Rubem Fonseca: Obras, Estilo e Ideologia

Rubem Fonseca

Rubem Fonseca, nascido em 1925 na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, como José Rubem Fonseca, é um dos mais importantes escritores brasileiros da contemporaneidade, com obras que mudaram a forma de se enxergar a literatura brasileira.

Sua escrita diferenciada e bastante característica rendeu ao autor uma série de prêmios muito importantes, como o Jabuti e o Nobel da Língua Portuguesa, este no ano de 2003, concedido pelos governos de Portugal e Brasil.

Obras

As obras de Rubem Fonseca merecem muito destaque, pois são vários títulos de grande importância para a literatura brasileira. Confira a seguir algumas das principais obras de Rubem Fonseca:

– Os prisioneiros
– A coleira do cão
– Feliz Ano Novo
– O homem de fevereiro ou março
– O cobrador
– Romance negro e outras histórias
– Contos reunidos
– O Buraco na parede
– Lúcia McCartney
– O caso Morei
– A grande arte
– Vastas emoções e pensamentos imperfeitos
– Agosto
– O selvagem da ópera

Estilo

O estilo de Rubem Fonseca é um dos principais fatores que o torna uma referência dentro da literatura brasileira, pois o autor possui um jeito único e brutal de construir os cenários de suas obras, assim como seus personagens.

Desta maneira, a forma coloquial com que as cenas são retratadas, aliada a esta brutalidade única de Rubem Fonseca, leva os leitores a um choque de realidade que poucos autores conseguem por meio de suas obras.

Ideologia

A ideologia de Rubem Fonseca é bastante clara para quem conhece suas obras, nas quais o autor, por meio de sua forma de construir cenários e personagens, retrata diversas mazelas vividas em cidades reais, especialmente nas grandes metrópoles, onde o cidadão passa por muitas das situações ali descritas de maneira real e impactante para os leitores, levando-os a um questionamento interno sobre o mal existente em cada pessoa.