Forças Intermoleculares: Dipolo Permanente e Dipolo Induzido

Forças Intermoleculares

Forças intermoleculares

Forças intermoleculares são as forças que mantêm unidas duas ou mais moléculas.
São como as ligações químicas, unindo ou repelindo moléculas de um composto. No entanto, as forças intermoleculares provocam estados físicos diferentes nos compostos químicos e pode ser de interação mais ou menos forte, a depender da polaridade das moléculas.

Isso porque existem muitas moléculas apolares em nosso meio, das quais não há diferença de eletronegatividade entre os átomos e não ocorre deslocamento da carga da molécula, mas ainda se encontram em estado líquido e gasoso.
Johannes Diederik van der Waal, cientista holandês, portanto, determinou as forças que se estabelecem entre as moléculas, as chamadas de Forças de van der Waals.

Dentre elas as principais forças intermoleculares são: ligação de hidrogênio, dipolo permanente e dipolo induzido.

Dipolo Permanente
A força dipolo permanente-dipolo permanente, ou dipolo-dipolo, ocorre apenas em moléculas polares, ou seja, nas que não apresentam distribuição uniforme de carga ao longo de sua superfície.
Por exemplo, na molécula de HCl (gás clorídrico), a nuvem eletrônica está mais deslocada no sentido do átomo de cloro, pois ele é mais eletronegativo que o hidrogênio.

Dipolo Induzido
As forças dipolo induzido-dipolo induzido, são chamadas também de interação dipolo instantâneo- dipolo induzido, ou, ainda, forças de dispersão de London – em homenagem ao físico alemão Fritz Wolfgang London que relacionou essa força intermolecular ao movimento dos elétrons – forças de London.
Essa já é uma interação de fraca intensidade e ocorrem entre moléculas apolares, entre átomos de gases nobres ou entre moléculas polares e apolares.
Essa força ocorre por conta de uma deformação momentânea na nuvem eletrônica da molécula.

Quando duas moléculas apolares ou dois átomos de um gás nobre se aproximam, os elétrons das eletrosferas dos átomos se repelem, de modo a provocar um movimento dos elétrons, que vão se acumular em uma única região. Com isso, se cria um dipolo na molécula ou átomo, pois uma região tem acúmulo de elétrons e carga negativa, outra fica com deficiência de elétrons e carga positiva.