Forças de coesão e de aderência


Em mais um artigo deste site iremos aprender um pouco de Física, hoje o assunto em pauta são as forças de coesão e de aderência. Você já ouviu falar sobre isso? Não? Então vamos aprender.

O que são essas forças?

Grosso modo forças de coesão nada mais são do que um tipo de atração entre moléculas de determinado líquido. Já as forças de aderência são forças que tem como objetivo atrair um líquido e também a superfície de um sólido, caso ambos estejam em contato.

Algumas experiências

Para ilustrar melhor estes fenômenos tomemos como exemplo a água – substância líquida -. Observando cuidadosamente nota-se que quando uma pequena quantia de água é posta sobre uma superfície, um vidro, por exemplo, a água tende a se “esparramar” e, portanto, aderir, ao formato do vidro seja ele qual for.

coesão e de aderência

Agora, imagine que no lugar da água utiliza-se mercúrio – um metal líquido – experiências já realizadas constatam que o resultado não é o mesmo, afinal, o mercúrio não tem a mesma capacidade da água de se espalhar pelo vidro.

Mas então você deve estar se questionando: Se tanto água, quanto mercúrio são substâncias líquidas, por que o resultado em ambas as experiências é diferente?

A resposta para esta pergunta reside no próprio conceito de forças de coesão e aderência. Como já mencionado no início deste tópico, forças de coesão são forças moleculares de atração, ou seja, são forças que unem as moléculas de determinada substância; enquanto isso, as forças de adesão – ou aderência – vão atuar entre uma superfície e um líquido quando estes estiverem em contato.

Recordado isso voltemos à experiência: no primeiro caso quando utilizamos a água em nosso experimento, o líquido tende a aderir ao vidro porque as forças de aderência superam as de coesão, portanto, a força que faz com que água e vidro – a superfície – se unam é muito maior do que aquela que uniria as moléculas da água de forma a não separá-las.

Em contrapartida no caso do mercúrio as forças de coesão existentes entre as moléculas são muito maiores do que as de aderência, isto é, aquelas que unem superfície e líquido, por isso, o mercúrio não se espalha.

Em outros casos…

Mas é bom ficar atento, afinal, há casos em que a água acaba apresentando maior força de coesão, como é o caso do orvalho da manhã, ou mesmo, após a chuva. Repare que as moléculas de água – unidas por meio das pontes de hidrogênio – tendem a ficar suspensas nas folhas, portanto, não aderem à superfície.

Mais tipos de força

Além das forças de coesão e de aderência há outras que podem auxiliar nos processos das experiências que vimos.

Tensão superficial: Por exemplo, há a tensão superficial, um tipo de fenômeno que ocorre em razão da força de atração entre as moléculas. A tensão superficial pode ser percebida na superfície de separação entre duas substâncias que por algum motivo não se misturam. Entre os efeitos que podem acelerar, ou mesmo, nem permitir que o processo ocorra estão as condições da natureza, e também, a temperatura.

Voltando ao “líquido universal” a água, pode-se dizer que esta substância tem uma tensão superficial maior se comparada a outros líquidos. Na água é como se houvesse uma espécie de película em sua superfície, sendo esse o motivo de alguns insetos conseguirem ficar sobre a água sem correr o risco de afundar, por exemplo.

Capilaridade: Há ainda outro fenômeno físico denominado capilaridade, este é resultado das influências entre as forças de adesão e coesão da molécula de água, especificamente. Não entendeu? Então vamos aos exemplos: é em razão da capilaridade, por exemplo, que a água consegue passar- ou deslizar – por canos e tubulações dentro de uma parede, ou mesmo, passar por pequenos poros de certos materiais, como é o caso do algodão e do papel.

Agora imagine que é colocado em contato com a água um tubo muito espesso, o qual, ao ficar em contato com o líquido faz com que o mesmo avance pelas paredes, isso tudo só ocorre devido as forças de adesão e coesão. Neste caso, a água e a superfície do fino tubo têm uma relação de afinidade, afinal há a formação de pontes de hidrogênio o que possibilita o fenômeno da adesão. Mas também é graças a aderência, resultante também das pontes de hidrogênio formadas, que as moléculas de água ficam unidas e tendem a “arrastar-se” pelo material, o que acaba elevando o nível da água.

Para você que está mais uma vez se questionando quando fenômenos como esses ocorrem, a resposta está na natureza. Por exemplo, a capilaridade é um fenômeno extensamente utilizado pelas plantas no transporte de sua seiva, levando tal substância da raiz até as folhas.

Esperamos que este artigo possa ter lhe ajudado a entender um pouquinho mais sobre as forças de coesão e aderência, e também sobre os fenômenos adjacentes a esses processos.