Arquimedes e o Início da Ciência


Por muito tempo, a sociedade ocidental manteve um pensamento baseado em mitos e dogmas. A estrutura social foi construída através desse tipo de pensamento. Após o século VI a.C., surgiram muitos pensadores na Grécia Antiga, que eram chamados de Filósofos da Natureza. Eles iniciaram um tipo de pensamento diferenciado, baseado no ceticismo. Esse novo método de raciocínio marcou o início do pensamento científico. Ainda que muitos considerem que o pensamento científico iniciou com este ou aquele pensador, foi o conjunto de filósofos que marcou o início da ciência. Por isso, eles são chamados também de Pré-cientistas. Porém, o termo mais utilizado para tais pensadores ainda hoje é pré-socráticos, isso porque vieram antes do filósofo mais importante do Ocidente, Sócrates.

Esse pensamento iniciado pelos pré-socráticos colocava o observador como um ser superior às ideias, ao contrário do pensamento anterior e dogmático, que punha o observador em um nível inferior. A característica principal do dogma é sua força perante os fatos: por mais que testes e experimentos demonstrem que uma ideia dogmática é falsa, ela não será abandonada. O cientista não hesitaria em abandonar uma ideia que fosse comprovadamente falsa, e isso é uma das mais importantes características de sua função. A teoria científica deve ser completamente destruída ou modificada quando entra em contradição com a realidade.

Arquimedes

O conceito de prova científica surgiu na época de Sócrates, consolidou o pensamento científico e iniciou a ciência. Ela tenta descrever e explicar a natureza e a origem do universo, assim como a religião. Mas ao contrário dela, busca respostas na realidade, descartando explicações sobrenaturais. Um cientista precisa de provas e observações para seguir adiante com suas hipóteses.

Mesmo que as ciências sejam divididas em várias áreas (como, por exemplo, física, química, geografia, etc.), ela é uma só coisa. O cientista entende que os campos de estudo servem para facilitar seu trabalho, mas que tudo é uma coisa só, pois a natureza é apenas uma. Os gregos deram o pontapé inicial com os estudos aprofundados sobre a natureza das coisas. Muitos importantes estudiosos do início da ciência ainda são estudados hoje, como é o caso do grego Arquimedes.

Arquimedes

Arquimedes de Siracusa é considerado um dos principais cientistas da Antiguidade Clássica, ainda que muito pouco sobre sua vida seja conhecido pelos historiadores contemporâneos. Ele nasceu na Sicília, na província de Siracusa, no ano de 287 a.C. Seus estudos mais profundos abrangem diversas áreas, como matemática, física, engenharia e astronomia.

Estudou na Universidade de Alexandria, junto de Conon de Samos, outro importante astrônomo e matemático grego. Nessa época, a Alexandria era o principal polo de conhecimento do mundo antigo. Até hoje, muitas contribuições de Arquimedes são utilizadas na ciência.

Dentro da física, ele fundamentou a hidrostática e a estática. Também foi o descobridor, por exemplo, da lei do empuxo e da lei da alavanca, aprofundando o estudo do Equilíbrio dos Planos. Utilizou o método de exaustão para determinar a superfície de uma esfera e chegar a uma relação entre ela e um cilindro.

Além de cientista, Arquimedes também foi inventor, sendo o criador de muitas máquinas para uso civil e militar, como armas de cerco e bomba de parafuso. Afirma-se que, para proteger a cidade onde vivia, projetou armas de guerra com potencial de levantar navios inimigos para fora da água, catapultas de grande potência e sistemas de espelhos, que refletiam o Sol e incendiavam bases e navios de inimigos.

O cientista grego, que é considerado por muitos o maior matemático da antiguidade, morreu quando os romanos invadiram Siracusa em 216 a.C. Haviam ordens para que os militares de Roma poupassem Arquimedes, porque muitos líderes romanos o admiravam. Mas, quando ele gritou com um soldado que lhe interrompeu alguns cálculos, acabou sendo morto. O legado do matemático atravessou os séculos, tendo influenciado os maiores nomes da ciência moderna, como Isaac Newton, Galileu Galilei e Christiaan Huygens.

O início da Ciência

A importância de Arquimedes para o início da ciência é total, pois ele iniciou importantes estudos matemáticos, astronômicos e de engenharia. Criou teoremas sobre a geometria dos círculos, cones, cilindros, planos, esferas e parábolas. Foi inventor de um mecanismo que tinha por finalidade o envio de água para irrigar córregos. Para isso, utilizou um dispositivo que ficou conhecido como O Parafuso de Arquimedes.

A história mais famosa envolvendo o matemático é relacionada às suas descobertas no campo da hidrostática, parte dentro da física que se ocupa de estudar os líquidos e gases em repouso sob ação de um campo gravitacional constante. Arquimedes concluiu, quando estava dentro de sua banheira, que o corpo, ao ser mergulhado em um fluído, líquido ou gasoso, passa a receber uma força vertical para cima. Essa força possui a mesma intensidade do peso do fluido deslocado pelo corpo.

Diz-se que, ao chegar a essa conclusão, Arquimedes saiu pelas ruas da cidade, completamente nu, a gritar “Eureka!”.