Apesar da ou de a?


A língua portuguesa é sempre capaz de nos surpreender com uma dúvida nova – e, na grande maioria dos casos, mantém uma enorme distância entre o que é falado e escrito. Na hora de falar, que atire a primeira pedra aquela pessoa que se importa em diferenciar ‘apesar da’ da expressão ‘apesar de a’. Não ligamos, não é mesmo? Tanto na hora de falar como também de ouvir.

Apesar da ou de a?

Por outro lado, na hora de escrever é um grande problema: apesar da … ou … apesar de a?

Conclui-se com a simples dúvida que o idioma, ao mesmo tempo em que nos dá liberdade para a comunicação e interação, nos enche de controvérsias e dúvidas.

A expressão ‘apesar de’ e ‘apesar de a’ é uma delas. Isso porque essa dúvida é uma das maiores do idioma, sendo ela o motivo de discórdia entre muitos estudiosos e especialistas de língua portuguesa.

Neste artigo, vamos conferir maiores informações sobre essa dúvida que, pelo jeito, também pertence a você.

Apesar de ou apesar de a?

Bom, vamos começar com uma frase escrita das duas formas possíveis:

-> “Apesar de a maioria ser a favor da Constituição Federal…”.
-> “Apesar da maioria ser a favor da Constituição Federal…”.

E aí, você consegue identificar qual delas está correta?

Vamos lá. A dúvida está entre as mais frequentes pelos falantes do idioma pela questão de que ela está atrelada não só a um único conceito da língua portuguesa – mas a vários deles.

Sendo assim, antes de respondê-la é fundamental que possamos relembrar alguns importantes conceitos do idioma:

• Sobre o sujeito

Primeiramente, o sujeito. Ele é um termo obrigatório e fundamental para trazer sentido à oração. E uma de suas regrinhas básicas é: o sujeito não deve estar subordinado a qualquer outro termo.

• Sobre as classes gramaticais envolvidas

Em seguida, é necessário analisar as classes gramaticais que estão acompanhadas (ou seja, que estão próximas) deste sujeito. Essas classes podem ser: pronomes adjetivos, numerais, artigos e adjetivos.

• Sobre a preposição

Você se lembra da função da preposição? Pois é. Ela é utilizada para relacionar uma palavra à outra, indicando que entre as mesmas há uma ligação em que uma se torna subordinada a outra.

Alguns exemplos neste sentido são:

-> Folha de papel;
-> Casa de cimento;
-> Sofá de couro;
-> Mesa de vidro.

De acordo com a norma culta gramatical da língua portuguesa, não pode existir contração entre o artigo e a preposição quando o termo que sucede a preposição (ou seja, que está depois dela) tiver a função de sujeito. Entendeu?

Neste caso, a frase correta seria: “Apesar de a maioria ser a favor da Constituição Federal…”.

Apesar de a? Mas porquê?

Porque no caso da frase, a “maioria” representa o sujeito e utilizar a contração entre artigo e preposição (ou seja, o ‘apesar da’) seria um grande equívoco.

Vamos conferir mais exemplos corretos a seguir:

  • Apesar de a situação estar feia para o nosso lado, desistir não é uma opção;
  • Apesar de a reforma do escritório ser realizada amanhã, todos deverão trabalhar normalmente;
  • Apesar de a crise financeira estar instaurada no Brasil, devemos lutar contra a corrupção do governo.

Há possibilidade de contração de artigos e preposições?

Por outro lado, alguns estudiosos defendem a contração das preposições e artigos – ou seja, a junção entre os termos ‘por’, ‘em’ e ‘de’ (preposições) com ‘a’, ‘as’, ‘o’ e ‘os’ (artigos).

Vamos conferir a seguir alguns exemplos:

-> “Gosto da sua forma de lidar com os problemas” (o da, neste caso, é resultado da junção entre ‘de’ e ‘a’);
-> Está mais do que na hora de fazermos aquela reunião com todo o pessoal da empresa (o ‘na’, neste caso, é resultado da junção entre ‘em’ com ‘a’);
-> Torço pela felicidade de seus filhos (sendo o ‘pela’ o resultado da junção entre ‘por’ ou ‘a’).

No caso da expressão “apesar de”, assim como de outras similares (“através de” e “a partir de”) a defesa mantém-se a mesma, sendo alguns exemplos da utilização de ‘apesar de’:

-> Apesar ‘dos’ prazos curtos, tenho certeza de que conseguiremos atingir a meta da empresa (junção entre apesar de + os);
-> Apesar ‘das’ dificuldades, sabemos quem está no comando de toda essa situação (junção entre apesar de + as).

Resumidamente, o elemento que está localizado em seguida da preposição é o que irá determinar a utilização de ‘apesar da’ ou ‘apesar de a’.

Quando esse elemento é o sujeito de um verbo, a junção entre a preposição e o artigo se torna um erro gramatical – o que justifica a isolação de ambos (ou seja, o uso de ‘apesar de a’).

Além disso, vale destacar que o uso de ‘apesar da’ ou ‘apesar de a’ é um dos assuntos que contam com o maior número de controvérsias na língua portuguesa. Alguns estudiosos, por sua vez, não defendem a junção da preposição e artigo de modo algum – enquanto outros não veem problema nenhum na contração, principalmente porque ela é extremamente comum na linguagem falada.