Termos Integrantes da oração: Complementos Verbais e Nominais e Agente da Passiva


Os termos integrantes da oração completam o sentido de verbos e nomes e, por isso, são indispensáveis na oração. São eles:
Complementos verbais Complemento nominal Agente da passiva

1)    Complementos verbais: Alguns verbos precisam de complementos para integrar e completar seu sentido. Esses verbos são chamados transitivos e há dois tipos de complementos verbais: objeto direto e objeto indireto.

Termos Integrantes da oração

a)     Objeto direto: Como identificar o objeto direto – OD na oração? Pergunta-se ao verbo: o quê? Quem?. Exemplo: “Será que eu não tenho vocação para publicitário”? Quem tem, tem o quê? – (VTD) Resposta: vocação para publicitário – (OD)
b) Objeto indireto: Como identificar o objeto indireto – OI na oração? Pergunta-se ao verbo:  a quê(m)? de quê(m)? em quê(m)? para quê(m)? outras Nesse caso, o predicativo refere-se à expressão o aluno, que é complemento do verbo transitivo direto – VTD. Esse complemento é chamado de objeto direto – OD e, por isso, o seu predicativo recebe o nome de predicativo do objeto – PO. Como o objeto indireto costuma vir regido de preposição, é importante não esquecê-las. As preposições puras são: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás.

Observação: Não se deve confundir complemento nominal com objeto indireto. O objeto indireto completa o sentido de um verbo transitivo indireto e o complemento nominal completa o sentido de um nome. Viram-me no cinema. vtd    od. Os pronomes o, a, os, as são sempre objeto direto e os pronomes lhe e lhes são sempre objeto indireto. Exemplos: O menino convidou-a. vtd     od O filho obedece-lhe. vti.

Para identificar corretamente o objeto indireto, você deve sempre analisar a predicação do verbo. Observe como o mesmo verbo, de acordo com o contexto, pode apresentar predicações diferentes:
O gerente pagou as compras.
VTD             OD
O gerente pagou ao fornecedor.
VTI
O gerente pagou as compras ao fornecedor
VTDI              OD

2) Complemento nominal: é o termo da oração que completa o sentido de um nome com auxílio de preposição. Esse nome pode ser representado por um substantivo, por um adjetivo ou por um advérbio. Como identificar o complemento nominal? Pergunta-se ao nome: a quê(m)? de quê(m)? por quê(m)? Exemplos: O juiz agiu favoravelmente ao réu. Todos estão ansiosos pela viagem.

3) Agente da passiva: é o termo da oração que pratica a ação do verbo na voz passiva, auxiliado de preposição por ou de. A vidraça foi quebrada pelo menino. Na oração acima, o sujeito é a vidraça. A forma verbal está na voz passiva, pois o sujeito é paciente, isto é, sofre a ação verbal. O termo pelo menino pratica a ação verbal (quebrar a vidraça).

Na voz passiva, o termo que pratica a ação verbal é o agente da passiva – AP. Vamos recordar a vozes do verbo. O verbo apresenta três vozes:
a)     Voz ativa: quando é o sujeito quem pratica a ação expressa pelo verbo. Exemplo: O jogador fez um bonito gol.
b)    Voz passiva: quando é o sujeito quem sofre a ação expressa pelo verbo. Exemplo: Um bonito gol foi feito pelo jogador. A voz passiva pode ser:
• analítica: formada pelo verbo auxiliar ser mais o particípio do verbo principal. Exemplo: Casas são vendidas.
• sintética: formada pelo pronome apassivador se e um verbo na 3a pessoa, do singular ou do plural, de acordo com o sujeito. Exemplo: Vendem-se casas. O pronome apassivador se também é chamado de partícula apassivadora.
c)     Voz reflexiva: quando o sujeito pratica e recebe a ação do verbo, ao mesmo tempo. Exemplo: O jogador feriu-se. No Brasil, muitas crianças ainda morrem de fome.

A palavra acessório, segundo o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, refere-se a tudo que “não é fundamental, o que é secundário, o que se acrescenta a uma coisa sem fazer parte integrante dela”. Portanto, numa oração, termos acessórios são aqueles que não são importantes e necessários para estabelecer o sentido da frase e a comunicação. A função desses termos é acrescentar informações secundárias aos nomes e aos verbos.

São três os termos acessórios: Adjunto adnominal Adjunto adverbial Aposto
1)     Adjunto adnominal: é aquele que caracteriza um substantivo sem um verbo. Sob a ótica da morfossintaxe, pode-se dizer que é uma função adjetiva da oração.
2)     Adjunto adverbial: como o próprio nome já diz, o adjunto adverbial é essencialmente um modificador do verbo. Seu papel básico é indicar as circunstâncias em que se desenvolve o processo verbal (ideia de tempo, lugar, modo, causa, finalidade, etc.) ou intensificar um verbo, um adjetivo ou um advérbio.
3) Aposto: Classificação do aposto
a)      Explicativo: Exemplo: A Ecologia, ciência que investiga as relações dos seres vivos entre si e com o meio em que vivem, adquiriu grande destaque no mundo atual.
b)      Enumerativo: Exemplo: Suas reivindicações incluíam muitas coisas: melhore salário, melhores condições de trabalho.
c)      Recapitulativo: Exemplo: Trocar fraldas.Amamentar, limpar o nariz, acordar à noite, tudo exige paciência.
d)    Comparativo:   Exemplo: A inflação, monstro devorador dos salários, é sempre uma ameaça à estabilidade econômica do país.
e)    Especificativo: Exemplo: O melhor carnaval é o do Rio de Janeiro, cidade maravilhosa.