Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE)


Logo ao entrar na universidade o aluno já sabe que, em seu último ano, provavelmente terá uma obrigação importante, que vai além do ano de dedicação ao trabalho de conclusão de curso: a realização do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade).

O exame nada mais é do que um procedimento obrigatório em âmbito nacional tanto para universidades públicas como privadas. Seu principal objetivo é servir como um indicador de qualidade na avaliação de como está o desempenho dos alunos de ensino superior e, consequentemente, como está a universidade e cada um dos cursos que ela oferece em sua grade.

ENADE

O Enade é o principal componente que integra o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes), e é realizado todos os anos pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), que por sua vez, é um dos órgãos que integram o Ministério da Educação (MEC).

Principais características do Enade

O Enade é um dos componentes obrigatórios curriculares para a formação do aluno de ensino superior, sendo ele previsto na lei de número 10.861, de 2004.

Ele é aplicado, de período em período, aos alunos de todos os cursos superiores da universidade ou faculdade em questão, tanto para os ingressantes, que estão no primeiro ano do curso, como também aos concluintes, ou seja, os quase formados.

O Enade não é obrigatório para todos os estudantes de uma sala de concluintes, por exemplo. Porém, uma determinada porcentagem é orientada pelo MEC a cada período estipulado, sendo que ela deve ser cumprida para que o Ministério possa avalia como está o ensino daquela instituição no curso diagnosticado.

O Exame deve ser inscrito obrigatoriamente no histórico escolar do aluno, atestando a sua obrigatória participação, ou então, uma dispensa oficial que deve ser solicitada e atendida pelo próprio Ministério da Educação, já que alguns motivos para tal podem ser encontrados em seu próprio regulamento.

E seus objetivos, quais são?

E qual é o seu principal objetivo?

O Enade tem como intuito acompanhar, de tempos em tempos, como vai o processo de aprendizagem em todos os cursos de graduação do Brasil – em cada uma das universidades. E é o próprio desempenho dos estudantes na prova que determina a nota do curso, com base nos principais conteúdos programáticos previstos nas próprias diretrizes curriculares do curso de graduação em questão.

Quais são os tipos de resultados gerados?

A partir do exame, vários são os índices divulgados pelo Sinaes e pelo próprio Ministério da Educação, sendo os principais entre eles:

1. Dados de desempenho em relação a cada instituição de ensino superior (públicas e privadas);

2. Categorias administrativas;

3. Organização do espaço acadêmico;

4. Estado;

5. Região geográfica do país;

6. Município;

7. E por fim, país.

E quais são os instrumentos que compõem o Enade?

Muitos acreditam que o exame consiste unicamente em uma prova. Porém, além dela, existem também outros três componentes:

• Um questionário preenchido pelo estudante;

• Questionário preenchido pela coordenação do curso;

• E por fim, um questionamento mais simples, sobre as impressões que os estudantes tiveram acerca da avaliação.

O resultado do Enade compõe uma nota que vai de 0 a 5, o que neste caso, nada mais é do que a “nota conceito” daquela universidade.

Vamos imaginar um exemplo. Você está pensando em cursar engenharia química, mas ainda não escolheu qual é a melhor universidade para começar o curso.

Neste sentido, uma das principais e mais completas avaliações da qualidade do curso é por meio do Enade, que avalia aspectos como: o desempenho do aluno, a infraestrutura que a universidade oferece, a limpeza do ambiente, os laboratórios de cada curso (para os que necessitam de um), a grade curricular, seus professores e muitos outros que dirão qual é a sua nota geral.

E é com essa nota que você pode tomar uma decisão muito melhor. Se para cursar Engenharia Química você estava em dúvida entre duas universidades, esse pode ser o parâmetro que irá lhe dizer qual delas seria mais adequada para a realização do seu curso.
Certamente você vai preferir a universidade que tirou nota 5 (máxima) no Enade do que aquela que ficou classificada com apenas um 2, não é mesmo?

Para as universidades que ficam com a nota no Enade baixa, o MEC pode tomar duas diferentes decisões: e o que fica entre elas é unicamente o quão baixa essa nota foi. Abaixo de 1, por exemplo, a universidade é obrigada a fechar as inscrições para aquele curso por um determinado período até que suas melhorias sejam identificadas.

E mesmo para as notas mais altas, há sempre o que melhorar não é mesmo? Por isso, é por meio dessa avaliação do desempenho dos estudantes que se torna possível definir ações que auxiliem a melhoria do curso por meio de professores, técnicos e demais aspectos e autoridades educacionais.