nativo é o forró. O repentismo também possui muita força, sendo essa possivelmente a região brasileira mais abundante em poesia popular. Festivais de música e festas populares, inclusive religiosas ou folclóricas, são muito estimadas. Além disso, o próprio sertão inspirou a criação de diversas obras brasileiras importantíssimas, como os livros Vidas Secas, de Graciliano Ramos, ou Grande Sertão Veredas, de João Guimarães Rosa.