Regência


Regência é um tema da língua portuguesa que estuda as associações de concordância entre dois termos, verificando se eles se complementam, e assim poder empregá-los corretamente.

Ao formar pensamentos e recitar discursos, as estruturas sintáticas precisam estar organizadas de forma aceitável para dar sentido e precisão à mensagem que quer transmitir. Dessa forma, vários aspectos compõem esse processo e um deles é a regência, ou seja, a relação de subordinação entre os verbos e seus complementos e os nomes, substantivos, adjetivos e advérbios, e os termos que lhes completa o sentido

Quando essas relações acontecem com verbos, denomina-se regência verbal. Já quando acontece com nomes, dá-se o nome de regência nominal.

Regência

Regência Verbal

A regência verbal estuda a relação entre os verbos e os termos que os complementam como objetos diretos e objetos indiretos, e os que caracterizam, como adjuntos adverbiais. O estudo dessa relação permite aumentar a capacidade de apresentação, pois melhora o conhecimento dos diferentes significados que os verbos podem adquirir com uma simples mudança de preposição.

A regência de um verbo é decidida pela relação entre ele e o seu complemento. Por isso, o verbo é o regente e o complemento é o termo regido.

Saber como usar as preposições é essencial para o estudo da regência verbal. As preposições podem modificar totalmente o sentido do que está sendo falado.

Ex:

Cheguei ao metrô.

Cheguei no metrô.

No primeiro exemplo o metrô é o lugar aonde a pessoa vai; no segundo, é o meio de transporte usado.

Os verbos na regência verbal podem assumir quatro preposições diferentes:

– Intransitivo

– Transitivo direto

– Transitivo indireto

– Transitivo direto e indireto

1) Verbo Intransitivo

São aqueles verbos que não precisam de complemento, eles indicam a ação por si só.

Os verbos comparecer, chegar, ir, vir, voltar, cair, morar, residir, situar-se, ditar-se, levantar-se e dirigir-se não necessitam de complemento para dar sentido à frase, por isso o complemento desses verbos é chamado de adjunto adverbial.

Esses verbos exigem o emprego de determinadas preposições para dar sentido às frases. A preposição a é usada para indicar destino, a preposição de para indicar procedência e a preposição em só é usada para assinalar um meio ou instrumento.

Ex:

ERRADO: Irei em Santiago de Cuba.

CERTO: Irei a Santiago de Cuba.

ERRADO: Muitos não compareceram na prova do Enem.

CERTO: Muitos não compareceram à prova do Enem.

2)Verbo Transitivo Direto (VTD)

São verbos que mostram que o sujeito está praticando uma ação, sofrida por outro termo conhecido como objeto direto. Por isso, uma das formas mais fáceis de saber se um verbo é transitivo direto é passar a oração para a voz passiva, porque apenas os verbos transitivos diretos podem fazer essa transformação.

O objeto direto pode ser um substantivo, uma palavra substantivada, uma oração ou um pronome oblíquo.

Os verbos desfrutar, usufruir e compartilhar, são verbos transitivos diretos.

Ex:

Desfrutei os bens deixados por meu pai.

Pagam o preço do progresso aqueles que menos usufruem.

Berenice compartilhou o meu sofrimento.

3)Verbo Transitivo Indireto (VTI)

São verbos que se unem ao complemento por meio de uma preposição. O complemento desse tipo de verbo é chamado de objeto indireto.

O objeto indireto pode ser um substantivo, uma palavra substantivada, uma oração ou um pronome oblíquo.

Os verbos constar, obedecer, desobedecer, revidar, responder, simpatizar, antipatizar, sobressair e torcer, são verbos transitivos indiretos.

O verbo constar pede as preposições de e em. Os verbos obedecer, desobedecer, revidar e responder pedem a preposição a. Os verbos simpatizar a antipatizar a preposição com. O sobressair a preposição em e, por fim, o verbo torcer usa as preposições por e para.

Ex:

Vou fazer constar o incidente em meu relatório.

Obedeço a todas as regras da empresa.

Sempre simpatizei com ele.

Estamos torcendo por você.

4)Verbo Transitivo Direto e Indireto (VTDI)

São verbos que apresentam dois complementos, o objeto direto e o objeto indireto.

Os verbos agradecer, pegar, perdoar, pedir, preferir, informar, avisar, advertir, certificar, comunicar, lembrar, noticiar, notificar e prevenir, são verbos transitivo direto e indireto.

Ex:

Agradeci a ela o convite.

Pedimos a todos que trouxessem os livros.

Prefiro estar só a ficar mal acompanhado.

Regência Nominal

A Regência Nominal estuda a relação entre o nome e os termos controlados por esse nome. Essa relação é sempre mediada por uma preposição.

Alguns nomes apresentam o mesmo complemento dos verbos que procedem. Por isso, conhecer o complemento dos verbos significa conhecer o complemento dos nomes cognatos.

São vários os tipos de substantivos, adjetivos e advérbios que são acompanhados de preposição. Entre eles:

Substantivos:

– Admiração (a, por) – Horror (a)

– Aversão (a, para, por) – Impaciência (com)

– Devoção (a, para, com, por) – Dúvida a cerca (de, em, sobre)

Adjetivos:

– Ansioso (de, para, por) – Capaz (de, para)

– Contemporâneo (a, de) – Relacionado (com)

– Grato (a, por) – Satisfeito (com, de, em, por)

Advérbios:

– Longe (de)

– Perto (de)