Língua e fala – Aspectos peculiares


Língua e fala

Não é preciso muito profundidade para que se perceba que língua e fala não são a mesma coisa.

A língua, em resumo, é um conjunto de códigos que se combinam e completam para realizar a tarefa de dar sentido às coisas. A forma em que essa definição se materializa de forma mais clara é a escrita.

Não obstante, deve-se observar que uma criança é capaz de assimilar esses códigos e seu significado somente em sua forma fonética, antes mesmo de ter qualquer compreensão desses códigos na forma gráfica.

Essa peculiaridade leva a um outro aspecto da linguagem, que é o processo neurolinguístico. A neurolinguística é a ciência que estuda as formas como a linguagem é assimilada pelo sistema nervoso central humano e como ela é reproduzida através da fala, da escrita e até dos gestos.

É esse raciocínio que leva à fala. Perceba que no centro dessa questão, que envolve o entendimento do que é língua e fala, está a linguagem. A linguagem é toda forma de expressão cujo propósito seja entregar a alguém uma mensagem, que, em si, possui um significado.

Língua, fala, linguagem e comunicação

A língua e a fala, ao mesmo tempo, servem a esse propósito maior, que é a comunicação entre as pessoas e tem a linguagem como único meio. A língua oferece um sistema de códigos, contendo em si significados, sendo capaz de produzir uma comunicação eficaz entre as pessoas.

Por seu lado, a fala pode ser compreendida em diversos aspectos, todos ligados à neurolinguística. Ela está condicionada por esses aspectos, dentre os quais podemos destacar a influência ambiental, o processo de assimilação e as habilidades cognitivas. A fala pode ser afetada, também, por doenças, podendo ser comprometida ou até inviabilizada.

Numa eventual perda da fala, o indivíduo estará desprovido da linguagem oral. Logo, pode-se concluir que a fala é o instrumento final da linguagem oral, o que permite a instrumentalização de um processo neurolinguístico, cujo propósito é a emissão de uma mensagem.

Podemos dizer, pois, que a língua é um objeto autônomo, com vida própria, que entrega recursos poderosos à linguagem, enquanto a fala é um instrumento da missão oral de uma mensagem.