Noções sobre Pontuação: Vírgula


Em qualquer idioma, inclusive na língua portuguesa, a pontuação tem a capacidade de articular e ligar as frases umas às outras, fazendo com que tenham um determinado sentido. É praticamente impossível ler e compreender um texto que não esteja pontuado, pois não haverá relação entre as orações.

nocoes-sobre-pontuacao-virgula

Colocar a pontuação – vírgula corretamente parece algo muito simples e realmente é, no entanto, muita gente ainda se confunde e acaba cometendo erros graves ao utilizar a vírgula! Esse sinal gráfico serve para colocar uma pequena pausa para o leitor no decorrer do texto, enumerar sequências, introduzir uma especificação e muitas outras funções importantes.

Para nunca mais errar e aprender a usar a vírgula de modo impecável, confira agora algumas dicas muito simples e adote-as para sempre a partir de hoje.

Como usar pontuação – vírgula?

Primeira regra: a vírgula deve aparecer sempre que houver uma noção de sequência. Ou seja, quando você quiser colocar dois ou mais elementos juntos na oração, eles devem ser separados entre si pela vírgula. Apenas antes do último elemento há uma alteração e ao invés da vírgula, usa-se o aditivo “e”, como nos casos abaixo:

• Fui ao supermercado e comprei maçãs, uma melancia, um cacho de uvas e um abacaxi.
• Na escola eu tive aula de português, geografia, história, biologia e física.

A vírgula também deve ser usada para isolar o vocativo, aquele termo que se refere ao interlocutor:

• Ana, você vai para a academia hoje?
• Amiga, o que acha de irmos para aquela festa?

Sempre que a frase tiver um aposto, ou seja, uma breve explicação sobre o substantivo ou pronome anteriormente citado, ele deverá aparecer entre vírgulas. Observe:

• Doutor João, que é médico oftalmologista, vai me atender amanhã.
• São Paulo, a maior cidade do Brasil, fará aniversário na próxima semana.

Quando houver datas, a vírgula deve separar o lugar:

• Curitiba, 14 de janeiro de 2015.
• Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 1999.

A pontuação – vírgula também é imprescindível para isolar algumas conjunções, como o mas, porém, no entanto, todavia, entretanto, contudo, pois, embora. A oração deve ficar da seguinte maneira:

• Eu ia para a praia, mas, choveu.
• Queria comer uma pizza, no entanto, estou fazendo dieta.

Sempre quando um verbo ficar oculto em uma oração, porque está subentendido no contexto, a vírgula também precisa ser colocada, por exemplo:

• Eu estudo Jornalismo. Ele, Direito. (ficou oculto o verbo “estuda” na segunda oração).
• Minha mãe comprou um par de sapatos. Eu, duas camisetas. (suprime-se o verbo “comprei” que estaria na segunda oração).

Quando você for usar a expressão “e sim” ou “e não”, também precisa usar a pontuação – vírgula, mas só uma vez, antes da expressão referida. Veja na prática:

• Minha irmã foi para a Europa, e não para a Ásia.
• Não queria ir para o centro da cidade hoje, e sim amanhã.

Nos enunciados em que aparecem duas ou mais orações, sem que haja conjunções interligando-as (orações assindéticas), essa será a função da vírgula. Entenda melhor abaixo:

• O professor saiu da faculdade naquele dia, viajou, pesquisou muito sobre o assunto e depois documentou.
• O rapaz olhou a moça fixamente, imaginou sua vida, viajou nos pensamentos por alguns segundos e voltou a si.

Sempre que você começar uma frase indicando tempo, lugar ou modo, a palavra que indique isso deverá estar isolada pela pontuação – vírgula:

• Amanhã, nossas aulas vão começar.
• No litoral, faz muito calor.
• Calmamente, a menina se levantou e saiu.

Algumas expressões que indicam exemplo, explicação ou conformação também precisam ser isoladas por esse sinal gráfico. É o caso de “isto é”, “ou seja”, “com efeito”, “aliás”, “ou melhor”, “logo” e outras. Veja como fica:

• Meu irmão foi aprovado, logo, conseguiu se formar.
• Penso que essa seja uma boa ideia, ou melhor, é uma ideia excelente!

Por fim, no último caso regular de uso da vírgula, ela deve ser colocada antes do “e” dentro de sujeitos formados por núcleos diferentes:

• A paz, e o amor, e a tranquilidade são tudo o que podemos ter.

Todos esses casos citados acima demonstram o uso obrigatório da vírgula, para que esse sinal gráfico possa colocar um “respiro” nos lugares corretos do enunciado, sem que haja alteração do sentido que se pretende dar às orações.

Embora a teoria principal seja essa, a única forma de efetivamente aprender a usar a vírgula e todos os outros sinais de pontuação é por meio da prática. Escrever constantemente, prestando atenção em todos os sinais gráficos e analisando se eles estão sendo usados nos lugares certos.

Vale colocar todas essas normas sobre a pontuação – vírgula em um cartaz e pendurar no seu local de estudos, para que possa consultar sempre que tiver alguma dúvida e, ao mesmo tempo, ir assimilando as regras aos poucos, até que todas elas se tornem naturais e se incorporem definitivamente ao seu processo de escrita.