Sistema de Numeração Egípcios


Neste artigo, você vai aprender sobre o sistema de numeração dos egípcios. Esta incrível civilização deixou para todas as outras que viveram depois uma infinidade de tecnologias e, também, costumes sociais muito importantes. Os antigos egípcios foram uma civilização bastante avançada para sua época e de extrema importância para a história da humanidade como um todo.

A civilização Egípcia

Antes de entrarmos a fundo sobre o assunto do sistema de numeração dos egípcios, precisamos dar um panorama geral sobre a civilização egípcia como um todo.

O antigo Egito ficava localizado ao norte da África, concentrada principalmente próximo ao rio Nilo. Atualmente, a região continua sendo chamada de Egito, uma das poucas que manteve o nome depois de tantos anos.

Numeração Egípcios

Os egípcios antigos fizeram parte de uma das civilizações mais antigas e mais perenes da história da humanidade. A civilização egípcia se desenvolveu de forma bastante positiva durante três grandes reinos que possuíam uma excelente estabilidade política, manifestações artísticas e estabilidade política, intercalados com momentos mais instáveis, principalmente quando se fala sobre questões políticas.

Eles se destacam tanto por sua forma de lidar com as dificuldades de viver em uma região bastante inóspita, quanto em inovações. Os antigos egípcios desenvolveram um sistema muito avançado de irrigação utilizando as águas do rio Nilo, escrita e língua independentes, construções monumentais e, por sua vez, um sistema de numeração egípcios único.

O Egito deixou para todas as civilizações futuras, um legado de cultura, arte e ciência bastante rico e, por isso, trata-se de uma civilização que exerce um gigantesco fascínio em todas as gerações futuras. Até hoje, existem muitas lendas e estórias que permeiam o imaginário egípcio. Outro ponto que é muito estudado quando se fala a respeito do antigo Egito é a religião deles e, principalmente, seus costumes funerários. Eles tinham um conceito bastante difundido sobre a relação de vida e morte, e acreditavam que após o falecimento, todos os pensamentos e aspectos espirituais eram liberados do corpo, mas ainda precisavam dele para que o processo todo ficasse completo. Ainda hoje, arqueólogos continuam encontrando múmias de figuras importantes da história do antigo Egito, em tumbas que são verdadeiros espetáculos da arquitetura.

No campo da arte e cultura, os Egípcios deixaram esculturas, pinturas e baixos relevos que nos contam um pouco da vida cotidiana, costumes e atividades de um povo tão interessante e único. Eles utilizavam uma espécie de vidro e cerâmica muito antes do que outras civilizações, e o material juntamente com outros elementos eram usados em telhas, esculturas, vasos e até miçangas.

Números Egípcios

Na ciência e na matemática, os egípcios foram muito importantes para todo o desenvolvimento que veio depois e, por isso, o sistema de numeração dos egípcios é tão conhecido e estudado ainda hoje. Eles precisavam da matemática, para controlar as inundações do Nilo, os seus sofisticados sistemas hidráulicos, para a construção de seus monumentos como as pirâmides e até para a mumificação de seus corpos após a morte.

Textos encontrados em antigos papiros egípcios mostram o quanto a matemática era importante para eles. Pesquisadores encontraram até indícios de competições matemáticas nas atividades do dia a dia, indicando o quanto eles dominavam os números. Os pesquisadores também acharam indícios de um sistema de numeração dos egípcios bastante desenvolvido, que contribuía para que eles dominassem alguns cálculos e geometria.

O sistema de numeração dos egípcios era o mesmo utilizado pelos antigos romanos. Os numerais eram escritos em hieróglifos para representar potências de 10 e podiam ser lidos da forma como nós lemos, da esquerda para a direita e, também, da direita para a esquerda. Eles podiam ser lidos com o mesmo sentido na vertical também.

As frações começaram a ser usadas no Egito e eram a forma mais usual de representação numérica utilizada por eles. Acredita-se que isso aconteceu porque o maior uso da matemática era para questões cotidianas como separação de grãos, de terras e controle da colheita. As frações obviamente também eram representadas símbolos, mas somente nos casos de frações unitárias. Havia sinais específicos para representar diferentes valores fracionados e, também, para representar a soma e a subtração.

O sistema de numeração dos egípcios era tão interessante que assim como nos nossos sistemas numérico, o mesmo número podia ser representado de duas formas: em um sistema gráfico e, também, como uma palavra escrita. Eles tinham formas diferentes de representar os números.

Como a civilização egípcia foi se desenvolvendo por muitos e muitos anos, a matemática foi evoluindo também e os símbolos que representavam tanto números decimais quanto as frações foram mudando com o passar do tempo. Os registros deste legado histórico e matemático para a humanidade foram encontrados em papiros antigos que representavam as contas cotidianas do povo egípcio, e mostram a profundidade da compreensão do mundo que eles tinham na época. Os papiros mais conhecidos que continham essas informações matemáticas sobre a civilização egípcia são chamados de papiros matemáticos de Moscovo e Rhind.