Conceito de ácido, base e sal pela teoria de Arrhenius


Os conceitos de ácido, base e sal foram definidos por meio da Teoria da Dissolução Iônica, conhecida como a Teoria de Arrhenius, que foi apresentada e usada como referência no ano de 1887 pelo cientista físico-químico Svante Augustus Arrhenius.

Conceito de ácido, base e sal pela teoria de Arrhenius

Abordando primeiramente um contexto histórico, o conceito dessas substâncias surgiu quando ele trabalhava na Universidade de Uppsala, na Suécia. Ele já era um cientista especializado no estudo de substâncias químicas e em suas reações físico-químicas, e trabalhava na análise da condutividade de correntes elétricas por meio de solução aquosa usando algumas substâncias.

Dentro do estudo, ele percebeu que certas substâncias tinham mais facilidade em passar pelo processo de ionização do que outras. Daí veio o conhecimento de que essas substâncias possuíam partículas carregadas, conhecidas como íons. Analisando de forma geral, o cientista identificou que certos compostos tinham capacidade de gerar íons ao entrar em contato com a água, e outros não. Os atributos dessas substâncias que podem gerar íons eram a condição de conduzir corrente elétrica e a maior potência.

A partir daí o pesquisador conseguiu obter os seguintes dados:

• Compostos como o cloreto de sódio (NaCl) e a soda cáustica (NaOH), se dissolvidas na água, podem ter separações de íons já existentes nas substâncias antes de alterá-las, ou NaCl(aq) é igual a Na Cl-;

• Se algum composto era dissolvido na água, ele não se tornava um condutor de eletricidade, uma vez que não produzia íons, como é o caso da amônia NH3.

Foram nessas ambientações que ele também percebeu que nem todos os compostos sofrem a dissociação iônica; há a possibilidade de se ter substâncias que produzem íons positivos e íons negativos, como é o caso do HCl. Se ele entrar em contato com a água, é possível observar a separação dos íons opostos, ou seja:

HCl entrando em contato com a água = H(aq) Cl(aq)- . Partindo dessa observação, nota-se que a ligação covalente entre o hidrogênio e o cloro também oferece condutividade elétrica se entrar em contato com solução aquosa. Os íons se formam quando as moléculas se quebram com o contato com a água, e dá abertura para o processo de ionização.

Com outros estudos feitos em outros compostos obtendo os mesmos resultados, o cientista trabalhou nesses experimentos a ponto de criar referências e conceitos para os ácidos, as bases e os sais que foram usados durante as experiências, e outras substâncias que seriam utilizadas.

Conceitos de ácido, base e sal

A partir do momento em que conseguiu identificar os íons que eram observados durante os experimentos, o físico-químico determinou conceitos para essas substâncias segundo a lógica de sua teoria.

• Ácido: é todo composto que, quando entra em contato com alguma solução aquosa, gera ionização capaz de produzir apenas como íon positivo o cátion hidrogênio, H . Exemplo: HX solução aquosa = H X;

• Base: é todo composto que, caso tenha contato com a água, sofre dissociação iônica e libera como íon negativo o hidróxido (OH-) ou ainda uma hidroxila ou oxidrila. Exemplo: Na solução aquosa = Na OH-;

• Sal: é todo composto iônico que já possui um cátion que não é o hidrogênio H , e um ânion diferente de um hidróxido OH-. Um exemplo é o cloreto de sódio, o conhecido sal de cozinha: NaCl = Na Cl-.

Outros tipos de compostos químicos que seguem a lógica da Teoria de Arrhenius são as seguintes:

ZX contato com solução aquosa = Z X- (sal).

HNO3 contato com solução aquosa = H NO3 (ácido).

KOH contato com solução aquosa = K OH- (base).

Importância dos conceitos para o ramo da físico-química

Com o descobrimento e a definição da teoria, os conceitos relacionados a esses compostos se tornaram muito importantes na área da físico-química. Essa teoria ofereceu um olhar mais moderno para que outros cientistas, como Friedrich Wilhelm Ostwald e Martin Lowry, desenvolvessem outras técnicas e outros estudos aprofundados sobre o assunto, inclusive sobre a reação ácido-base, e auxílio para outros estudos químicos.

Tendo grande reconhecimento em virtude dessa análise, o grande cientista recebeu o Prêmio Nobel de Química em 1903, pelo seu trabalho ter sido um dos pontapés para futuros estudos da dissociação iônica e do aperfeiçoamento de práticas já desenvolvidas na época para análise de compostos químicos inorgânicos. Esses experimentos são bastante utilizados na química e na bioquímica.

Embora alguns termos tenham sido modernizados com o decorrer do tempo, como é o caso do termo “hidrônio”, que ilustra o trabalho de reação desses compostos, é nesses conceitos que se baseiam a grande parte dos esquemas gerais que são trabalhados e que funcionam em outras teorias, como é o caso das definições na Teoria de Bronsted-Lowry, Teoria de Lewis e a definição de sistemas solventes, que também são trabalhadas nas dissociações eletrolíticas (outro termo para nomear a dissociação iônica).