Chumbo


Elemento químico que pertence ao grupo 14 da tabela periódica e pode ser encontrado no sexto período, o chumbo está localizado no grupo do carbono e tem massa atômica de 207,21 u.a. Esse metal representativo pode ser representado pelo símbolo químico Pb, pois sua nomenclatura em latim é plumbum.

Chumbo

A utilização do chumbo pelos seres humanos está longe de ser um fato recente. Desde a antiguidade, diversas civilizações já sabiam da existência desse metal e o utilizavam em seu dia a dia na produção de utensílios domésticos, como garfos e facas, e também para alterar a acidez do vinho, atividade que nos dias de hoje é proibida por conta dos riscos que a toxicidade do chumbo pode trazer para o corpo humano.

Hoje em dia, é possível encontrar relatos que comprovam a utilização do chumbo em 3000 antes de Cristo, pela famosa civilização romana, e também pela civilização fenícia, em 2000 antes de Cristo. Nesses períodos, cerca de 100 mil toneladas de chumbo eram utilizadas por essas civilizações.

Diversos objetos antigos feitos de chumbo já foram encontrados por pesquisadores e historiadores. O mais antigo deles pode ser visto no templo de Osíris e estima-se que ele tenha sido produzido em 3800 antes de Cristo.

Outras curiosidades sobre o chumbo também foram encontradas em diversos relatos de alquimistas que viveram nessas épocas. De acordo com os textos desses especialistas da época, o chumbo possuía uma forte ligação e conexão com o planeta Saturno.

Principais aplicações do chumbo

Poucas pessoas sabem, mas o chumbo pode ser extraído diretamente da natureza por meio de três minerais específicos, a cerusita, a galena e a anglesita. A partir desses minerais, temos acesso ao chumbo e podemos utilizá-lo na fabricação de diversos objetos e aplicá-lo para diversas finalidades. As principais aplicações do chumbo são:

Produção de lâminas com grande flexibilidade e resistência;
Em baterias automotivas;
Fabricação de diversos tipos de ácidos, como o ácido sulfúrico;
Durante a composição de ligas metálicas;
Utilização como antibacteriano;
Fabricação de munições;
Produção de soldas;
Chumbo como aditivo em combustíveis.

Durante muito tempo, o chumbo também foi utilização na produção de diversos tipos de cosméticos, produtos de beleza e também pigmentos. Era muito comum encontrar esse metal em batons e em tintas de cabelo.
Porém, diversos estudos revelaram que o uso do chumbo nesses produtos poderia trazer riscos para a saúde das pessoas. Por isso, em diversos países do mundo, a utilização do chumbo foi proibida para esse fim e o metal não aparece mais na composição desses produtos.

Conheça as principais características desse metal

Quando se encontra em temperatura ambiente, o chumbo permanece em estado sólido e possui uma coloração azulada marcante. Porém, ao entrar em contato com o ar, esse elemento químico acaba alterando a sua coloração e se tornando mais acinzentado.

Apesar de possuir um aspecto rústico e firme, o chumbo é considerado um metal extremamente maleável e macio. Apesar de ter uma grande resistência à corrosão, esse elemento é visto como um péssimo condutor elétrico. Seu ponto de fusão é determinado em 600k e o seu ponto de ebulição em 2022k.

A toxidade do chumbo ainda é motivo para muita pesquisa e discussão. Sabe-se que as civilizações antigas utilizavam esse metal de maneira livre e desconhecendo os verdadeiros períodos que ele pode apresentar para o corpo humano.

Com o avanço da humanidade, foi possível descobrir que o chumbo pode ser extremamente prejudicial para a saúde dos seres humanos. Entrar em contato com esse elemento, seja de maneira oral, por meio da pele ou de maneira inalatória, pode trazer danos para a saúde da pessoa e, em casos mais graves, risco de morte.

Independente da idade, todas as pessoas estão susceptíveis à intoxicação por esse elemento. Porém, mulheres grávidas, bebês e crianças devem ter ainda mais cuidado, pois o risco de intoxicação por chumbo é ainda maior e pode trazer danos irreversíveis.

Mas como essa contaminação pode acontecer? É muito comum que a intoxicação por chumbo aconteça por meio da utilização de itens domésticos que foram revestidos com esmaltes a base de cobre. Isso acontece pois, ao entrar em contato com elementos ácidos, o chumbo acaba se dissolvendo e entrando em contato direto com o alimento que está sendo ingerido.

Os efeitos do calor não ajudam na degradação do chumbo e esse elemento não se descompõe com a passagem do tempo. Por isso, sua capacidade de acumulação em nosso organismo é extremamente alta, localizando-se principalmente nos ossos, nos rins, no cérebro e também no fígado.

Quando a pessoa acaba intoxicada pelo fígado, diversos sintomas podem indicar o problema. O paciente acaba sofrendo com muitas dores na região do abdômen, vômitos constantes, convulsões e fraqueza muscular. Ao apresentar esses problemas, um médico deve ser consultado imediatamente e exames de sangue e radiografias devem ser realizados.